Bret Michaels: "Eu e C.C. continuamos amigos"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Nóia Rodrigues, Fonte: Times Leader
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nikki M. Mascali da Timesleader.com entrevistou recentemente o vocalista do POISON, Bret Michaels. Aqui estão alguns trechos da entrevista:

Iron Maiden: Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre como se sentem ao olhar para as pessoas que diziam que eles nunca fariam sucesso:

Nós já passamos dessa fase de nossas carreiras - e o Poison nunca foi grande amigo dos críticos. Mas nós também não fazíamos questão disso. Após 20 anos de estrada, até mesmo nossos maiores críticos têm que tirar o chapéu e dizer 'Cara, mesmo depois de tanto tempo, eles ainda dão um show e tanto'... nós apenas fazemos aquilo que gostamos.

Sobre as brigas entre Michaels e o guitarrista C.C. Deville:

Uma das melhores coisas que aconteceu esse ano foi a primeira vez em que eu e C.C. nos sentimos bem estando um com o outro. Imagine viajar todos os dias durante 20 anos com as mesmas pessoas. É impressionante como todos os membros originais ainda se dão bem e se divertem no palco.

Sobre C.C. alcançar o fundo do poço ano passado, sendo condenado a 80 dias de prisão em L.A.:

Eu acho que umas das melhores coisas que aconteceu a ele foi uma das piores que poderiam ter acontecido. Ele havia ido para uma clínica de reabiliatação em L.A. e então voltou à "Vida Surreal" logo em seguida... o público começou a vê-lo com outros olhos. Ele teve sorte por ter tido a chance de se redimir. Muitas pessoas passam pela mesma situação e não conseguem se livrar disso. C.C. conseguiu enxergar a luz.

Sobre os atentados a bala que Michaels sofreu: o primeiro numa rádio em Massachussets em novembro do ano passado e o outro em L.A., na gravação do programa de "Adam Carolla", em março desse ano:

Eu não quero glorificar esse idiota ou pedir que o imitem, que foi justamente o que aconteceu em L.A. Eu fiquei muito chateado - minha família está junto comigo na maior parte das turnês. Eu disse muitas coisas na imprensa que me arrependo de ter dito.

Sobre ainda estar em turnê com a formação original do Poison após 20 anos:

Vindos de uma pequena cidade da Pennsylvania até o que somos hoje é um sonho se tornando realidade. Eu jurei que nunca iria ser um desses músicos chatos. Meu sonho sempre foi conseguir fazer música de qualidade durante esses 20 anos - e quem sabe até 30. Você tem que aceitar isso como uma benção, pois existem muitos músicos, até mais talentosos do que eu, que nunca tiveram essa oportunidade.

Sobre o que faz a banda seguir em frente mesmo após esse 20 anos:

Nós ainda amamos o que fazemos. Eu não entendo quando algumas bandas de renome chegam e falam 'Aqui está o set-list, vamos tocá-lo, receber a grana e ir embora.' Conosco, a coisa não funciona desse jeito. Nós tocamos com a mesma paixão e vontade que tínhamos quando começamos a banda. Não somos perfeitos, mas tocamos com vontade.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Poison"


Bret Michaels: a pornografia que quase o matouBret Michaels
A pornografia que quase o matou

Noisecreep: dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80sNoisecreep
Dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80s


Iron Maiden: Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993Iron Maiden
Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993

Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA


Sobre Rafael Nóia Rodrigues

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336