James Hetfield: "o Metallica chegou perto de acabar"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Douglas Morita, Fonte: Metal Remains
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 09/12/08. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Graeme Wood, do The Cape Breton Post, entrevistou em dezembro de 2008 o guitarrista/vocalista do METALLICA, James Hetfield. Alguns trechos da conversa podem ser conferidos abaixo.

4601 acessosMetallica: Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington5000 acessosFotos de Infância: Robert Plant, do Led Zeppelin

The Cape Breton Post: Você está feliz com esta nova-velha direção [do "Death Magnetic"]?

Hetfield: "Sim, parece certo. Parece que é a hora certa. Eu certamente sei que os fãs têm pedido desde sempre, basicamente nos falando o que fazer, o que para nós, não funciona. Seja meu pai ou um fã, isso nunca funcionou. Eu tenho que sentir isso por minha conta, e eventualmente nós vamos ao ponto onde somos capazes de acolher as coisas que fizemos no passado e não fugir delas".

The Cape Breton Post: Fale para mim sobre o novo álbum e você estar sóbrio agora. Você já foi viciado em álcool, então isso mudou sua forma de escrever, já que thrash metal é tão sinônimo de beber?

Hetfield: "Os fãs terão que dizer. Este novo álbum, eu acho, é muito bom e eu estou completamente limpo e sóbrio. Sempre existirão pessoas que se preocuparão por você, também... E então eu escrevo as coisas mais raivosas da minha vida no 'St. Anger' e todo mundo odeia isso ou algo assim. Sabe, você não pode fazer isso pelos outros. Você tem que ser o artista que está fazendo arte".

The Cape Breton Post: Você ajeitou as coisas em sua vida privada, então isto faz com que você e a banda se dêem melhor do que antes?

Hetfield: "Com certeza. Eu acho que o fato é que nós podemos ler uns aos outros melhor porque nós conhecemos uns aos outros melhor, e queremos conhecer uns aos outros melhor, e nós conseguimos nos comunicar muito melhor... Nós passamos por alguns momentos bem difíceis e por termos andado através do fogo e sobrevivido, há quase um tipo de honra que você tem com cada um - que nós passamos por isto então não precisamos ir lá de novo".

The Cape Breton Post: Você mencionou antes que é importante falar sobre morte. Talvez você possa discorrer sobre isso.

Hetfield: "A banda chegou perto de acabar. Nós chegamos ao ponto onde egos, e ressentimentos e coisas assim cresceram tanto e tão forte que era praticamente um abismo impossível de escalar. Então o fato de que nós passamos por isso e saimos com o álbum mais forte de um longo tempo, acho, é um testamento de trabalho duro e para se apoiar pois você nunca sabe o que acontecerá. E para nós, foi perto da morte e esse é um pensamento bem assustador. E obviamente, há vida pós-Metallica, mas vale a pena? Então nós começamos a falar sobre isso em uma metáfora de vida e morte".

The Cape Breton Post: Você ainda é de certa forma político?

Hetfield: "Nunca fui. Liricamente, eu estava escrevendo o que eu sentia... Muitas das coisas que nós fazemos são, felizmente, universais, como se ligar nas emoções - é humano. Músicas como 'One' e 'Disposable Heroes' falam mais sobre o lado feio da guerra. E há mais do que só essas músicas. A música 'Don't Tread On Me' mostrou o outro lado disso. Nós na banda temos opiniões políticas diversas e é melhor deixar isso na entrada. Isso atrapalha o caminho, é um bloqueio. Olhando como um todo, nós todos queremos proteger nossas famílias e existem certas formas que nós achamos que devem ser feitas. Mas todo nós temos preocupações sobre o globo e a humanidade e onde isto está indo e eu não acho que nós somos os primeiros a nos preocuparmos com isso".

A entrevista completa, em inglês, pode ser lida clicando aqui.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
A prova que Rick Rubin estragou o "Death Magnetic"

MetallicaMetallica
Trio de garotos toca músicas da banda e bomba na web

MetallicaMetallica
Sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Robert Plant, do Led Zeppelin, muito antes da fama

Nomes de BatismoNomes de Batismo
Os nomes verdadeiros dos artistas do Rock e Metal

TatuagensTatuagens
Homenagens ao Guns N' Roses na pele dos fãs

5000 acessosMulheres: as bandas mais famosas em suas versões femininas5000 acessosManowar: A vida real e nada épica dos Reis do Metal?5000 acessosRockstars: as filhas mais lindas dos astros do rock5000 acessosRaul Seixas - Perguntas e Respostas5000 acessosMarcel Castro: De ingressos e tour-books a guitarras autografadas5000 acessosRegis Tadeu: "Roots" do Sepultura e o mimimi dos metaleiro troo

Sobre Douglas Morita

Douglas Morita acha que se existem constantes em sua vida, uma delas definitivamente é o Metallica. Fã da banda desde que se conhece por gente, criou o site Metallica Remains em 1998 e considera o grupo como sua principal - porém, obviamente, não única - influência musical. Além do Metallica, tenta ouvir de tudo um pouco, sem se limitar a estilos ou rótulos.

Mais matérias de Douglas Morita no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online