Frost, do Satyricon: "Eu vivo e respiro isto!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Juliano Komay, Fonte: Metal Forge
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 02/08/06. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Daniel Hedger do webzine The Metal Forge da Austrália conduziu recentemente uma entrevista com Frost, o baterista do SATYRICON. Alguns trechos do bate-papo a seguir:

955 acessosSatyricon: capa e título do novo álbum revelados5000 acessosThe Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Sobre o que faz ele se destacar em relação aos outros bateristas de metal extremo:

Ah! Essa é difícil. Eu não sou a pessoa certa para responder a esse tipo da pergunta. Comentar sobre seu próprio trabalho é sempre um pouco incômodo. Eu sinto que, ao menos, eu estou pondo muito de minha própria alma no que eu estou fazendo. Eu faço isto porque eu sou um fã muito dedicado. É por isso que eu comecei. Eu era mais como um fã do black metal que também queria tocar do que 'um músico' realmente. Com os anos eu cresci até ser mais um músico real, e não apenas um fã louco tocando bateria, mas eu suponho que tudo vem dessa paixão que eu tenho. Você sabe, eu vivo e respiro isto.

Se ele gosta de tocar em festivais:

Sim e não. Eu acho que é uma coisa boa que nós tenhamos a possibilidade de tocar para tanta gente e que nós começamos a tocar em grandes estádios que acolhem o SATYRICON. Esta banda é construída com uma certa grandeza, portanto, ter a oportunidade de tocar em lugares grandes é ótimo. Mas por outro lado, os festivais são festivais e isso significa nenhum soundcheck, um set mais curto e geralmente você não está no controle das circunstâncias: talvez você não toque no seu próprio drumkit, seus próprios amplificadores de guitarra e tudo isso. Tudo isso afeta seu som de uma maneira negativa. Mas nós controlamos bem tudo isso e geralmente o SATYRICON soa bem não importa o que aconteça.

Sobre fazer o melhor álbum que poderiam fazer. (“Now, Diabolical”)

Eu acho que é parte consciente e parte inconsciente. A razão para que eu diga isso é que nós quisemos criar um álbum com aquelas qualidades e nós quisemos definitivamente permanecer afastados daquele black metal orientado para o gótico e também nos afastando do black metal mais complexo, técnico, que atualmente, muitas bandas vêm fazendo. Nós sentimos que, a essência do black metal é a atmosfera, e é muito duro criar essa atmosfera quando há muita preocupação sobre as questões técnicas o tempo todo, porque tira a sua atenção do principal. Então nós quisemos conscientemente criar um álbum de uma maneira mais traditional mas com um toque próprio moderno. Mas também acho que tem a ver um pouco com o que está acontecendo no inconsciente, porque está relacionado ao nosso gosto musical e tanto Satyr quanto eu somos muito ecléticos dentro do black metal, nós ouvimos CELTIC FROST mais antigo, DARKTHRONE e nós escutamos BATHORY. Esse tipo da música é muito direta mas também é muito poderosa. E dá a razão para que nós façamos algo mais dessa maneira. Porque o que nós fazemos quando nós trabalhamos com o SATYRICON é que nós tentamos criar um tipo de arco que satisfaça os nossos próprios gostos, de modo que nós sempre caminhamos para o que nós gostaríamos de ouvir. E isso muda quando nós envelhecemos e ficamos mais maduros. Em todo o caso, eu penso que 'Now, Diabolical' diz muito sobre o nosso gosto musical no ano de 2006.

Sobre a idéia de que o SATYRICON está trazendo o black metal a uma audiência nova:

Eu entendo o que você está dizendo, mas soa como se fosse algo incomum, e para mim, não tem nada relacionado com trazer algo a uma maior audiência, é sobre lançar um álbum. Se você estiver tentando deliberadamente manter muitas pessoas afastadas de seu álbum, eu me perguntaria, porque você escolheu lançá-lo em primeiro lugar. Talvez seria melhor se permanecesse em casa, uma banda demo e apenas alguns shows que seus amigos organizam ocasionalmente. SATYRICON é uma banda que é ambiciosa e nós queremos fazer nossas vidas girar em torno do black metal e em torno do SATYRICON. E para que isso aconteça você tem que ter algo fundamental que permita que você lhe dedique seu tempo. Se álbuns não venderem e a banda não fizer as tours, então eu teria que ter meu trabalho diário e não poderia dedicar todo meu tempo ao SATYRICON como agora. Isso é tudo. Você tenta fazer o possível para chegar o mais longe com o que você faz, mas sem fazer sacrifícios que tornem a arte sem sentido. Se nós mudarmos nossa música a fim de satisfazer as pessoas isso seria algo estúpido. Então nós criamos os álbuns que nós queremos criar e quando esse trabalho é feito esperamos que a gravadora e outras pessoas realmente estejam fazendo seu trabalho bem, de modo que nós possamos continuar fazendo isto.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

955 acessosSatyricon: capa e título do novo álbum revelados0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Satyricon"

Metal InjectionMetal Injection
Os cinco bateristas mais insanos do Black Metal

SatyriconSatyricon
"Me desculpe! Isso não foi satânico o suficiente?"

Metal norueguêsMetal norueguês
As dez melhores bandas segundo o About.com

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Satyricon"

The SimpsonsThe Simpsons
10 melhores aparições de roqueiros

The OsbournesThe Osbournes
Sharon conta como Ozzy tentou assassiná-la

Em 21/08/1989Em 21/08/1989
Morre Raul Seixas, que seria encontrado morto no dia seguinte

5000 acessosSlash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?5000 acessosKiss: "Rock and roll é um trabalho para otários!"5000 acessosRob Halford: Uma resposta educada a comentários de Dickinson5000 acessosGuitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rock5000 acessosBlack Sabbath: Ozzy relembra quando sucesso virou pó5000 acessosIron Maiden: "A banda está mais forte do que nunca"

Sobre Juliano Komay

Nascido em Ponta Grossa, residindo atualmente em Curitiba, formado em Design Gráfico. É apaixonado por boa música desde o início de sua adolescência, quando ainda ouvia com alguns amigos bandas como Iron Maiden, Manowar, Cannibal Corpse. Divide seu tempo entre o trabalho, a música e o cinema, sua outra paixão.

Mais matérias de Juliano Komay no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online