Sodom: Show absolutamente memorável e brutal em Campinas

Resenha - Sodom (Hammer Rock Bar, Campinas, 12/09/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Glauco Silva
Enviar Correções  









E mais uma vez o interior paulista mostrou toda sua força, comparecendo em peso (com o perdão do trocadilho) ao Hammer para presenciar o cataclisma por um dos 3 pilares do thrash teutônico made in Germania: o Sodom.

Fotos: Sallua de Moura

Pro esquenta, primeiro entra o Bloody aqui da região. O quarteto promovia seu segundo álbum, recém-lançado, e o público já tava se amontoando - vale louvar esse apoio do pessoal às bandas de abertura. Não gostava do som dos caras até poucos meses atrás, mas o nível de maturidade que suas composições alcançaram apagou totalmente a imagem negativa. Baseando seu set em músicas deste novo trabalho, algumas do debut e um cover do Destruction, foram muito bem recebidos pelos thrashers.

Os paulistanos do Andralls seguiram a sessão mói-pescoço, e fiquei BEM impressionado com o show dos caras… muita gente comentou comigo que não gostava do som da banda, e vendo a quebradeira que promovem ao vivo não dá pra entender o por quê disso. O trio fez um set avassalador, tocando estricnados e, evidente, contagiando a turba que se apertava cada vez mais na panela de pressão que a casa já estava se tornando. Excelente show, a bola não caiu nem mesmo após uma corda do guita/vocal Alex estourar.

Após um intervalo razoável pra ajuste de equipo, eis que por fim Tom Angelripper, Bernemann e Bobby Schottkowski adentram a arena. O que se seguiu foi uma catarse de mosh que não assistia há um bom tempo: o set list foi ótimo, combinando poucos sons mais recentes e as pauladas que os transformaram em heróis de gerações barulhentas… recentemente, acho que só em shows pequenos de crossover vi tanta pancadaria na audiência - no bom sentido, claro.

Fala aí os clássicos da banda - quase tudo foi executado: "Obsessed By Cruelty", "Ausgebombt", "Outbreak Of Evil", "M-16", uma tocante homenagem ao ex-batera Witchhammer (que havia falecido há poucos dias) em "Remember The Fallen", o torpedo "Agent Orange", parte da história do thrash foi revivida no Hammer… Dada a simpatia do trio, fica até difícil acreditar que a turma do Angelripper teve aqueles desentendimentos com o Sepultura, na notória tour européia de lançamento do "Beneath the Remains". A banda sofria com o calor, mas não deixou o pique baixar sequer um segundo.

Foi definitivamente um dos melhores shows que assisti esse ano, com uma energia impressionante fluindo entre o palco e a área de guerra à frente deste. Como alguns comentaram: pode ter faltado "Nuclear Winter" e "Tired And Red", mas a versão pungente que fizeram pra "Ace Of Spades" (e os tubos de gelol pro pescoço no dia seguinte ) compensou mesmo as pequenas falhas no mic de vocal, que ocorreram mais no fim do show.

Absolutamente memorável e brutal, que voltem com mais freqüência pra terras tupiniquins!