RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de “Gita”

imagemA opinião de Humberto Gessinger sobre movimentos separatistas da região Sul do Brasil

imagemBruce Dickinson explica como cuida de sua voz

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemMegadeth vai transmitir show que será realizado no Japão

imagemPróximo álbum do Metallica será lançado em fitinha que custa mais de 80 reais

imagemDavid Gilmour largou vício maléfico após ouvir erro em disco do Pink Floyd

imagemO recado de Felipe Andreoli para fãs que esperam novo "Rebirth" ou "Temple of Shadows"

imagemVocalista do Stryper afirma que Metallica é a banda de metal que ele menos gosta

imagemKiko Loureiro volta no tempo e posta trecho de "Carry On" ao vivo

imagemAndreas Kisser tira uma com o Flamengo após derrota; "Tri mundial só um"

imagemDave Mustaine diz que atual formação do Megadeth é mais bem-sucedida em anos

imagemComo Brian May acabou fazendo participação especial em disco dos Paralamas do Sucesso?


Def Leppard Motley Crue 2

Cena paulista: Rock'n'Roll de calcinha, por que não?

Por Pedro Zambarda de Araújo
Fonte: Bola da Foca
Postado em 23 de dezembro de 2009

Escrever um trabalho final do curso de jornalismo sobre algo que gostamos não é tarefa fácil, especialmente quando existem aspectos polêmicos no assunto. Um grupo de quatro meninas da Faculdade Cásper Líbero – Fabiana Guena, Juliana Destro, Paula Bassi e Vera Kikutti – resolveu, com ousadia, tratar do rock de uma maneira diferente e bem própria. O resultado é um livro que coloca a posição da mulher nesse estilo musical de protesto, mas que ainda conserva um preconceito e uma exclusão velada por parte dos homens.

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |

Trabalho de conclusão de curso do ano de 2007, "Elas no rock: mulheres na cena independente paulista" narra, de maneira direta e com detalhes a história de bandas diversas como Infect, As Mercedes e Dominatrix. Os estilos das roqueiras vão desde o hardcore, passando pelo feminismo engajado, até as musicistas mais comportadas no palco.

No entanto, o conceito de rock alternativo, independente, que as meninas buscaram no trabalho não trata apenas de bandas underground, desconhecidas do grande público, mas de grupos com produções alternativas, que não obedecem o mercado. Alguns dos entrevistados tiveram influências bem distintas, como o heavy metal e o punk rock. Um bom exemplo disso é o caso das irmãs Marina e Tatiana Pará, sendo esta última colaboradora técnica da revista Guitar Player, que são abordadas no trabalho com suas inspirações musicais, variando do progressivo pesado do Dream Theater até o metal melódico dos brasileiros do Angra.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Segundo Fabiana Guena, uma das co-autoras do TCC, "a maior dificuldade era o fato de estarmos tentando entrar em um grupo muito fechado que já estava cansado de ser mal interpretado, sem interesse em colaborar". Ao mesmo tempo em que existe um preconceito contra as mulheres no rock, delegadas, no máximo, a condição de groupies ou esposas dos grandes astros, elas igualmente impõem bloqueios para divulgar seu trabalho, temendo serem taxadas de ‘mais esteticamente admiradas do que ouvidas’. Muitas das entrevistadas no trabalho preferiam fazer entrevistas via e-mail, ao passo que as meninas as procuraram pessoalmente o máximo que puderam. "Eu acho que quando a Fabi fala de 'grupo fechado', ela se refere ao grupo das bandas feministas, que de fato foram as mais ressabiadas... mas eu acho que a parte mais interessante do trabalho de apuração foram as meninas do rock cristão" comentou Juliana Destro.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O resultado final foi um livro-reportagem dividido em quatro grandes capítulos, com várias subdivisões que abordam tanto a cronologia quanto as experiências que as bandas femininas enfrentaram. "É impossível esgotar um tema, ainda mais em um TCC, então sempre existe a possibilidade de surgir mais um sobre a mesma ‘tribo’, mas com enfoque diferente" confessou Fabiana. No trabalho, as estudantes procuraram ligar os preconceitos e os conflitos às reações do movimento musical, unindo feminismo, vegetarianismo, subgêneros do rock e inúmeros fatores que fazem parte da vida dessas mulheres. O material não trata apenas de levantar polêmicas, mas procura suas implicações e dilemas.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Além das questões polêmicas abordadas no trabalho, três das quatro autoras concordaram que a orientadora não foi adequada ao trabalho. "A orientação se baseava nas histórias que nós contávamos, mas ela não leu o trabalho, o que atrapalhou bastante. Muitas vezes ela questionava aspectos que ela não compreendia, porque não havia lido" disse Juliana Destro. Questionada sobre sua participação, a professora-orientadora Rosângela Petta se defendeu: "não dá pra ler 8 livros-reportagens por ano e dar aulas. Leio um capítulo e, a partir dele, oriento o restante do trabalho". No entanto, Paula Bassi fez uma ressalva sobre a orientação que é considerável: "apesar de não ser muito presente no trabalho, ela oferecia um aconselhamento jornalístico e de estilo de escrita que foi útil em alguns momentos".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Casos curiosos das bandas abordadas no livro, como as companheiras de banda Dominatrix, Mayra e Elisa, que assumiram sua homossexualidade em público durante a Verdurada (evento brasileiro de vegetarianos) de 1999, até o Kavla, grupo que considera a aparência 50% do espetáculo, podemos perceber no TCC um panorama sobre paradoxos que assolam a vida da mulher comum moderna, até mesmo no rock. Mais importante do que essa variedade de experiências testemunhadas, é saber que o esforço das estudantes, na verdade, reflete sua própria realidade, como garotas. "Resolvemos tratar de rock porque gostamos do estilo e falar de meninas porque a questão de gênero também sempre nos intrigou. Além disso, na minha opinião, no fundo sabíamos que o tema ia render boas histórias" alegou Paula, resumindo o esforço do grupo em trazer a tona cena paulistana na música.

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.
Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo.