Viva o Vinil!: Charles Gavin, dos Titãs, fala sobre os LPs

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Vaughan, Fonte: Viva o Vinil
Enviar Correções  

O Viva o Vinil! entrevistou Charles Gavin, baterista dos Titãs, pesquisador musical e um dos maiores entusiastas da cultura do vinil no Brasil.

Anos 90: Discos "estranhos" de três bandas nacionais dos anos 80 lançados nos anos 90Eric Clapton: saiba mais sobre a doença que o acometeu

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além de ser fã dos bolachões, Gavin apresenta o programa O Som do Vinil, no Canal Brasil, que resgata, através de histórias envolvendo um determinado LP, capítulos importantes da música brasileira.

Aqui no estúdio da MTV, o bate papo estava tão bom que quase atrasamos a presença do baterista no programa Acesso MTV - onde ele se apresentou divulgando o mais recente disco dos Titãs, Sacos Plásticos (2009).

Leia!

Viva o Vinil! - O vinil voltou mesmo à moda?

Charles Gavin (baterista dos Titãs): "Pra mim nunca saiu de moda, eu tenho uma coleção enorme de vinis e ela aumenta a cada mês. Não me desfaço dela nunca! Hoje o interesse geral pelo vinil voltou em parte pelo desgaste da mídia digital, que é o CD. Ele até trouxe algumas coisas bacanas, mas muita gente sente falta do contato maior com a capa, fotografia, o som diferente do vinil... E não só a minha geração. As mais novas, quando descobrem o LP, o adotam. É um objeto insubstituível e nunca vai sair de moda".

Viva o Vinil! – O que você mais gosta do vinil?

Charles Gavin: "O objeto vinil é como um livro, eu tenho um prazer em manipulá-lo, sentir o cheiro... Lembro que o cheiro do disco importado, por alguma razão, tinha um cheiro diferente do nacional. Era um perfume de disco importado!"

Viva o Vinil! - O vinil é melhor do que o CD?

Charles Gavin: "A era do CD é a da praticidade, ele toca em qualquer lugar, tem uma boa qualidade. Não acho que o vinil é sempre melhor do que o CD, temos que analisar caso a caso".

Viva o Vinil! – O que o vinil traz de mais interessante para o músico?

Charles Gavin: "O barato entre o músico e o vinil é resgatar um formato que é muito mais interessante. Você pode gravar em um CD até 80 minutos de música. E no vinil são 45 minutos, estourando... Mas isso fazia você selecionar as melhores da sua safra de composições. Nos anos 90, o padrão do CD se impôs na classe artística, onde tínhamos que lançar com 50 minutos de música, no mínimo. Eu mesmo me sentia culpado se não oferecesse menos do que isso para o público. Hoje eu acho que você deve oferecer o seu melhor".

Viva o Vinil! - Os lançamentos em vinil aumentaram, inclusive para todos os gostos e épocas, concorda?

Charles Gavin: "Sim, o recente grande interesse transparece nos recentes relançamentos de clássicos e nos novos lançamentos das bandas atuais. São vinis prensados em 180 e 200 gramas, que mostram uma alta qualidade que, por exemplo, nos meus velhos tempos não havia. É um vinil virgem... E quanto mais profundo o sulco, mais qualidade tem o LP. O grave do vinil depende da profundidade do sulco, quanto mais a agulha vai lá pra baixo, maior a reprodução de um som de qualidade".

Viva o Vinil! E os gringos têm lançado música em diversos formatos, como vinil duplo com cartão de MP3 etc.

Charles Gavin: "Compro vários clássicos e adoro quando algo é lançado em várias plataformas: LP, CD, MP3... São mais opções para você!"

Viva o Vinil! Mas a indústria brasileira está cochilando...

Charles Gavin: "Às vezes a gente vive uma ilusão de que o Brasil é um país desenvolvido... Não acho que é desenvolvido, nós temos algumas situações que o primeiro mundo desfruta, mas quando você parte para o todo, o Brasil está muito atrás. Esse é um bom exemplo. Lá fora uma banda lança um trabalho em várias plataformas, com várias opções... A evolução tecnológica propõe várias possibilidades para todos nós. Isso é uma conseqüência do Brasil ter virado um mercado igual ao de Portugal, por exemplo, que é um país menor. Já fomos o 5° mercado consumidor de disco do mundo, hoje nem sei mais em qual lugar estamos. Então, hoje, os nossos lançamentos são tímidos. E ainda tem a pirataria física, que está ligada ao tráfico de drogas, de armas... É fato. Agora, garotos que estão baixando sons do Led Zeppelin, conhecendo as bandas, é outra coisa. Minha opinião é outra, temos que discutir muito sobre o assunto".

Viva o Vinil! O que fazer para melhorar isso?

Charles Gavin: "Realmente se os preços fossem menores, as pessoas comprariam e não optariam por baixar qualquer arquivo. A música vendida ainda é muito cara. Os intermediários, como gravadoras e o Estado, com seus impostos altíssimos, ficam com a maior parte do bolo. E os músicos e compositores ficam com muito pouco".

Viva o Vinil! Você se lembra do seu primeiro vinil?

Charles Gavin: "O primeiro vinil que eu ganhei de presente dos meus pais foi um LP do Roberto Carlos, de 1974, que tem a música 'Amada Amante'. Agora o primeiro que eu economizei e comprei foi o Burn, do Deep Purple. Esse disco tocava muito na minha época, inclusive nos bailes do colégio. Na época, o pessoal dançava muito o que era chamado de rock pauleira".

Viva o Vinil! – E qual foi sua compra mais recente?

Charles Gavin: "Comprei o vinil duplo do Fireman, que é o projeto do Paul McCartney com o Youth, ex-baixista do Kiling Joke (www.thefiremanmusic.com)".

Viva o Vinil! – Como você organiza sua discoteca?

Charles Gavin: "Eu não consigo misturar gêneros, como fazem alguns amigos meus, que só arrumam por ordem alfabética. Primeiro, eu separo por gênero, depois por ordem alfabética, nacional e internacional".

Viva o Vinil! Você tem alguma dica de limpeza de vinil?

Charles Gavin: "Eu lavo meus discos com sabonete de glicerina, algodão e água fria. Jamais lave com água quente, porque esquenta e empena o LP! Também não fique colocando os dedos no vinil".

Viva o Vinil! Tem mais alguma dica importante?

Charles Gavin: "Se quiser digitalizar um vinil, a melhor dica é molhe o vinil, deixe a água dentro do sulco dele e depois coloque ele no toca disco para a agulha tocá-lo dentro da água. Isso ajuda bastante o curso da agulha dentro do vinil, porque ela desliza com maior facilidade. Em certos casos, melhora muito o som".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Viva o Vinil! Para finalizar, você pode adiantar os próximos episódios de "O Som do Vinil"?

Charles Gavin: "Meu programa está na terceira temporada e já posso adiantar alguns dos próximos personagens, como Eduardo Dussek, Jorge Mautner, Lady Zu, Gerson King Combo. Sempre escolho personagens que, além de terem feito grandes discos, são importantes e, apesar de estarem fora da mídia, têm muito que falar. Não podemos nos esquecer deles. E o Som do Vinil se propõe a isso, a mencionar e falar desses artistas tão importantes para a música brasileira. Saiba mais: http://canalbrasil.globo.com".




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Anos 90: Discos estranhos de três bandas nacionais dos anos 80 lançados nos anos 90Anos 90
Discos "estranhos" de três bandas nacionais dos anos 80 lançados nos anos 90

Titãs: morre de COVID-19 o vocalista Ciro Pessoa, um dos fundadores da bandaTitãs
Morre de COVID-19 o vocalista Ciro Pessoa, um dos fundadores da banda

Lives de rock: Dinho Ouro Preto, Nando Reis e mais anunciam transmissõesLives de rock
Dinho Ouro Preto, Nando Reis e mais anunciam transmissões

Titãs: ouça o primeiro EP do projeto Titãs Trio Acústico, com novas versõesTitãs
Ouça o primeiro EP do projeto "Titãs Trio Acústico", com novas versões


Palmeiras: conheças os roqueiros alvi-verdes no dia do centenárioPalmeiras
Conheças os roqueiros alvi-verdes no dia do centenário

Rock Nacional: 12 discos fundamentais para explicar os anos 80Rock Nacional
12 discos fundamentais para explicar os anos 80


Eric Clapton: saiba mais sobre a doença que o acometeuEric Clapton
Saiba mais sobre a doença que o acometeu

Música Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?Música Brasileira
Quais os discos mais vendidos da história?


Sobre Daniel Vaughan

Daniel Vaughan é jornalista, guitarrista, adora vinil e boa música.

Mais matérias de Daniel Vaughan no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280