Arkona: noite memorável para os fãs de Folk Metal

Resenha - Arkona (Beco 203, Porto Alegre, 02/12/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Tiago Alano
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Na noite de ontem (2/12), Porto Alegre recebeu pela segunda vez um dos maiores expoentes do folk/pagan metal internacional. O grupo russo Arkona se apresentou no Beco 203, em um evento organizado pela Abstratti Produtora. O show havia sido originalmente marcado para a quinta-feira, porém teve de ser adiado devido a complicações da viagem do Chile ao Brasil.

5000 acessosAndre Matos: confira o incrível alcance do vocalista5000 acessosSlash: "O Velvet Revolver foi divertido, mas um desastre"

Texto: Paola Rebelo
Fotos: Tiago Alano e Paola Rebelo

As portas da casa se abriram dez minutos antes das 21h, o horário marcado, porém a banda só subiu ao palco cerca de meia hora depois, após a introdução instrumental "Az'". A teatralidade da banda se mostrou presente em todos elementos do espetáculo que haviam preparado para aquela noite, desde o figurino medievalesco e os instrumentos folclóricos até a exótica interpretação que a vocalista Masha "Scream" Archipova depositava nas canções.

A música escolhida para abrir o espetáculo foi "Arkaim", do último álbum de estúdio do grupo, Slovo (2011). Desde o início do show, todos os membros do Arkona demonstraram grande energia e entusiasmo, e souberam proporcionar os momentos melodiosos, brutais e de interação com a plateia sem jamais sair dos papéis que eles criaram para a temática proposta. Os russos provaram para a capital gaúcha que, muito mais do que boas músicas, o profissionalismo de uma banda caminha lado a lado com o modo como ela se porta perante seus fãs.

O show seguiu com "Ot Serdtsa k Nebu" e "Goi, Rode, Goi!" cujo idioma, assim como a maior parte das músicas tocadas durante a noite, não impediu que o público cantasse junto com Masha os refrões. Durante todo o show, o fato de a banda não saber falar inglês não a impediu de incitar os metaleiros que enchiam o Beco 203 a pularem e cantarem mais alto, em russo, inglês e até mesmo português.

Após as faixas "Zakliatie" e "Pamiat", respectivamente pertencentes aos álbuns Slovo (2011) e Goi, Rode, Goi! (2009), a vocalista anunciou que a próxima se tratava de uma música fria, que nada mais era do que a canção homônima ao nome da banda, cujo significado remete ao último castelo-cidade pagão dos povos eslavos. Uma das coisas que mais chama atenção no Arkona é o fato de todos os seus integrantes serem multi-instrumentistas. Além dos vocais limpos e guturais, Masha ajudou na percussão de algumas músicas, enquanto Sergey "Lasar" assumiu as guitarras e a balalaica e o baixista Ruslan "Kniaz" também tomou o papel de flautista. Vladimir "Artist" Sokolov, por sua vez, se restringiu as suas baquetas.

No entanto, depois da performance das canções "Slav'sja, Rus'!" e "Kolo Navi", quem conseguiu roubar a cena foi ninguém menos do que Vladimir "Volk" Reshetnikov. O responsável pelos instrumentos de sopro étnicos chamou a atenção do público com seu incrível solo de gaita de fole que, sem qualquer auxílio de guitarras ou distorções, pertencia legitimamente a um show de metal. A maior prova disso foi ver o primeiro mosh pit da noite se formar durante o solo de Vladimir.

Um dos momentos que marcaram a noite foi quando a incansável e feroz Masha começou a incentivar os fãs a formarem um wall of death no meio do limitado espaço do local do show. O engraçado é que ele acabou se formando em um dos momentos mais leves do show, em que o peso do metal era abrandado pela essência folclórica dos instrumentos étnicos e a banda pulava uma dança estranha e alegre no palco enquanto assistia seus fãs se jogando uns nos outros em frente ao palco.

O show continuou com "Maslenitsa", "Po Syroi Zemle", "Stenka na Stenku" e, finalmente se encerrou com "Yarilo", um dos maiores sucessos de Arkona, e "Kupala i Kostroma". Sem bis, a banda deixou o palco por volta das 22h30. Apesar de o show ter sido bastante curto, com apenas 14 músicas, os fãs de folk metal do Rio Grande do Sul tiveram uma noite memorável. A remarcação da data do show, o atraso e o tempo que ele durou nada significou para os fãs de Arkona, que deixaram o beco exaustos e satisfeitos.

Confira galeria de imagens exclusivas do All That Metal/Rádio Putzgrila em:

http://allthatmetal.blogspot.com.br/2013/12/review-de-show-a...

ou

http://radioputzgrila.com.br/site/arkona-noite-memoravel-par...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Arkona"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Arkona"

Andre MatosAndre Matos
Confira o incrível alcance do vocalista

SlashSlash
"O Velvet Revolver foi divertido, mas um desastre"

Regis TadeuRegis Tadeu
Grupelhos, constrangimentos, o 1º dia do Rock in Rio

5000 acessosExtreme: Jack Black e Jimmy Fallon recriam "More Than Words"5000 acessosNirvana: após cover estranho, Claudia Ohana diz que público não a entendeu5000 acessosSeparados no nascimento: Synyster Gates e Luan Santana5000 acessosVai dar rolo: os 50 maiores frontmen do Hard + Metal3808 acessosPower Ballads: as 20 maiores da história do metal5000 acessosNirvana: Claudia Ohana faz cover desastroso no Programa do Jô

Sobre Tiago Alano

Tiago Alano cresceu em meio aos maiores clássicos do Rock da coleção de discos de vinil de seu pai, mas foi quando conheceu o Iron Maiden aos 13 anos que sua vida mudou por completo. É publicitário, fotógrafo e escreve sobre música desde 2005. Além de colaborar com o Whiplash, também possui seu próprio blog, o All That Metal, e é um dos apresentadores de um programa na Rádio Putzgrila voltado para bandas independentes.

Mais matérias de Tiago Alano no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online