Motorhead: desta vez morno, mas sempre bom

Resenha - Motorhead (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 28/04/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Raphael Crespo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quem presenciou o arregaço promovido pelo Motorhead em 2004, num show no Canecão, certamente esperava outra apresentação do tipo "arrasa-quarteirão" na noite do sábado na Fundição Progresso. Antes de mais nada, um show do trio não tem como ser ruim. Os caras têm todas as manhas possíveis em cima de um palco e como diz o vocalista Lemmy durante as apresentações: "We are Motorhead. And we play Rock n' Roll". Mas, a rigor, a passagem mais recente da banda pelo Rio de Janeiro teve um clima mais morno que a anterior.

815 acessosStar Wars: cosplay funde Lemmy Kilmister a Stormtrooper5000 acessosAtaques em Paris: Pastor caga pela boca ao comentar massacre

Não que o show tenha sido ruim. Pelo contrário. Foi até bem legal. Mas a escolha do set list deixou o clima um pouco arrastado, não tão energético. Faltaram diversos clássicos que, em 2004, quase colocaram o Canecão abaixo, como "No Class", "Bomber", "R.A.M.O.N.E.S" e a música "Motorhead". O mais recente disco, "Kiss of Death" (2006), traz um Motorhead bem Rock n' Roll, pesado, mas com o pé no freio, ou seja, um pouco menos veloz. E, talvez, isso tenha se refletido no show.

De qualquer forma, a abertura, com "Doctor Rock" foi matadora. "Stay Clean", outra das antigas, veio na sequência e manteve o pique. E, a partir daí, o show foi se alternando com músicas dos dois álbuns mais recentes - "Inferno" (2004) e "Kiss of Death" - e outras com mais idade. Se em 2004 o cover apresentado foi "God Save the Queen", do Sex Pistols, desta vez a banda homenageada foi o Thin Lizzy, com "Rosalee", que não chegou a empolgar.

Na segunda metade do show, no entanto, o clima começou a esquentar de vez. No meio da excelente "Sacrifice", Mikkey Dee provou ser um dos melhores bateristas da história do Heavy Metal, com um solo inesquecícel. É sempre assombroso assistir a esse mestre das baquetas, que, ainda por cima, durante todo o show, comandou o público, pedindo palmas e marcando os compassos. Muito simpáticos, Lemmy e Phillip Campbell se alternavam na comunicação com a platéia, o que, por sinal, demonstrava o quanto estava baixa a voz do vocalista, que quase não era ouvida durante as músicas. O microfone de Phill estava com um volume muito mais alto.

Quando Lemmy anunciou "Going to Brazil", urros foram ouvidos por toda a Fundição Progresso e a roda formada se seguiu em "Killed by Death" e na esperada "Iron Fist". Quando a coisa já pegava fogo, a banda deixou o palco e voltou para o bis com dois violões e uma gaita, a cargo de Lemmy, para a execução de "Whorehouse Blues", uma ótima música, mas que foi colocada na hora errada. Por respeito, o público levantou os braços, acendeu isqueiros e aplaudiu no final, mas demonstrou sua sede pelo peso e velocidade característicos do Motorhead nas duas músicas que fecharam, de forma matadora, o show: "Ace of Spades" e "Overkill", esta última, praticamente, à velocidade da luz.

Set list:
Dr. Rock
Stay Clean
Be My Baby
Killers
Metropolis
Over The Top
One Night Stand
I Got Mine
In The Name of Tragedy
Sword of Glory
The Chase is Better Than the Catch
Rosalee
Sacrifice
Just 'Cos You Got The Power
Going to Brazil
Killed by Death
Iron Fist
Bis:
Whorehouse Blues
Ace of Spades
Overkill

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Phil AnselmoPhil Anselmo
Lemmy sentia dor mas não queria deixar o palco

815 acessosStar Wars: cosplay funde Lemmy Kilmister a Stormtrooper1238 acessosMotorhead: album solo de Lemmy a ser lançado ainda este ano0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

MotorheadMotorhead
Fã teve problema na escola por causa do "Snaggletooth"

MotorheadMotorhead
Lemmy poderia ter sido um professor de história

SepulturaSepultura
Como foi o convite para tocar com o Motörhead?

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"

Ataques em ParisAtaques em Paris
Pastor caga pela boca ao comentar massacre

Dave MustaineDave Mustaine
Kiko é o primeiro que me intimida desde Friedman

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Dando "chega mais" em Mônica Apor na coletiva

5000 acessosOh, não!: clássicos que foram "estragados" pelo tempo5000 acessosMegadeth: a história de quando Slash quase entrou na banda5000 acessosBruce Dickinson: Ele lamenta não ter dado um soco em Axl Rose5000 acessosHeavy Metal: "um conforto para os jovens brilhantes"5000 acessosSeparados no nascimento: James Labrie e Tite4398 acessosRandy Rhoads: os dez solos mais espetaculares do guitarrista

Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online