Babymetal: fazendo o mundo refletir se o metal deve ser divertido

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Testa
Enviar Correções  

A banda Babymetal se apresentou no segundo dia do festival americano Rock on the Range, um dos maiores do país. De quebra, as meninas realizaram um sonho declarado em uma entrevista anterior: conhecer o Judas Priest.

Inspiração: 30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivado

Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A banda se apresentou no palco secundário do festival e o que mais chamou a atenção é que ela simplesmente "sugou" todo o público do palco principal onde o In This Moment se apresentava e que teria o Judas Priest como headliner.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Ah, mas é a modinha do momento". Sim, é verdade, mas não é tão simples assim. Esse fenômeno levanta uma questão muito maior: O fator diversão precisa voltar para o metal. A banda fala sobre coisas simples como festa, costumes e mensagens positivas como a luta contra o bullying, sem falar na mitologia e as coreografias que criam um clima super positivo no público. Veja Gimme Chocolate no festival Rock on the Range e veja a quantidade de sorrisos, homens e mulheres esquecendo o "lado negro" do metal e se jogando na "brincadeira".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Isso está longe de ser exclusividade da banda japonesa. O Steel Panther, com suas letras super divertidas com conotações sexuais explícitas como "Glory Hole" (buraco sagrado) e até nosso compatriota Bruno Sutter, o famoso Detonator, que é a definição completa de "zoeiro", são outros exemplos. Shows divertidos, que estampam sorrisos nos rostos de seus respectivos públicos, que saem do "padrão metal" sem abandonar a sonoridade do metal.

"Ah, mas o metal não se trata disso, o metal não é para ser divertido". Raiva, guerra, mitologia, amizade, morte, drogas, bebidas, sexo, brigas, amor, política... O metal é amplo e, pelo que eu saiba, nunca selecionou temática. A variedade se torna boa para todas as bandas na cena. Seja na sonoridade ou na temática, se tem demais satura, enjoa.

Desde o glam não se tinha diversão no metal. Climas agressivos ou depressivos tomaram conta do metal de forma quase que absoluta nas últimas décadas. Já pararam para pensar que essa falta de variação pode estar saturando o gênero?

O mundo é outro. O metal hoje já é "aceito", não assusta ninguém, diferentemente de outras épocas não causa impacto, e letras extremas, como muitas do death metal e do black metal, são consideradas bobas, além do clima negativo que afasta a grande maioria dos fãs de música. O fã de música hoje procura a diversão e esquece da técnica, vide o sucesso de gêneros como o arrocha e o axé no Brasil. Talvez a forma do metal voltar a atrair o grande público seja investindo na diversão.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Inspiração: 30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivadoInspiração
30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivado

Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musicalBandas Iniciantes
17 maneiras de assassinar sua carreira musical


Sobre Rafael Testa

Nascido em Juiz de Fora, Minas Gerais, tem 23 anos, é estudante de sistemas de informação e torcedor fanático do Vasco da Gama e do Tupi Football Club. Se interessou por rock/metal depois do grande tio Roney mostrar-lhe o Iron Maiden. Tem o gosto musical muito variado, curte do thrash metal do Slayer ao metalcore do All That Remains. Acredita que existem bandas boas atualmente e faz questão de apresentá-las.

Mais matérias de Rafael Testa no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280 GooInArt