Detalhes sobre "Elektracustika", do Oficina G3

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Assessoria Oficina G3, Fonte: Oficina G3 - site oficial
Enviar Correções  


(Press-release)

Oficina G3: drama pessoal superado com reflexões e ótimo rock pesado do último trabalho

Excessos: como os rockstars gastam os seus milhões

Primeiras impressões são perigosas. Quando elas vêm recheadas de possíveis preconceitos então, pior ainda. No mundo da música, a situação costuma ter outro agravante: a postura industrial de todo o processo. A linha de produção das gravadoras, muitas vezes, geram "artistas" de qualidade duvidosa, quando não são grupos simplesmente montados e/ou vendidos sob uma ovação desproporcional, além de totalmente manipuláveis e fabricados, literalmente, por quem está de trás. Para não falar em álbuns que nascem puramente para cumprir contratos.

A crítica especializada, por sua vez, sofre a pressão constante do tempo, sendo obrigada a entregar resenhas e entrevistas quase que instantâneas, mal tendo a oportunidade de ouvir com a calma e atenção necessárias o material recebido. O que dá margem para inúmeras interpretações equivocadas, logo reconhecidas por quem o escreveu. Perdem todos: o público, o jornalista, a gravadora, o veículo, a banda.

Música não é, ou pelo menos não deveria ser, um processo automático e artificial onde junta-se este elemento com aquele outro, dentro de uma fórmula já conhecida, empacotada numa produção eficaz e numa embalagem atraente. É um negócio, claro, como qualquer outro. Felizmente, somente o tempo – ele, novamente, numa ironia da lógica – mostra quem tem talento e competência suficientes para seguir na estrada. E no topo. Adquirindo, outro fator essencial, a independência para conceber o trabalho do modo e do jeito que querem.

O Oficina G3 é um desses casos raros. Sorte que minhas palavras se baseiam na história. Porque poderiam ser postas em dúvida por um observador mais perspicaz. Temos talento, longevidade, competência administrativa, respeito adquirido, público fiel e isenção para compor. E é no auge de sua força criativa, comemorando 20 anos de carreira, que a banda lança o novo CD.

"Elektracustika" não é um álbum para ser ouvido apressadamente. Exige atenção e uma sensibilidade acima da média para que todos seus detalhes possam ser absorvidos. A sonoridade é rica, mas não saturada. Técnica, mas sem exageros. Orgânica porém firme. Consegue capturar o ouvinte através de todos os lados, chegando à essência da banda. E ao mesmo tempo que resgata o passado, com 9 composições re-arranjadas, traz o novo, com 5 inéditas e vai além: o Oficina G3 clássico que todos conhecem encontra experimentações ainda mais fortes com o eletrônico e o progressivo, apontando, igualmente, horizontes diversificados de uma banda completa e equilibrada.

Seja já na abertura com o clima celta de "Além Do Que Os Olhos Podem Ver", reforçada pela flauta de Matheus Ortega, ou com a perfeita síntese no arranjo incomum de "Desculpas", trazendo riffs pesados, progressividade, melodias dando o acabamento final e o fator eletro de seu refrão, temos uma banda madura e de saudável ousadia. Jean adiciona texturas e climas de um senso apurado e sempre surpreendente – "Preciso Voltar" é toda dele. Duca faz seu baixo ocupar lugar de destaque, a exemplo de "Razão", nada menos que uma aula, demonstrando a classe e intensidade que poucos baixistas possuem. E Juninho Afram tem uma das mais belas e polivalentes atuações de sua carreira. A forma como consegue trabalhar a técnica em prol do sentimento, fazendo com que as linhas vocais casem adequadamente com que o instrumental passa é de se reverenciar. Impossível ficar imune a "Cura-me", "Eu, Lazáro" – e seu solo tocante – "Ele Vive", onde se exalta toda a força do conjunto e "Perfeito Amor", balada de nítido acento jazzístico que ressalta o prestígio que estes músicos alcançaram, colocando-os na vanguarda do pop/rock nacional e provando sua indiscutível singularidade.

As letras professam experiências reais de vida e uma mensagem que eles carregam com convicção e coragem. Por tudo isso, "Elektracustika" é um álbum que emociona. Tem o sangue, o suor, o coração e alma de cada um deles. Planejado com carinho e executado com cuidado, a impressão inequívoca que temos ao término de sua audição é que, mais uma vez, e sem forçar qualquer situação elogiosa, eles podem se orgulhar do resultado alcançado. É puro Oficina G3, com tudo que eles são capazes de oferecer. O início perfeito para um ano, sem dúvida, inesquecível.

Faixas:

1. Intro
2. Além do que os olhos podem ver
3. Desculpas
4. Mais alto
5. Cura-me
6. Resposta de Deus
7. A Deus
8. Eu, Lázaro
9. Ele vive
10. Razão
11. Preciso voltar
12. A Lição
13. Deserto
14. Perfeito amor
15. Me faz ouvir

Onde comprar:
MK Shopping
Submarino.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Oficina G3: drama pessoal superado com reflexões e ótimo rock pesado do último trabalho

Por dentro com Paulo Baron: Valverde e Aposan falam sobre música gospel e secularPor dentro com Paulo Baron
Valverde e Aposan falam sobre música gospel e secular


Café com Ócio: 15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010Café com Ócio
15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010

Rock Cristão: as principais bandas nacionaisRock Cristão
As principais bandas nacionais


Excessos: como os rockstars gastam os seus milhõesExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

Garagens: adolescentes frustrados, guitarras baratas e energiaGaragens
Adolescentes frustrados, guitarras baratas e energia


Sobre Assessoria Oficina G3

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin