Angra: Banda aparece na mídia pelos motivos errados

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Daniel Junior, Fonte: Aliterasom
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Angra entre 2006 e 2010 passou por seu inferno astral. Muito se falou sobre o futuro da banda já que inúmeras confusões passaram a ser o assunto principal. Mais recentemente foi o imbróglio na qual o principal personagem era o empresário da banda, o sr. Toninho Pirani, que também era um dos empresários por trás da revisa Rock Brigade. Inclusive o que se dizia à época era que o nome “Angra” havia sido vendido pelo empresário, o que traria sérios problemas para continuidade do projeto.

228 acessosRio Rock City: O Power Metal morreu?5000 acessosSasha Grey: sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinil

O mais curioso na história do Angra é que a sua formação aconteceu – baseada em algumas fontes – para aproveitar a boa onda do power metal no Brasil. Assim a ideia de Pirani era fazer um ‘super’ grupo, com músicos brasileiros que tocassem na vertente power. E ninguém pode dizer que o projeto não foi vencedor, uma vez que “Angels Cry” – ainda contando com Andre Matos, Marcos Antunes (que seria substituído por Ricardo Confessori) e Luís Mariutti – é, não só uma referência para o estilo, como ficou conhecido no mundo inteiro, com um turnê vitoriosa e disseminando o nome da banda, com seu front-man já conhecido por conta do trabalho com o Viper.

Por um desentendimento com Pirani, André, Confessori e Mariutti caem fora do projeto e o empresário convoca Edu Falaschi (Symbols), Felipe Andreoli (Karma) e Aquiles Priester (Hangar). A banda lança um dos melhores petardos da década passada; "Rebirth" coloca a banda em um patamar diferente da alcançada pela formação anterior, obviamente que graças a qualidade de seus integrantes e da célula mater mantida: os guitarristas Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt ainda estavam na luta pela sobrevivência da banda e que agora já era um dos maiores expoentes mundiais do estilo.

E quando você pensa que após uma nova mudança, a banda irá se estabilizar após diversas mudanças de formação, o empresário da banda é responsável pela maior confusão. Os fãs da banda perguntam pelo futuro do Angra e começam a pipocar, aqui e ali, motivos estranhos para colocar em xeque a continuidade da banda. Uns diziam que o nome da banda havia sido vendido (juntamente com tudo que estaria agregado ao nome Angra), outros falavam da briga interna dos integrantes, variando os ‘pugilistas’, ora Edu e Rafael, ora Aquiles e Edu. Especulações à parte, mais uma vez a banda – ou o que sobrou dela – deveria juntar seus cacos e pensar seu futuro.

Após jogar bastante coisa no ventilador, Aquiles é convidado a sair da banda. O baterista disse aos quatro cantos do planeta que a relação entre os membros era muito ruim. Verdade ou não, o integrante convidado a se retirar foi ele e a partir desta “auto-mutilação”, a banda foi atrás de um baterista para tentar se lançar novamente ao mercado. Porém antes seria necessário arrumar a casa nos bastidores. Sai Pirani (tava demorando hein?!) e entra Monica Cavalera (ex-esposa de Iggor Cavalera) para agenciar a a banda. Sem querer traçar nenhum paralelo, mas expressar a curiosidade: Gloria (esposa de Max) foi tida como uma das responsáveis pela saída de Max da banda Sepultura. Novamente a família Cavalera seria responsável por representar uma banda de alto porte.

O baterista Ricardo Confessori (Shaman) volta a integrar a formação e desta forma o Angra começou a pensar o seu futuro. Em 2009, após 3 anos de incertezas, a banda começa a gravação do sucessor de "Aurora Consurgens", disco que teve pouca repercussão justamente por não trazer o Angra coverizado. A banda havia dado sinais de que mais do que power, poderia fazer discos mais diretos, sem abrir mão do peso do metal. O disco não é ruim, o público é altamente conservador. Mais do que se enxerga.

As expectativas no disco que se chamaria "Aqua" eram enormes. Obviamente porque a banda tinha um cast diferenciado. Músicos experientes, talentosos, endossers de marcas importantes de instrumentos musicais. Importante observar que Edu substituiu Andre Matos sem que o músico fundador do Viper deixasse saudades. O viúvismo não foi intenso. Ou seja, ninguém pode esperar menos de um clássico em uma banda com Edu, Bittencourt, Loureiro, Andreoli e Confessori.

Veio "Aqua" e o disco não “aconteceu” no Brasil. Mesmo com uma turnê de bravura com o Sepultura, acredito que pouca gente pode dizer que "Aqua" é o melhor disco do Angra, independente da formação. O som é o mesmo. Power metal, associado a canções menos caracterizadas do estilo, mas nada que não se encontre em outros prateleiras, em outras bandas. Não sei se houve uma decepção geral, mas o impacto não ocorreu. Para traçar um paralelo, lembrem-se da euforia que tomou conta do mundo do metal quando “The Final Frontier” (Iron Maiden) e “Scream” (Ozzy Osbourne) – naquele mesmo ano – chegaram ao mercado. Artistas com história e fama cristalizados fizeram discos impecáveis em um período onde ninguém conseguia lançar trabalhos de qualidade, inclusive o Angra.

Bem ou mal a banda saiu em turnê na Europa, no Japão (para variar) e fez alguns shows no Brasil. Neste ano foi convidada para o Rock In Rio IV mas não iria se apresentar no palco principal com Gloria (?), Coheed and Cambria (??), Motorhead, Slipknot e Metallica. A banda estaria no palco Sunset juntamente com Tarja Turunen (ex-Nightwish). Vale lembrar que neste mesmo palco Sepultura, Matanza e Korzus irão fazer seus shows. Brasileiros sempre com complexo de inferioridade, mas este é tema para um outro texto.

E quando você fica aguardando por mais novidades do prosseguimento do "Aqua" (no site oficial há poucas notícias e datam de 2010), a banda vira notícia da semana no twitter, nos grandes sites (especializados em música ou não) pela acusação de plágio contra a banda Parangolé. A música plagiada é "Nova Era" ("Rebirth") e está na música "Asevixe", de “composição” da banda baiana especializada em axé.

Nem discuto o imbróglio, aliás, mais um. É clara a citação melódica na introdução da canção. Fico só pensando, o porquê de uma banda como o Angra ser apenas notícia quando envolvida em confusões, em fofocas ou mesmo em um caso de plágio. O que tem acontecido com os meios de divulgação no meio do rock? Por que o Angra não é alvo de matérias no Globo, no Terra, no Uol, para divulgar a turnê do Aqua, detalhes da produção e a repercussão do disco no Brasil e no mundo?

A banda deveria estar na mídia para falar sobre suas novidades, se planeja novo disco, se as coisas realmente já estão em paz. No entanto ganha espaço midiático por conta de mais um capítulo ridículo da música brasileira, onde uma banda se apropria de um riff de outra banda – que não tem relação alguma com a outra – sem que ninguém houvesse percebido antes.

A música não é mais o foco dos campos de comunicação. O cenário é mais importante. Os assuntos periféricos tornaram-se aquilo que vende e traz mais pages views para sites e blogs. Polêmicas são os motes. E é uma pena que não seja o trabalho da banda que esteja em primeiro plano. O Brasil precisa de representantes competentes em qualquer estilo musical e isso o Angra – a despeito do que eu penso sobre o último álbum – tem de sobra: competência e qualidade musical. Basta saber quem vai espalhar isso por aí…

Twitter do Autor: @dcostajunior
Twitter do Site: @aliterasom

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

228 acessosRio Rock City: O Power Metal morreu?1215 acessosAngra: discografia de volta ao Spotify1360 acessosAngra e Hangar: Fábio Laguna conta como entrou nas bandas2491 acessosAngra: "reunião" durante aniversário de Paulo Baron, veja vídeo672 acessosBruno Sa: comenta a morte de Paul O'Neill e relembra audição1119 acessosAquiles Priester: No lugar onde montou a sua primeira bateria0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

AngraAngra
A estranha divulgação de show no Pagodão da Zeus

AngraAngra
Rafael Bittencourt solta desabafo sobre apresentação no Carnaval

VozVoz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas (Parte I)

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

Sasha GreySasha Grey
Sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinil

LemmyLemmy
Saúde cambaleia, e banda começa a preparar retirada

The Voice KidsThe Voice Kids
Garotinha canta Led Zeppelin e conquista todos

5000 acessosIron Maiden: Inspiração da capa do single "El Dorado"5000 acessosMachine Head: Rob diz que A7X copia Guns, Metallica e Megadeth5000 acessosThe Rev: um dos músicos mais brilhantes perdidos na última década4833 acessosBlaze Bayley: "sou orgulhoso do meu tempo no Iron Maiden"5000 acessosStage Dive: os saltos mais épicos e insanos do rock5000 acessosGuitar Hero: veja como o jogo desgraçou uma geração inteira

Sobre Daniel Junior

Daniel Junior é blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colabora com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Twitter: @diariodopierrot.

Mais matérias de Daniel Junior no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online