Rob Halford: "Metal traz ótimos benefícios para as pessoas"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: Perth Now, Tradução
Enviar Correções  

Rob Halford, frontman do JUDAS PRIEST, disse ao site australiano Perth Now que, embora ele entenda que o metal tornou-se um alvo óbvio para a intolerância de um povo que procura um bode expiatório para os males da sociedade, ele leva o assunto muito a sério.

"Há pessoas que não entendem, mas o fato é que o heavy metal freqüentemente traz ótimos benefícios para as pessoas", disse ele. "Temos uma lista quilométrica de pessoas que nos disseram que tal música ou tal álbum os ajudou a enfrentar dificuldades na vida".

publicidade

Ele acrescenta: "Podemos dizer que uma vez ‘metalhead’, sempre ‘metalhead’. Um metalhead de 15 anos pode chegar perto de um metalhead de 60 anos e ambos podem fazer o sinal do demônio. Acho que essa é uma comunidade unificada".

Ter assumido ser homossexual durante uma entrevista em 1998 quase não mudou sua posição como um dos cantores mais adorados do metal. Halford disse que "É incomum que alguém de uma banda de metal mundialmente famosa assuma sua sexualidade, a não ser que seja heterossexual. Fiquei contente por ter feito aquilo, principalmente pelo meu estado de espírito. Você se torna capaz de esquecer todas as insinuações e comentários maldosos, todas essas coisas que pessoas como eu têm que agüentar".

publicidade

"Os fãs não se importam, eles são indiferentes. Os fãs de metal são muito tolerantes, têm muita compaixão, são muito espertos e acho que eles mostraram suas verdadeiras personalidades quando me aceitaram pelo que eu sou, a despeito de minha orientação sexual".




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Tarja: agredida sexualmente por fã durante show no México em 2000Tarja
Agredida sexualmente por fã durante show no México em 2000

Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rockOzzy Osbourne
Fim do Guns foi a maior tragédia do rock


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin