Lamb Of God: "novo disco é realmente cru e autêntico"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por PK, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

Mark Morton, guitarrista do LAMB OF GOD, recentemente falou para o "Metal File", da MTV.com, sobre "Wrath", o mais novo álbum da banda de Richmond, Virginia, que deve sair em 24 de fevereiro de 2009.

Lamb Of God: Willie Adler não falou com irmão Chris desde que o baterista saiu da banda

Satanismo: O que pensam os que acreditam que rock é coisa do demo?

publicidade

De acordo com Morton, os membros do LAMB OF GOD decidiram antes mesmo de escrever uma única nota para "Wrath", que queriam fazer um álbum que não se parecesse em nada com "Sacrament", de 2006, e o guitarrista sente que eles conseguiram fazer exatamente isso.

publicidade

"Geralmente tentamos fazer algo novo todas as vezes", disse ele. "Este disco eu acho que é propositalmente um pouco mais cru e agressivo do que 'Sacrament', que era realmente muito dinâmico em todos os sentidos, com músicas bem colocadas – além de produzido com muito peso. Mas este novo é realmente cru e autêntico, em todos os aspectos, nele nós celebramos as imperfeições. Escolhemos o som que vai estar no álbum baseado mais na característica e personalidade que possui do que uma completa precisão mecânica. Tem muito mais a ver com a vibração e a atitude nas sessões de gravação do que algo do tipo 'Nossa, isso ficou perfeito'. Foram justamente as músicas perfeitas que nós jogamos fora, porque eram muito estéreis".

publicidade

"Os tons de guitarra estão um pouco mais limpos do que o normal", acrescentou. "Ficamos meio que convencidos de que o limpo é pesado. A tonalidade mais clara é muito mais pesada do que aquela super saturada. É realmente mais cru, soa mais natural, mais orgânico, o que por si só é algo revolucionário nos dias de hoje, com a molecada fazendo gravações de áudio profissionais em seus próprios quartos, em seus laptops, cortando e colando fraseados e acordes. Fazer uma gravação completamente avançada, com um som robótico da era espacial, já não é mais algo tão avançado. Acho que hoje em dia fica até mais avançado fazer um álbum que se pareça com uma banda de verdade tocando. Não me entenda mal – ele ainda soa ensaiado e planejado, porque realmente foi feito assim. Mas é simplesmente verdadeiro".

publicidade

A matéria completa (em inglês) está neste link.


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin