Peter Frampton: unindo gerações em show na Argentina

Resenha - Peter Frampton (Gran Rex, Buenos Aires, 06/09/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fábio Sales, Fonte: El Acople, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A história pode não ter sido justa com Peter Frampton. Bem, isso depende de que lado você vê-la. Ao longo dos anos, sua música foi mais reconhecida pelas baladas FM ao invés de um "Guitar Hero", que deveria ter sido.

5000 acessosFotos de Infância: Red Hot Chili Peppers5000 acessosRock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionais

Ao entrar no Teatro Gran Rex um aviso: este é um show que reúne várias gerações. Roqueiros da velha guarda que seguem-no desde os tempos de Humble Pie, com suas camisas de bandas como Jethro Tull e Rush. Senhoras que têm em suas memórias a recordação de suas poderosas baladas. Há músicos também. Existem aqueles que conheceram Peter Frampton num episódio de Os Simpsons (Hallaballooza). Não importa. O fato é que Frampton tem na versatilidade a fórmula para deixar todos felizes e satisfeitos.

Primeiro ato

Alguns críticos o acusam de fazer o soft rock. Então, se preparem para a resposta: a trinca “Four Day a Creep”, “It’s a plane shame” e a consistente “Show me the way” é o cartão de visita de Mr. Frampton. A banda soa perfeita, Frampton está totalmente inspirado. É o tipo do cara que gosta de estar em um palco. Um músico que tem claramente um sentimento pela melodia e divide com seus próprios companheiros os méritos da performance musical. Um cara que atingiu a fama e marcou o nome na história do rock, mas muitos se lembram dele apenas pelas canções executadas em rádios Fm. Entretanto, para grande parte da década de 1970, Peter Frampton costumava ser a maior estrela de rock no mundo, assim como o rosto mais lindo do rock. Que o diga "Frampton Comes Alive" um dos mais bem sucedidos discos ao vivo da história do rock.

Segundo ato


Esta parte é onde Peter está feliz realmente, onde ele mostra seu grito de guerra. Um bloco de instrumentais. Sim, rock'n roll direto, sem firulas.

Vamos conhecer as novas canções. Elas são de qualidade. Em outra época, talvez teria sido melhor. Ok, vamos tentar isso: uma versão a la Sabbath de "Black Hole Sun" (Soundgarden). Este Peter... ele gosta de incomodar as pessoas! Mas ele falha, só alimenta sua grandeza como músico. Porque é um grande músico, grande técnica, pura e refinada. Rocker, mas não tão selvagem, porém, sempre constante e melódico. Tal como em "All I Wanna Be", clássico atemporal.

Terceiro ato

Um pouco de romantismo, se posso dizer. Porque, digo a verdade: é provável que muitos de vocês devem conhecê-lo por temas como "Baby I Love Your Way". Grande parte de seu sucesso e reconhecimento mundial se deve a essa canção. Mas definitivamente, ela não representa a sua obra. Foi um daqueles golpes do destino.

Quarto ato

O show todo soa numa atmosfera nostálgica e criativa, como nos anos 1970. Há sons e solos que ninguém faz. E que bom quando os músicos podem improvisar. “Do you feel like we do”, um dos grandes êxitos de sua carreira, é perfeitamente o retrato de uma década de grandes inspirações.

Frampton pode não ser o melhor compositor do mundo. Mas o 'garoto' se diverte através da música. Porque é um grande músico, e sabe como aliar o entretenimento e a seriedade nas apresentações. Eis que chega a canção final: uma versão intensa de “While My Guitar Gently Weeps” (Beatles). Um final decididamente perfeito. Depois de duas horas, Peter pode ter a certeza de que seu objetivo foi alcançado.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Peter Frampton"

Álbuns ao vivoÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

PoeiraPoeira
Frampton nos Stones? Plant no The Who?

AC/DC, Wings, Eagles e maisAC/DC, Wings, Eagles e mais
Os grandes álbuns lançados em 1976

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Peter Frampton"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Os membros do Red Hot Chili Peppers antes da fama

Rock in RioRock in Rio
Algumas das maiores vaias em edições nacionais

Pactos?Pactos?
Os envolvimentos de bandas com ocultismo

5000 acessosGuns N' Roses: o "Chinese Democracy" que você nunca viu5000 acessosZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista5000 acessosReligião: Top 10 citações sobre Deus e o Diabo5000 acessosGrave Digger: Ozzy foi a pior performance que vi na minha vida5000 acessosHeavy Metal: os 11 melhores álbuns da década de 705000 acessosAC/DC: vocalista original diz que fãs apoiariam seu retorno

Sobre Fábio Sales

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Fábio Sales no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online