Resenha - Angra (Bar Opinião, Porto Alegre, 03/07/2002)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Jairo Piscitelli Jr
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Iniciando a tour brazuca de divulgação de seu mais novo EP, "Hunters and Prey", o Angra, assim como a seleção do Felipão, veio buscar na gauderiada portoalegrense o incentivo e o apoio moral para começar a correr o País, divulgando seu heavy melódico. O fiel público gaúcho de metal já havia conferido o Angra duas vezes – a primeira, ainda com a formação original; e a segunda, no lançamento do CD Rebirth. Pois o show apresentado no Bar Opinião na quarta-feira, 3 de julho, deu a nítida sensação de deja vu aos mais de mil presentes, que num determinado momento da noite, pensaram estar no mesmo lugar, na mesma hora, vendo a mesma banda apresentar o mesmo show de seis meses atrás.

3413 acessosAngra: "Raining Blood" do Slayer na tour do Temple Of Shadows5000 acessosCOC: "James Hetfield queria Pepper Keenan no Metallica"

O Angra enfrentou recentemente uma separação nada amistosa. Vocalista, baterista e baixista abandonaram o barco no auge, por "divergências musicais" (eufemismo para ódio mútuo) – cisão esta que gerou a banda Shaman, deixando fãs do Angra no mundo todo pendurados pelo pincel. Os dois guitarristas (Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt) juntaram a peteca do chão, recrutaram novos (e bons) músicos e tocaram a charanga adiante. E deu certo.

O show começou quase pontualmente às 23h. A fila que dobrava o quarteirão lotou o Opinião – o quartel general de um verdadeiro exército de cabeludos com camisa preta (80% com estampas do Iron Maiden). A bela e perfeita iluminação do palco merece destaque, assim como a reação do público logo no começo do show, introduzido por "Nova Era" e "Acid Rain", as duas do CD "Rebirth". "Angels Cry", do CD homônimo, abriu a porteira para os sucessos cantados originalmente por André Mattos, de execução notoriamente difícil até para as mais dedicadas sopranos, que dirá para o novo vocalista Edu Falaschi. Os agudos de André, de fazer inveja a Minnie "Lovin You" Ripperton, marcaram suas passagens pelo Viper e pelo Angra, gerando uma maldição que atormenta os melhores vocalistas do gênero. Mas o esforço de Edu deve ser reconhecido, até porque a platéia canta uníssona todas as músicas, abafando os inevitáveis tropeços vocais do rapaz.

A metralhadora giratória de notas usou munição de todos os álbuns da banda. Porém, as músicas apresentadas no show foram, como sempre, contrangedoramente introduzidas uma a uma pelo coro "Carry On, Carry On..." – o hino do Angra, que revelou a qualidade do grupo para o mundo. Como ela sempre é tocada no bis, a platéia manteve durante todo o show um clima negativo para os músicos, principalmente para Kiko e Rafael, que adorariam enterrar qualquer recordação de André. Aliás, isso marcou tanto o atual Angra que está influenciando diretamente as apresentações da banda. Parece que há a necessidade de provar para o público que os remanescentes e os novos integrantes são músicos virtuosos, como eram os amotinados, e isso vem sendo demonstrado através de solos individuais de todos. O resultado? A mais pura masturbação musical, beirando a chatice após o primeiro minuto. Alguém deveria alertá-los de que a presença maciça do público é a maior evidência da confiança dos fãs nessa nova etapa da banda.

Os melhores momentos do show foram as apresentações de "Make Believe", "Nothing To Say", "Rebirth" e, óbvio, "Carry On". Já o troféu abacaxi é merecido por momentos nada pertinentes ao universo heavy, como dividir a platéia em gremistas e colorados, num duelo vocal a la Planeta Xuxa. Há também um excesso de "obrigados" por parte de Edu, que passa a impressão de que os fãs estão fazendo um favor ao continuar prestigiando a banda. Isso demostra claramente insegurança por parte do Angra, apesar do recente disco de ouro recebido pelas 50.000 cópias vendidas de "Rebirth" – trabalho da atual formação da banda.

O maior pecado, contudo, foi ter trazido aos gauleses pampeanos – a maior fonte de resistência ao axé e ao pagode no País – um show praticamente idêntico ao apresentado recentemente, acredito que para os mesmos espectadores. Mancada feia mesmo. Até alguns dos solos individuais foram iguais (mérito total ao músicos por terem decorado milhares e milhares de notas). O "plus-a-mais-adicional" veio com a apresentação de músicas do novo EP, de um mini-set acústico e da última música executada. No show anterior, a banda, que estava sendo ovacionada pela apresentação de "Carry On", num total ataque de mediocridade, apelou para um encerramento ao som de "The Number of the Beast", do Iron Maiden – estratégia usada por qualquer bandinha cover para conseguir a simpatia do público. Não precisavam disso, e felizmente corrigiram neste show, substituindo um dos maiores hinos da história do heavy metal pela pertinente e pesada apresentação de "Pra Frente Brasil", num ritmo que daria tendinite a muitos guitarristas. Legal e bem recebida por todos, que ainda curtem a ressaca do penta.

Aquiles Priester, um operário-padrão da bateria, aproveitou mais uma vez para homenagear a banda gaúcha Hangar, que o revelou para os cenários heavy local e nacional, ao usar uma camiseta dos antigos parceiros. Há muitos acenos e sorrisos simpáticos para o público, e isso, para mim, não combina com heavy metal. Eu nunca vi nenhum show do Angra que não fosse em Porto Alegre, mas acho que esse tipo de brodagem é coisa de banda iniciante. Se o Angra, com todo o sucesso internacional que tem, continuar com essa postura, talvez nunca vire um ícone do som pesado. Mas enfim, essa é a minha opinião (por exemplo, eu achei um completo desastre a entrevista deles no Programa do Jô, mas teve gente que adorou. Fazer o quê...)

Apesar de tudo, foram R$ 15,00 bem investidos. Sempre é bom assistir a um show de heavy com qualidade. E quem não tinha visto da outra vez, pôde ver agora. O Angra é competente e merece fazer muito sucesso. Todos são excelentes músicos, têm criatividade, mas o excesso de humildade não pode cair para o lado do coitadismo. O Metallica sempre teve uma postura extramente arrogante no palco, e nem por isso os fãs deixam de gostar da banda e comprar seus CDs. Tomara que o Angra chegue logo a essa conclusão e, na próxima vez, venha com outra postura. E, de preferência, com outro show.

Para saber mais sobre o angra, visite o www.angra.net.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

AngraAngra
"Raining Blood" do Slayer na tour do Temple Of Shadows

1033 acessosAndre Matos: turnê do álbum Holy Land chega ao Roça 'n' Roll825 acessosKiko Loureiro: entrevista para a Rock Master1142 acessosMarcio Guerra: A performance de Falaschi e Tarja no RIR 20111577 acessosAngra: em vídeo, primeira parte das composições para o novo álbum0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

AngraAngra
Rafael Bittencourt fala de racismo, carnaval e Megadeth

Dave MustaineDave Mustaine
Estou ficando melhor na guitarra graças a Kiko

AngraAngra
Problemas não se resolvem com sonho de doce de leite

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

C.O.C.C.O.C.
James Hetfield queria Pepper Keenan no Metallica

Dinho Ouro PretoDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Iron MaidenIron Maiden
Os quatro segredos da cerveja da banda

5000 acessosRodolfo Abrantes: "Raimundos como banda não me interessa"5000 acessosMike Portnoy: o cara trabalha pra kct, será que ganha bem?5000 acessosEmo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada5000 acessosOzzy Osbourne: "Quando John Lennon morreu, meu mundo parou!"5000 acessosUltimate Classic Rock: as 50 melhores canções dos Beatles5000 acessosCinema: Participações de astros do rock em filmes

Sobre Jairo Piscitelli Jr

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online