Helloween e Gamma Ray: Os melhores do Melódico e do Power em BH

Resenha - Helloween e Gamma Ray (Chevrolet Hall, Belo Horizonte, 18/04/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











Anos atrás, quando Helloween e Gamma Ray começaram, pela primeira vez, a fazer as tais pequenas jams de reunião ao final do show, na Europa, pensei: que bom seria se isto ocorresse no Brasil. Finalmente, isto foi possível.

Fotos: Ary Chedid

Foto da Chamada: Rodrigo Simas (show do Rio)

Não por acaso, sempre achei duas coisas, comprovadas após o concerto: o Helloween é a melhor banda de heavy melódico e o Gamma Ray a melhor do power metal. Tais nomes resumem e definem um estilo com maestria, talento e uma capacidade de fazer hinos impressionante. Para ser sincero, são as únicas dentro do gênero que merecem meu irrestrito respeito e admiração, bem como as únicas que consigo ouvir até hoje. São carreiras longínquas, de uma regularidade incrível. Cada álbum de tais grupos é praticamente um atestado de qualidade e competência. Você sempre achará composições acima da média ali. E músicas capazes de ultrapassar o tempo, sem se tornarem datadas ou desnecessárias.

Pontualmente às 21:00 hs a trupe de Kai Hansen sobe ao palco, mandando logo “Into The Storm”. Com o tempo de show reduzido pelo formato do evento, o que se viu foi um set todo calcado em clássicos, um deleite para os fãs. Como se gosta muito de falar em “entrosamento”, o clichê cabe bem ao grupo: Kai, Henjo Richter, Dirk Schlächter e Dan Zimmerman são precisos e milimétricos. Músicas velocíssimas executadas praticamente de modo perfeito – destacando-se em especial os solos fiéis reproduzidos por Henjo e o incansável Zimmerman, em tempos e conduções infalíveis. 12 anos de estrada juntos – numa estabilidade que o Gamma Ray jamais teve até a entrada dos dois – sem dúvida elevou o poderio das composições e trouxe álbuns num crescendo constante.

Kai, simpaticíssimo, é um perfeito frontman – a noite, aliás, não poderia ter dois homens de frente melhores. Interagindo com o público, puxando coros e participações coordenadas, como na maravilhosa “Heavy Metal Universe”, o grupo não deixou ninguém piscar, mandando hinos como “Valley Of The Kings”, “Rebellion In Dreamland”, “Ride The Sky”, “Somewhere Out In Space” e “Send Me A Sign”. Todas sinônimo de power metal. E que funcionam muito, mas muito bem ao vivo. As novas músicas, ainda pouco conhecidas, foram recebidas com maior frieza, mas demonstram que o grupo teve sucesso na segunda parte do clássico “Land Of The Free” – a principal falta no set list, ao lado de “The Silence”, uma das melhores baladas do metal. Contudo, foi uma experiência para ninguém reclamar.

Após longos preparativos e ajustes, o Helloween sobe ao palco, belamente decorado para a turnê do ótimo “Gambling With The Devil”. Quem esperava uma música nova de abertura foi surpreendido com a soberba “Halloween”, sem deixar nenhuma saudade de Michael Kiske. Aproveito para dizer que, pra mim, Kiske é muito mais mito que qualquer outra coisa. Bom vocalista, claro, tremendamente eficiente e límpido nos agudos, mas limitado, demasiado “happy happy”, esquecendo que o “hell” vem depois. Se você colocar na balança, produziu dois ótimos CDS com a banda, os “Keepers”, e dois médios/fracos “Chameleon” e “Pink Bubbles Go Ape”. Ou seja, neste tempo o nome de Kiske foi desmensuradamente elevado e glorificado numa adoração exagerada e sem razão de ser.

Andi Derris, querendo ou não, representou não só uma volta do Helloween ao espírito do espetacular “Walls Of Jericho”, como injetou vida nova e um contorno muito mais interessante às composições. Com ele, temos um Helloween mais pesado, agressivo, perigoso, direto, hard, com intensidade, balanço, riffs, técnica e sem nenhum prejuízo de clássicos: pelo contrário, nos últimos 14 anos a banda produziu hino atrás de hino, fato comprovado pelo set list deste show, que embora excelente, poderia conter inúmeras outras composições. Seu vocal é mais polivalente, rasgado, contém peso e melodia de modo equilibrado. Felizmente ele saiu da sombra de tentar reinterpretar Kiske, como fazia no início, gerando atuações às vezes constrangedoras. Sem receio e dono de si, Derris evoluiu e produz muito mais, sabendo que ele é a voz do Helloween, mais que qualquer outro.

Isto se faz notar na presença de palco. Vestido a caráter com uma jaqueta do novo CD, Andi domina a cena, tem o público na mão, e literalmente, sem usar nenhuma expressão polida, “desce o pau” cantando muito tanto nas rápidas e pesadas, como nas baladas mais lentas, além de dar sua própria interpretação às músicas da fase Kiske – hoje é muito melhor ouvir “Eagle Fly Free”, “Halloween”, “Dr. Stein”, “March Of Time” e “A Tale That Wasn’t Right” na sua voz do que era há alguns anos atrás. Em tons bem baixos e mais rasgado do que nunca, tanto melhor, é ele dando o melhor de si, a frente, com muita competência, do maior nome do heavy melódico.

Nota-se, também, que Sascha Gerstner (guitarra) e Dani Löble (bateria) demoraram pouquíssimo tempo para se sentir a vontade no grupo, indo além de simplesmente executar seus papéis. Markus Grosskopf é “a” figura no palco, o mais feliz e empolgado, satisfeito por fazer o que gosta. E Michael Weikath continua poser como sempre, com seu ar blasé de rock star, mas sem comprometer.

“Sole Survivor” foi um ponto altíssimo, a exemplo das anteriormente citadas, e, surpreendentemente, “The Bells Of The 7 Hells” também: que exemplifica o quanto Derris sabe tornar as músicas novas conhecidas e marcantes, naquela brincadeira de fazer o público cantar o refrão em etapas, aula de como produzir clássicos. E a música, além disso, é mesmo boa. Sobre o solo de bateria, chega a ser covarde desprezá-lo, dada a tamanha obviedade do quanto ele é anti-climáx. Passando por cima disto, chegamos a “If I Could Fly”, balada diferenciada, que foi bem recebida.

Para tentar abarcar o máximo de músicas possível em pouco tempo, a banda atacou com um interessante medley composto por “Perfect Gentleman”, “Where The Rain Grows”, “I Can”, “Power” e “Keeper Of The Seven Keys”. Umas apenas com uma pequena parte executada – como “Power”, lamentavelmente negligenciada – mas com um encadeamento muito bem feito e que manteve o público alto o tempo todo, cantando e acompanhando sem esfriar, neste que é um recurso bem vindo se bem feito, e o Helloween o fez muito bem.

Como todos esperavam, o final ficou por conta da reunião entre eles e o Gamma Ray, mandando “Future World” e “I Want Out”, duas músicas adoradas e bem no espírito “happy happy helloween”, que deve ter arrancado lágrimas dos mais emotivos e contou até com passos ensaiados pelos integrantes, naquelas coreografias clássicas do metal. Pouco a se objetar. Um dos melhores shows que a capital mineira já viu.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MasterplanMasterplan
Lyric video de "The Chance", do Helloween

866 acessosMasterplan: ouça recriação de "Escalation 666" do Helloween1188 acessosHelloween: banda russa com nome esquisito faz cover em russo1536 acessosHansen & Friends: veja vídeo com cover de "Save Us", do Helloween1119 acessosUnisonic: CD e DVD "Live in Wacken" sai em julho806 acessosEm 29/05/2015: Helloween lança o álbum My God-Given Right0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Helloween"

Heavy MetalHeavy Metal
Os 10 melhores EPs de todos os tempos

Baladas do MetalBaladas do Metal
Blog elege as mais bonitas de todos os tempos

HelloweenHelloween
Michael Kiske admite que está gordo para turnê de reunião

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Helloween"0 acessosTodas as matérias sobre "Gamma Ray"

VocalistasVocalistas
Três grandes erros na história de três grandes bandas

GibsonGibson
As dez melhores composições épicas do rock

Guns N RosesGuns N' Roses
O "Chinese Democracy" que você nunca viu

5000 acessosAs tatuagens de Rob Halford5000 acessosSeparados no nascimento: Ritchie Blackmore e Mr. Bean5000 acessosSeparados no nascimento: Joe Satriani e Lord Voldemort5000 acessosFreddy Frenzzy: O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação3031 acessosGhost: single tem capa inspirada em filme de Hannibal5000 acessosPearl Jam: homem acaba preso após pedir ajuda para convencer mulher a voltar

Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online