Ralph Santolla: "Sair do Death foi um erro!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por César Enéas Guerreiro e Mauricio Peccin, Fonte: Killing Spree Records
Enviar correções  |  Ver Acessos

A Killing Spree Records entrevistou recentemente o guitarrista do DEICIDE, Ralph Santolla (ex-Death e ICED EARTH). Alguns trechos dessa entrevista:

Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterÔôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve Harris

Killing Spree Records: Como você foi escolhido para ser o novo guitarrista do DEICIDE?

Ralph: Eu não estava satisfeito com a direção que as coisas estavam tomando na banda do Sebastian Bach, tanto em relação à música quanto ao stress! Eu já conhecia o Glen, Steve e Jack há vários anos. Eu costumava jogar bexigas cheias com água benta no Glen quando éramos crianças. Ha! Brincadeira! Então, eu iria participar de um festival na Itália com o Sebastian durante todo o verão. Jack me ligou e perguntou se eu queria tocar com o DEICIDE por quatro semanas, e eu disse "É claro, po**a!". Aí tudo deu tão certo que eu ainda estou aqui.

Killing Spree Records: Você poderia falar brevemente sobre cada uma das bandas nas quais você já tocou?

Ralph: Bem, eu tenho a minha própria banda, MILLENIUM, já há alguns anos. Gravamos álbuns de hard rock para a Europa e Ásia. Estive no DEATH durante um certo tempo e digo que sair da banda foi um erro muito grande. Eu era muito imaturo naquele momento para perceber quanta sorte eu tinha pelo fato de estar numa banda com Chuck, Steve D. e Gene. Eu recentemente ouvi uma fita com aquela formação e percebi que era simplesmente incrível. Depois disso, durante muito tempo eu recusei todas as ofertas que me faziam, porque queria trabalhar em meus próprios projetos. Finalmente eu entrei no ICED EARTH, gravei o "The Glorious Burden" e fiz umas turnês. Então o Sebastian me viu tocar no Bang Your Head, na Alemanha, e me disse que se eu entrasse na banda eu poderia fazer as coisas do meu jeito, na parte musical. "Você é o meu Randy Rhoads", ele disse. Eu queria compor o seu álbum, então concordei.

Killing Spree Records: Você está tocando em alguma outra banda além do DEICIDE no momento?

Ralph: Eu tenho a minha própria banda de metal, o STARE, e estou trabalhando nela, junto com Johnny Lenaerts, que ainda toca guitarra pro Sebastian. Eu o convidei quando estava naquela banda. Ele é o vocalista do STARE. Ele é um grande cantor, um guitarrista EXCEPCIONAL e, no fim das contas, um cara legal pra ca**te. Também vai sair um novo CD do MILLENIUM, na mesma veia do OZZY/MSG e do SABBATH da era do Dio.

Killing Spree Records: Com quantos anos você começou a tocar guitarra? Que bandas ou artistas te inspiraram a começar a tocar?

Ralph: Eu tinha 7 anos e gostava do KISS e do DEEP PURPLE. Mas quando fiz 12 eu conheci o UFO. No instante em que ouvi o Michael Schenker eu percebi o que queria fazer, que era aprender a me expressar completamente com a guitarra, como ele faz. Ainda estou me esforçando para ser assim e continuo escutando aquele álbum, o "Obsession", sempre.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Deicide"


Gigwise: as capas mais polêmicas dos anos 2000Gigwise
As capas mais polêmicas dos anos 2000

E Se...: Sua banda favorita mudasse de gênero musical?E Se...
Sua banda favorita mudasse de gênero musical?


Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve HarrisÔôôôôeeee
Sílvio Santos aprovou montagem com Steve Harris


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

Sobre Mauricio Peccin

Paulistano criado no interior de São Paulo, ama a natureza, esportes e música. Rodou muitos cursos até se formar em Publicidade e Propaganda e vislumbra um futuro acadêmico estudando a virtualidade. Gosto musical varia entre os expoentes alternativos dos anos 90 (Smashing Pumpkins, Nine Inch Nails, Placebo, Garbage, Portishead e outros), dream pop minimalista (Azure Ray, Anomie Belle, Trespassers Willians, Tujiko Noriko, Neverending White Lights), pitadas de rock clássico, música étnica, avant garde e algum metal aqui e acolá. Nem um pouco troo, descobrir bandas e artistas com um quê exótico é uma paixão.

Mais matérias de Mauricio Peccin no Whiplash.Net.