Destruction: show que ficará na memória do headbanger de BH

Resenha - Destruction (Music Hall, Belo Horizonte, 31/01/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Luiz Figueiredo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O retorno do Destruction à cidade foi aterrorizante, grandes clássicos dos 30 anos de banda e músicas do novo disco 'Spiritual Genocide' levaram os headbangers à completa loucura. Após o adiamento da turnê brasileira que aconteceria no mês de dezembro (de 2012) e não incluía Belo Horizonte, a capital mineira entrou na rota do Destruction na remarcação de shows para o fim do mês de janeiro. Atendendo um pedido muito comum do público e dos músicos locais, desta vez a produção escalou duas bandas para abertura do evento: o Metraliator e o Facínora.

5000 acessosSteve Vai: O dia em que ele foi humilhado por Chimbinha5000 acessosChris Cornell: cantor usou aparelho de escalada para tirar a vida

Pontualidade

Exatamente às 21h10 o Metraliator começou seu show no Music Hall, assim como anunciado antecipadamente pela mídia local através do facebook. A apresentação durou 30 minutos e foi suficiente para os caras tocarem seis músicas. A novidade foi a música Bestial Force, prévia do novo disco de mesmo nome que promete ser um dos grandes lançamentos do metal mineiro neste ano. No palco, o Metraliator evidenciou a agressividade do seu thrash metal de vocal rasgado e a pancadaria comeu solta.

Rapidamente o Facínora também já estava ao palco para sua apresentação. Com os mesmos 30 minutos de show, o som dos metalheads de Betim(MG) pôs fogo no moshpit. Foram sete músicas incluindo Piranha, do Exodus, que foi assistida por um dos integrantes do Destruction da parte de cima do Music Hall, área reservada aos músicos e equipe das bandas (não foi possível de onde eu estava identificar se era o Schmier ou o baterista Vaaver). 'Hell is Here' e 'Facínora' foram as músicas que mais agitaram o público. Tão importante quanto a qualidade do show das duas bandas foi o respeito ao cronograma feito pela produção. Isso, com certeza, impulsiona as produções seguintes a sempre incluírem bandas locais para abrir os grandes shows que passam por aqui.

Estrutura do Music Hall

Após a tragédia na boate em Santa Maria(RS), muito alarde tem sido feito em todo o Brasil no quesito segurança. Infelizmente, em nosso país o rigor para fiscalizar esse tipo de questão só existe se acontecer uma grande tragédia. Na última quinta-feira (31), na entrada da casa e no interior dela havia representantes do Corpo de Bombeiros. É muito provável que tenha sido feita uma vistoria no local para o funcionamento da casa. Por ser uma casa bem estruturada e que, pelo menos, tem duas saídas, a vistoria não deve ter ameaçado em nenhum momento a realização do show.

Mas uma coisa é preciso ressaltar. A grade frontal que separa o público do palco é perigosa e ainda pode machucar alguém do público ou até mesmo um segurança. Desde a primeira vez que fui ao Music Hall (D.R.I. 16/04/2011), informei sobre este problema e a grade ainda é a mesma. São várias peças pesadas de ferro, elas são parecidas com as grades utilizadas para delimitar filas em ambientes externos. Entre uma estrutura desta e outra, há um espaço em que é possível prender uma perna. Além de poder machucar, isso sobrecarrega o trabalho dos seguranças. Eles tentam impedir que invadam o palco, mas, ao mesmo tempo que precisam controlar o público, precisam segurar a grade para que a mesma não caia. Ao final do show do Destruction, uma delas ficou quebrada e tombada no sentido em que o público faz força. Espero que a administração da casa substitua estas estruturas por uma grade firme que proteja o público e ajude no trabalho dos seguranças.

Destruição

Além da tradução do nome da banda, destruição é o que eles causam por onde passam e, em Belo Horizonte, não fizeram diferente. Foram 30 anos de thrash metal extremamente pesado em quase duas horas de show. Além dos clássicos, três músicas do novo disco foram muito bem recebidas pelo público: 'Cyanide', a faixa título 'Spiritual Genocide' e, principalmente, 'Carnivore'. A abertura foi com 'Thrash Till Death' e, na sequência, assistimos 'Nailed to the Cross', 'Satans Vengeance' e 'Mad Butcher' tudo isso ainda no início do show. As rodas de 'mosh' e 'stagediving' não paravam, pois Schmier, Mike e Vaaver não davam descanso, era uma atrás da outra.

Outra que obrigou o público a bangear como se não houvesse amanhã foi 'Antichrist' que precedia o solo de Vaaver. O grandalhão espancou seu kit por alguns minutos e já emendou com o início de 'Tormentor'... que show fantástico. É impressionante a presença de palco dos alemães. Schmier e Mike sempre andando pelo palco e interagindo com as pessoas. Outra observação no show de uma banda poderosa e importante como é o Destruction, é perceber o quanto muitas bandas que surgiram depois deles adotaram as características do seu som, visual etc. Há várias bandas de excelente nível da cena brasileira, por exemplo, que tem em seu trabalho traços marcantes que vemos no Destruction. Isso prova a importância deste grupo.

Foi na base da violência que o Destruction finalizou o show com as últimas quatro pedradas: 'Butcher Strikes Back', 'Total Desaster', 'Bestial Invasion' e 'Curse the Gods'. No setlist colado no chão do palco, havia a música 'Whiplash' do Metallica após 'Curse...', mas ela não foi executada. Uma apresentação intensa para ficar na memória do headbanger de Belo Horizonte e região que lotou o Music Hall na quinta-feira a noite e agitou do início ao fim.

Confira o setlist de Metraliator, Facínora e Destruction tocado no Music Hall, dia 31 de janeiro:

Metraliator
01 - Kill The Oppression
02 - Bestial Force
03 - Metraliator
04 - Speed Metal Machine
05 - Misanthropic Way
06 - Motor Banger Man

Facínora
01 - R.I.P Religion is a Plague
02 - Empty Illusions
03 - Hell is Here
04 - Piranha
05 - Facínora
06 - War Between Selfish
07 - The Evil

Destruction
01 - Thrash 'Till Death
02 - Spiritual Genocide
03 - Nailed to the Cross
04 - Satans Vengeance
05 - Mad Butcher
06 - Canivore
07 - Eternal Ban
08 - Life Without Sense
09 - Death Trap
10 - (Intro) Cyanide
11 - The Antichrist
12 - Drum solo
13 - Tormentor
14 - Hate is My Fuel
15 - Tears of Blood
16 - Armageddonizer
17 - Butcher Strikes Back
18 - (Intro) Total Desaster
19 - Bestial Invasion
20 - (Intro) Curse the Gods

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 06 de fevereiro de 2013

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Destruction"

DestructionDestruction
Quem é rico não pode fazer thrash metal

Thrash MetalThrash Metal
Os 10 melhores discos do século 21, segundo o Loudwire

Rock e metalRock e metal
O outro lado das capas de discos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Destruction"

HumorHumor
O dia em que Steve Vai foi humilhado por Chimbinha

Chris CornellChris Cornell
Cantor usou aparelho de escalada para tirar a vida

Pattie BoydPattie Boyd
O infernal triângulo com George Harrison e Eric Clapton

5000 acessosRush: Um Adeus Aos Reis5000 acessosAs histórias por trás de 11 capas clássicas5000 acessosRock e metal: o outro lado das capas de discos5000 acessosW. Axl Rose: o som de 25 mil dólares da BMW do vocalista3850 acessosTop 10: unanimidades entre os álbuns de rock ao vivo4576 acessosMötley Crüe: Mick Mars admite que banda usa fitas ao vivo

Sobre Luiz Figueiredo

Sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Luiz Figueiredo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online