Ritchie Blackmore's Rainbow: O retorno no Monsters da Alemanha

Resenha - Rainbow (Monsters of Rock, Loreley, Alemanha,17/05/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Matheus Palmieri
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


2167 acessosRainbow: veja detalhes do novo álbum duplo gravado ao vivo5000 acessosSlayer: Tom Araya e os sorrisos nos shows ao vivo

Enfim após quase vinte anos de espera, pôde-se vivenciar Ritchie Blackmore voltar aos palcos celebrando o Rock and Roll mais uma vez. Foi emocionante presenciar uma das personagens mais influentes da história do Rock and Roll dedilhar os riffs que, sem sombra de dúvidas, moldaram o Heavy, o Hard e o próprio Rock and Roll.

Loreley por si só já é um show a parte. Às margens do Rio Reno, num lugar feito especialmente para shows, a acústica é impecável, nem mesmo a chuva intermitente ao longo do dia conseguiu por abaixo a atmosfera nostálgica da volta do monstro Blackmore ao rock.

Em termos gerais os músicos do renovado Rainbow foram bem. David Keith, o baterista, faz o básico sem chamar a atenção, não se impôs atras do kit e não trouxe muita energia às musicas, deixando o clima em alguns momentos mais morno. O tecladista, Jens Johansson, faz muito bem o seu papel, encaixando-se perfeitamente na banda tanto sonora quanto presencialmente. A excelente surpresa veio com o baixista Bob Nouveau. Ótima presença de palco e de espírito, com uma pegada forte, elevou a cozinha do Railnbow a patamares que nem Bob Daisley nem Jimmy Bain chegaram, nitidamente o braço direito de Blackmore nessa nova empreitada, carregou a banda nas costas. Ronnie Romero executou com maestria os vocais, tanto das composições do Deep Purple quanto do Rainbow, mesmo tendo a árdua missão de cantar músicas de Ian Gillan, John Linn Turner, David Coverdale, Glen Hughes e o maior de todos os tempos Ronnie James Dio, que, em especial, apresentou um timbre impressionantemente semelhante.

Quanto ao Blackmore, o que dizer? Se escrever por aqui que não apresentou nada de novo não seria mentira e isso nos deixa extremamente felizes. Depois de quase vinte anos longe do Rock and Roll mostrou porquê é um dos mais influentes guitarristas da história. Orquestrou a banda do início ao fim, das músicas ao comportamento dos musicos no palco (principalmente de Ronnie Romero, que o chamou de chefe em determinado momento do show).

O prometido por Blackmore foi cumprido com perfeição. Os maiores clássicos do Deep Purple e Rainbow foram tocados naquela noite. Claro que todos têm seu set list preferido, mas ninguém pode negar de que os treze petardos apresentados fizeram muitas pessoas felizes. Abrindo informalmente com Highway Star, passando por Dificult to Cure, Child in Time, Stargazer, Catch the Rainbow, Perfect Strangers, solos de bateria, teclado e baixo, uma emocionante homenagem à Ronnie James Dio, duas saídas de palco e finalizando a noite com fogos de artifício em Smoke on the Water, o Ritchie Blackmore's Rainbow ressurgiu com maestria e ao mesmo tempo que apresentou fôlego para dar continuidade a essa história, se acabasse agora seria no cume, no cume de uma montanha de prata.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Roger GloverRoger Glover
Ritchie Blackmore não deveria usar o nome Rainbow

2167 acessosRainbow: veja detalhes do novo álbum duplo gravado ao vivo1449 acessosLorde: em vídeo, canta Rainbow aos 12 anos com banda de escola0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rainbow"

Ronnie James DioRonnie James Dio
Curiosidades inusitadas sobre o vocalista

Heavy MetalHeavy Metal
Os 10 discos essenciais lançados nos anos 1970

Monsters of RockMonsters of Rock
O lendário Castle Donington de 1980

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 26 de junho de 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Rainbow"

SlayerSlayer
Tom Araya e os sorrisos nos shows ao vivo

Simone SimonsSimone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy

Lua de MetalLua de Metal
"Satanás, venha a mim, pelo amor de Deus!"

5000 acessosNewsted: adorou o novo som do Metallica e pode voltar a trabalhar com eles5000 acessosIron Maiden: fãs não estão preparados para "Empire of The Clouds"5000 acessosBateristas: três músicos que todo fã de rock deveria conhecer5000 acessosVan Halen: a capa "punk" do primeiro álbum que a banda rejeitou5000 acessosLed Zeppelin: A controvérsia sobre as origens do nome da banda5000 acessosDeep Purple: Blackmore atirou macarronada na cara de Gillan em 93

Sobre Matheus Palmieri

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online