Matérias Mais Lidas

Angra: banda anuncia turnê para comemorar os 20 anos do clássico RebirthAngra
Banda anuncia turnê para comemorar os 20 anos do clássico "Rebirth"

Jon Bon Jovi: veja-o cantar Here Comes the Sun, hit dos Beatles, na posse de BidenJon Bon Jovi
Veja-o cantar "Here Comes the Sun", hit dos Beatles, na posse de Biden

Eddie Van Halen: ele fez vários fãs queimarem amplificadores ao mentir sobre truqueEddie Van Halen
Ele fez vários fãs queimarem amplificadores ao mentir sobre truque

Kerrang: do grunge ao death metal, 20 álbuns clássicos que farão 30 anos em 2021Kerrang
Do grunge ao death metal, 20 álbuns clássicos que farão 30 anos em 2021

Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Iron Maiden: vaquinha para ajudar Paul Di'Anno a fazer cirurgia ainda não atingiu 25%Iron Maiden
Vaquinha para ajudar Paul Di'Anno a fazer cirurgia ainda não atingiu 25%

Thin Lizzy: você sabe pronunciar o nome de Phil Lynott?Thin Lizzy
Você sabe pronunciar o nome de Phil Lynott?

Lista: 15 covers gravados pelas bandas do Big Four do thrash metalLista
15 covers gravados pelas bandas do Big Four do thrash metal

Pantera: e se Vulgar Display Of Power fosse gravado pelo Metallica?Pantera
E se "Vulgar Display Of Power" fosse gravado pelo Metallica?

New Radicals: a pedido de Biden, reunidos e tocando seu maior hit na posse; vejaNew Radicals
A pedido de Biden, reunidos e tocando seu maior hit na posse; veja

Kiss: análise vocal de Detroit Rock City explica grande alcance de Paul StanleyKiss
Análise vocal de "Detroit Rock City" explica grande alcance de Paul Stanley

Dave Grohl: ele ficou chocado ao ver Lemmy com cueca bizarra em um apartamento nojentoDave Grohl
Ele ficou chocado ao ver Lemmy com cueca bizarra em um apartamento nojento

Rock in Rio 2021: produção aposta em 50% da população vacinada até festival rolarRock in Rio 2021
Produção aposta em 50% da população vacinada até festival rolar

Ultimate Classic Rock: 81 álbuns essenciais que completam 40 anos em 2021Ultimate Classic Rock
81 álbuns essenciais que completam 40 anos em 2021

SOAD: Serj Tankian critica Trump e diz que nunca viu um presidente tão filho da p***SOAD
Serj Tankian critica Trump e diz que nunca viu um presidente tão filho da p***


Matérias Recomendadas

Poeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer partePoeira
Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parte

Freddie Mercury: veja a primeira foto do cantor no palco, ainda nos anos sessentaFreddie Mercury
Veja a primeira foto do cantor no palco, ainda nos anos sessenta

Nirvana: a história por trás da música Smells Like Teen SpiritNirvana
A história por trás da música "Smells Like Teen Spirit"

Ghost: De quais bandas brasileiras eles gostam?Ghost
De quais bandas brasileiras eles gostam?

Metallica: Hetfield explica por que não gosta de bater fotos com fãsMetallica
Hetfield explica por que não gosta de bater fotos com fãs

Tunecore
Malvada
Dead Daisies

Quando o Blackmetal toca o instrumental inteiramente afastado do rock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Contrera
Enviar Correções  

Há dois anos, aproximadamente, na saída de uma peça (na qual eu atuava), uma garota travou contato comigo e então nos envolvemos. É uma garota de 39 anos, branca, cabelo preto, que tem profissão e emprego definidos e cujo irmão eu conheço. Essa garota tinha (ainda tem) um gosto musical bastante afastado do rock tradicional e do heavy metal (paixões minhas de adolescência), mas me apresentou grupos que, se por um lado não se aproximam destas nossas paixões, têm pontos em contato diversos, e têm servido para eu começar a apreciar outros gêneros.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O black metal, por exemplo. Sempre achei soturno demais esse estilo. Praticamente nada dele me agrada. Esse papo de satanismo, banhos de sangue, exageros, nunca me convenceu o suficiente, a ponto de achar que eles - os grupos, os músicos, os ídolos - falavam realmente a sério. E ainda penso assim.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ocorre que, buscando notas aqui para o Whiplash (este artigo foi originalmente escrito para esse site), deparei-me com uma banda de uma mulher só - Myrkur - que, olhando bem, acompanhando em vídeos (vi o Onde Born), me espraiando mais nas sensações auferidas e menos nos preconceitos aguerridos, tem bastante a ver com minha visão de mundo. Pois eu devo ter sido soturno antes mesmo de isso ter virado marca de juventude. Pois eu devo ter sido desencanado com emoções, ao mesmo tempo que ultraromântico, muito antes de isso ter se tornado marca de pessoas facilmente idenficáveis. Eu devo ter sempre - a partir de certo momento - optado por seguir pelas sombras.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ocorre que aquela garota com quem me envolvi há quase dois anos (e com a qual troco mensagens apenas por email e por meio de seu blog) já de alguma forma prenunciava esse gênero de leitura da realidade. Com bandas que a gente não vê citadas aqui, por um lado, e que por outro lado viraram trilha de sitcoms. Refiro-me a Massive Attack.

Recordo bastante bem quando ela, a garota, me mostrou Teardrop, do Massive, na grande tela que domina sua kitchenette, no centro de São Paulo. Eu via aquele vídeo de um bebê sendo gestado, ouvia aquela melodia simplória, aquela batida característica, e aquela voz suave, sem saber muito bem o que pensar. Aquilo parecia me mostrar algo mais interno, diria, na forma de ver o mundo. E quando o garoto parecia cantar! As cores, o soturno daquelas coisinhas voando nisso que deveria representar um útero, me conquistaram já de cara. Porque me faziam ver o mundo de forma mais íntima, mais entranhada, e mais crua, até certo ponto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nessa época, eu idolatrava Motörhead, começava a entender a pegada do rock tradicional, a sacar a novidade (à época) de um Elvis, e inclusive a me reaproximar desses experimentais, tipo Lou Reed, Velvet e David Bowie, que eu parecia ter detestado quando minha irmã os ouvia a todo volume em seu quarto e me impedia de estudar. Ocorre que, quando a garota me mostrava Massive, também me apresentava esse gênero de rock industrial, o EBM, que parecia não mais dizer nada para mim.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Fui a um show desses caras do EBM (Vomito Negro) com ela, numa noite que foi (se vocês me entendem) bastante intensa, para mim e para ela. Noite que durou um dia inteiro, com corpo e suor, e sangue. Mas (voltando à música) não entendi a jogada daquela banda (de um homem só). Via o sujeito mexendo em equipamentos musicais, e assumindo um ar agressivo, sem que eu conseguisse ver graça naquilo. E ela não parecia me acrescentar muito, venhamos e convenhamos.

Claro que meu relacionamento com ela ajudava, por um lado, mas por outro atrapalhava. Eu me envolvia com ela, ao mesmo tempo em que não nos compreendíamos. Tínhamos relacionamento, ao mesmo tempo em que não tínhamos. Eu me colocava o tempo todo disponível a esse tipo de influência, mas ela recusava as minhas. E eu não entendia aquelas bandas. Eu não entendia sequer aquela época - década de 90, que eu passei em branco, em meio a crises familiares, e cavoucando oportunidades fazendo traduções que me desagradavam. Era como se aquela década, e aquelas músicas, tivessem ficado tão para trás enquanto influência que não me diziam nada. Mas o que hoje reparo é que eu tinha algo ou talvez muito a ver com tudo aquilo. Muito mesmo.

Venhamos e convenhamos, eu sempre fui um cara soturno. Mirrado, pequeno mesmo, no colegial, uma vez um sujeito me desenhou como um mafioso que tinha um amigo (o Chicão, um sujeito com problemas cognitivos diversos) como "capanga" e protetor. Eu sempre fui pessimista com respeito às pessoas, em geral, mas otimista com respeito a como abordá-las. Com isso, é claro, eu me protegia de decepções, ao mesmo tempo em que - embora não fizesse gênero - tentava me comportar da melhor forma com pessoas que iriam me decepcionar. Nunca, que eu saiba, efetivamente acreditei em amor. Até porque eu não o sentia. Dizia que amava alguém quando, ou a pessoa me atraía, pura e simplesmente, ou eu considerava que só "amando" eu poderia tê-la (o que se provou errado, inclusive no meu casamento, que gorou em 10 anos).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não é por acaso, então, que um certo tipo de pessimismo em música, ou talvez de melancolia, tanto tem a ver comigo. Pois é como se eu não acreditasse, mas me pegasse meio que acreditando em melodias e harmonias bem feitas, ora por grupos clássicos de rock, ora por gente de outros gêneros (até do sertanejo). Ocorre que reluto em acreditar. Ocorre que me acho patético quando canto esse tipo de coisa. Ocorre que não consigo cantar jeitos meio safadões de ver a vida. Daí que descanso então em visões mais macabras, mais desencantadas, menos críveis. Daí que tendo a não apostar nos relacionamentos, ou mesmo nos contatos. E tendo a assumir um ponto de vista para baixo. Daí que me relaciono - agora - com bandas desse tipo, retiradas da influência do metal ou mesmo do rock. Ficar a meio caminho me parece algo insuficiente, ou talvez queira dar uma de radical.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando me envolvia com aquela garota, questionava suas posturas, seu tratamento, sua forma de me tratar e de tratar o relacionamento. Ou mesmo talvez eu pensasse de forma mais desencanada, apenas querendo sexo. Seja como for, nos desentendemos. Ela pegava pesado demais, quem sabe. Ou meu problema de saúde - sou esquizofrênico - talvez tenha sido o maior responsável por jogar tudo para o alto. Não sei bem. Sei que, em diversos momentos, considerei meu afastamento daquele universo uma espécie de alívio.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas eis que a garota agora me passa uma nova influência (que eu adivinho como chegou até ela): Tindersticks (Trouble Every Day). Boa audição. Tudo a ver.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Stamp
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Led Zeppelin: as crianças da capa do álbum Houses Of The HolyLed Zeppelin
As crianças da capa do álbum Houses Of The Holy

Stoner Rock: Um guia básico para o estiloStoner Rock
Um guia básico para o estilo


Sobre Rodrigo Contrera

Rodrigo Contrera, 48 anos, separado, é jornalista, estudioso de política, Filosofia, rock e religião, sendo formado em Jornalismo, Filosofia e com pós (sem defesa de tese) em Ciência Política. Nasceu no Chile, viu o golpe de 1973, começou a gostar realmente de rock e de heavy metal com o Iron Maiden, e hoje tem um gosto bastante eclético e mutante. Gosta mais de ouvir do que de falar, mas escreve muito - para se comunicar. A maioria dos seus textos no Whiplash são convites disfarçados para ler as histórias de outros fãs, assim como para ter acesso a viagens internas nesse universo chamado rock. Gosta muito ainda do Iron Maiden, mas suas preferências são o rock instrumental, o Motörhead, e coisas velhas-novas. Tem autorização do filho do Lemmy para "tocar" uma peça com base em sua autobiografia, e está aos poucos levando o projeto adiante.

Mais matérias de Rodrigo Contrera no Whiplash.Net.