Destruction: Alguém aí anotou a placa do caminhão?

Resenha - Destruction (Via Marquês, São Paulo, 03/02/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Alguém aí anotou a placa do caminhão? Porque a porrada foi tão forte que não tive nem tempo de sequer processar o que aconteceu na casa Via Marquês nessa noite de domingo. O trio alemão fez um show avassalador, para delírio do público presente. Em volume alto, o som estava ótimo e o DESTRUCTION "passou por cima" de quem estivesse na frente.

Destruction: Big Four alemão está "na lista de prioridades"Metallica: James Hetfield explica suas tatuagens preferidas

Fotos por Leandro Anhelli

Inicialmente marcada para dezembro de 2012, essa passagem da banda pelo Brasil teve de ser adiada para fevereiro e os fãs tiveram que aguardar mais alguns meses para ver o trio alemão.

Pelo menos a espera valeu a pena. Divulgando o mais recente álbum, "Spiritual Genocide" (2012), e em comemoração aos 30 anos de banda, o DESTRUCTION trouxe ao país a turnê "Spiritual Genocide: 30 Years Of Total DESTRUCTION".

A "destruição total" começou por volta de 20:40hs, já logo de início com "Thrash Till Death", seguida da faixa-título do mais novo álbum da banda e "Nailed To The Cross", essa um dos pontos altos da noite. Porrada seguida de porrada, com muito peso e palhetadas rápidas de Mike Sifringer .

Sem estar lotada, a Via Marquês estava muito confortável para o público. Agradava a todos. Quem quisesse curtir o show sossegado ao fundo ou nas laterais não encontrava problemas. Já quem queria agitar no meio da galera, encontrava grandes rodas sendo abertas no meio da pista e ainda podia fazer o chamado "crowd surfing".

O palco, com luzes piscando em verde, vermelho, azul e branco, possuía três pedestais com microfones para que Schmier pudesse andar de um lado para o outro, e todos eles estavam bem ajustados, pois se ouvia o vocalista com tranquilidade, mesmo em meio ao som pesado produzido pela banda. Em alguns momentos Schmier pareceu reclamar do som do seu baixo e o pessoal da produção se mexeu rapidamente para ajudá-lo, mas confesso que não percebi nada que afetasse a qualidade da apresentação.

Entre uma canção e outra, o vocalista algumas vezes parou para conversar com os fãs presentes e arriscou até algumas palavras em português ao pedir "uma cerveja por favor", além de "boa noite São Paulo" e "obrigado".

Outros pontos altos da noite ficaram por conta de "Satan's Vengeance", "Life Without Sense" e "Bestial Invasion", música do primeiro disco do DESTRUCTION ("Infernal Overkill" - 1985), que fechou a apresentação antes do bis. A essa altura faltavam alguns minutos para 22hs.

Para terminar um domingo de muito Metal pesado de qualidade, "Curse The Gods", que remeteu o público a 1986, ano de lançamento de "Eternal Devastation". Um grande e marcante show desses alemães que seguem à risca o lema "Thrash Till Death".

Abertura

Enquanto o público aguardava o show do DESTRUCTION, duas bandas foram as responsáveis pela abertura da noite. O trio feminino de São Paulo, NERVOSA, foi o primeiro a subir no palco, trazendo canções de sua primeira demo lançada em 2012. Dessa vez contou com a participação de Amilcar Christófaro (TORTURE SQUAD) na bateria, além, é claro, das integrantes Fernanda Lira (vocal, baixo) e Prika Amaral (guitarra). O trio tem alcançado bastante destaque na cena Metal nacional e internacional e essa foi mais uma oportunidade do público ver o trabalho dessas garotas que têm sangue metaleiro correndo nas veias.

Em seguida foi a vez do GENOCÍDIO, tradicional banda de Death Metal brasileira, que hoje conta com os membros mais antigos, Murillo Leite (vocal e guitarra) e W. Perna (baixo), e ainda Rafael Orsi (guitarra) e João Gobo (bateria), integrados ao grupo em 2012. Trazendo em seu set canções dos 25 anos de carreira da banda, o GENOCÍDIO aproveitou a oportunidade para apresentar a música "Reverse", que fará parte do próximo álbum da banda, a ser lançado em 2013.

Duas gerações de bandas que carregam a bandeira do Metal nacional com muito orgulho e propriedade. Um ótimo esquenta para o público que aguardava pelo DESTRUCTION.

Agradecimentos a Damaris Hoffman (Hoffman & O'Brian) pela atenção e credenciamento.

Banda DESTRUCTION:

Marcel Schmier (vocal, baixo)
Mike Sifringer (guitarra)
Vaaver (bateria)

Set List

1. Thrash Till Death
2. Spiritual Genocide
3. Nailed to the Cross
4. Satan's Vengeance
5. Mad Butcher
6. Carnivore
7. Eternal Ban
8. Life Without Sense
9. Cyanide
10. Antichrist
11. Solo Bateria
12. Tormentor
14. Hate Is My Fuel
15. Death Trap
16. The Butcher Strikes Back
17. Total Desaster
18. Bestial Invasion

Bis

19. Curse the Gods




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Destruction"Todas as matérias sobre "Nervosa"Todas as matérias sobre "Genocidio"


Destruction: Big Four alemão está na lista de prioridades, afirma SchmierDestruction
Big Four alemão está "na lista de prioridades", afirma Schmier

Destruction: estreia do clipe "Betrayal"

Destruction: música, religião, sexo, Metal, downloads...Destruction
Música, religião, sexo, Metal, downloads...

Thrash: os dez álbuns essenciais do gêneroThrash
Os dez álbuns essenciais do gênero

Hard & Metal: dez músicas que soam melhor ao vivoHard & Metal
Dez músicas que soam melhor ao vivo


Metallica: James Hetfield explica suas tatuagens preferidasMetallica
James Hetfield explica suas tatuagens preferidas

Massacration: saiba quem é o baterista que tocava de verdadeMassacration
Saiba quem é o baterista que tocava "de verdade"

Heavy Metal: diagrama explica a origem dos nomes de bandasHeavy Metal
Diagrama explica a origem dos nomes de bandas

Kiss: "Rock and roll é um trabalho para otários!"Maquiagem, spikes e sorrisos: conheça o Happy Black MetalMike Terrana: "Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"Burzum: Vikernes diz que não se arrepende de nada

Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

adClioIL