Dimmu Borgir: Público compareceu em peso ao Credicard Hall

Resenha - Dimmu Borgir (Credicard Hall, São Paulo, 24/04/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Adriano Coelho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.







Fotos: Carolina Oliveira

Uma das principais polêmicas geradas em relação ao Dimmu Borgir é se a banda é realmente Black Metal ou se isso não passa de puro marketing. Aparentemente a dúvida pouca diferença fazia para o público que compareceu em peso ao Credicard Hall para prestigiar a banda que no momento recebe o rotulo de "Black Metal Melódico" ( tá bom assim?).

Encarregados de abrir a noite, o Torture Squad - quarteto paulistano formado por Victor (vocal), Amílcar (bateria), Castor (Baixo) e Ronaldo (Guitarra) - teve meia hora para mostrar todo seu peso e energia. Tocaram músicas dos cds "Pandemoniun", "The Unholy Spell" e "Asylum of Shadows" e acabaram agradando o público.

O Dimmu Borgir entrou mandando logo de cara "Spelbound". O som alto, a iluminação baixa e o desenho do artista Joachin Luetke no fundo faziam uma combinação perfeita, criando um clima extremamente sombrio, ou seja, tudo aquilo que a platéia queria.

Apesar do preconceito da maioria das pessoas com relação ao Black Metal, a galera foi super pacifica e comportada, dando um bom exemplo.

Uma das dúvidas do show era com relação ao baterista, já que o novato Reno teria a difícil tarefa de substituir o competente Nicholas. Porém poucos minutos após a início do show essa dúvida já havia sido totalmente dissolvida. Reno mostrou que dá conta do recado, castigando a batera sem dó. Mas os maiores destaques do Dimmu foram sem dúvidas o teclado, que chegou a soar de forma macabra e os Backing Vocals, que se destacaram bastante do vocal principal.

Com um set List bem curto, composto pricipalmente por músicas dos dois últimos cds "Death Cult Armagedon" e "Puritanical Euphoric Misanthropia", o show teve apenas uma hora e quinze minutos de duração. A banda tem muito mais som para tocar e ficaram devendo músicas como "Stormblast". Mesmo assim foi um grande espetáculo, fecharam o show com "Progenies of the Great apocalypse".



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Dimmu Borgir"


Dimmu Borgir: veja drumcam de música no Rockstadt Extreme FestivalDimmu Borgir e Amorphis: anunciada tour conjunta pela Europa

Dimmu Borgir: cancelada apresentação no festival BloodstockDimmu Borgir
Cancelada apresentação no festival Bloodstock

Dimmu Borgir: Death Cult Armageddon é apocalipse na forma de músicaDimmu Borgir: A banda no auge de sua criação...

Dimmu Borgir: não faz sentido usar jeans e camiseta brancaDimmu Borgir
Não faz sentido usar jeans e camiseta branca

Dimmu Borgir: Somos uma banda satânicaDimmu Borgir
"Somos uma banda satânica"

Dimmu Borgir: biquini from-hell para fãs da bandaDimmu Borgir
Biquini from-hell para fãs da banda


Rock In Rio: por que ladrões agem menos no dia do Metal?Rock In Rio
Por que ladrões agem menos no dia do Metal?

Regis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileiraRegis Tadeu
A tsunami de lixo musical da atual música brasileira

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Separados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo PachecoFree: a paixão de Dave Murray por Paul KossoffBruce Dickinson: câncer pode ter sido causado por sexo oral?AC/DC: "Escrevemos músicas para jovens de 17 anos"

Sobre Adriano Coelho

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.