Matérias Mais Lidas

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemDez ótimas músicas do Iron Maiden escritas pelo agitado guitarrista Janick Gers

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagemA inesperada música do Whitesnake que serviu de inspiração para "Carry On" (Angra)

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA opinião de Herbert Vianna sobre a crítica musical e sua imagem de "bom moço"

imagemQuando Chorão, do Charlie Brown Jr, quase levou porrada do Rick Bonadio

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemA "traumática" e "desagradável" experiência de ser preso, segundo Arnaldo Antunes

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemA estratégia usada por Mille Petrozza, do Kreator, para "reaprender" músicas antigas

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemThe Rolling Stones: 5 músicas para provar que Mick Taylor é um gênio

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte


Stamp

Tom amoroso predomina em novo CD de Rita Lee

Fonte: Folha Online
Em 29/10/03

PEDRO ALEXANDRE SANCHES
da Folha de S.Paulo

Com 56 anos de vida e 37 de profissão no rock'n'roll, Rita Lee está romântica. O tom amoroso predomina em "Balacobaco", álbum que marca sua reestréia na gravadora em que fez mais sucesso, a Som Livre, da Rede Globo.

Respondendo a perguntas da Folha por e-mail, Rita aceita a conotação "romântica" para o CD ("Talvez eu seja uma baita romântica sem querer querendo"), mas diz que não procurou de propósito o tom: "Essas coisas a gente não procura, elas nos acham".

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Entre variadas declarações de amor (especialmente a Roberto de Carvalho, 50, seu marido e produtor), chama atenção uma inédita. Vai para Moacyr Franco, 67, ídolo de música popular dita "cafona" e de comédias de TV.

Em "Balacobaco", ele é autor do rock inédito "Tudo Vira Bosta", o que, segundo diz, não significa novidade para ele. "Já fiz rock no início da carreira, mal para caramba", diz, por telefone, lembrando que cantava "Tutti Frutti" (Little Richard) na TV munido de sanfona e traje de caubói e que em 58 gravou "Baby Rock" sob o codinome Billy Fontana.

Moacyr conta que precisou de coragem para chegar a Rita. Acostumado a nem constar como verbete em enciclopédias de MPB, achava que Rita era "muito grande" para ele e que devia mandar a alguém da "terceira divisão".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas tomou coragem, mandou. "Já achei maravilhoso só o fato de ela telefonar de volta. Mas Rita disse que não só havia gostado, como já havia até gravado, mudando alguma coisinha."

Rita dá seu colorido à história: "Cheguei em casa e havia um CD com um bilhetinho: 'Fiz esse roquinho procê, beijo, Moacyr Franco'. A vida parou naquela hora, coloquei o fone e pensei: putz, esses 'véios' ficam fazendo rock, dane-se o mundo, te cuida, KLB!".

Romances à parte, a historinha se casa com outra vivida na música brasileira desde que o pesquisador Paulo César de Araújo lançou, há um ano, o livro "Eu Não Sou Cachorro, Não", que reclama da exclusão arbitrária de artistas "cafonas" da história da MPB.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

De lá para cá, mais e mais músicos e cineastas têm feito referências à "cafonice". Araújo acredita que tem parte no novo hábito: "O livro contribuiu para abrir um vasto mundo que a classe universitária não observava, nem sequer tomava conhecimento".

Mas não se atribui responsável pelos dedinhos entrelaçados de emepebistas, roqueiros e "cafonas". "Não foi à toa que meu livro saiu ao mesmo tempo em que Lula chegava à Presidência", diz.

Já Moacyr, autor de "Incêndio no Canavial" (tema de abertura da novela "Canavial de Paixões", do SBT), ainda manifesta certa incredulidade. Não vê um rock de protesto em "Tudo Vira Bosta", que defende que ricos e pobres se igualam no final ("tudo vira bosta/ um dia depois/ não me vire as costas"). "Não quero ser pretensioso. Como vou falar de protesto depois das coisas que Chico Buarque fez? Tudo parou ali."

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Enquanto isso, Rita tece em "Balacobaco" outras declarações de amor. O título vem de gíria usada pela cantora pré-feminista e depois jurada de TV Aracy de Almeida (1914-88). Denota o amor de Rita pelos humores feministas. "Aracy criou a expressão porque não era de bom-tom para uma rainha dizer que algo ou alguém era "do cacete'", reverencia.

Declaração de amor ao amor aparece na discothèque "A Gripe do Amor" --seria o amor uma doença? "Nas grandes óperas, as mulheres frágeis, tísicas e tuberculosas morriam no palco, e o teatro vinha abaixo. A doença do amor leva para a cama, mas quando vai embora todo mundo chora", responde/filosofa Rita.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Fala com amor do advento de Maria Rita, filha de sua amiga Elis Regina (1945-82): "Sinto que Maria Rita (Elis me chamava de Maria Rita!) alcançou exatamente o que ela lhe desejou numa entrevista: 'Quero que Maria Rita seja uma pessoa leve, que a vida dela seja leve'. Elis e Maria Rita serão felizes para sempre".

Sobre outro amor antigo, prefere despistar. Não diz se sente vontade de ouvir o disco que Arnaldo Baptista, 55, companheiro de tempos Mutantes, está gravando.

"Sim, os Mutantes vão para o trono, mas convenhamos que uma senhora de 56 anos como eu, ainda na ativa, cheia de afazeres domésticos e criativos, não tem tempo para ficar pensando em creme hidratante", decreta.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp