Scorpions e Cinderella: resenha e vídeos do show em Bogotá

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano, Fonte: El Espectador, Tradução
Enviar Correções  

O portal colombiano "El Espectador" publicou uma resenha do show da banda SCORPIONS em Bogotá, apresentação que teve a abertura do grupo americano CINDERELLA.

Segundo o portal, o show, realizado em 09 de setembro, atendeu à expectativa dos fãs, embora o SCORPIONS não tenha tocado na íntegra a música "Wind Of Change" - foi executado somente um trecho "a capella", já no momento que a banda se despedia do público.

publicidade

De acordo com a redatora da resenha, Lilian Contreras Fajardo:

"Para todos foi uma surpresa, porque durante a turnê Get Your Sting And Blackout World Tour, pela qual a banda se despede dos fãs após 45 anos na indústria musical, a música Wind Of Change tem sido executada.

O público então não teve escolha senão deixar o Simon Bolivar (local do show) cantando a canção dos anos 90.

publicidade

Apesar de todos (ou quase todos) ficarem com a vontade de ouvir ao vivo Wind of Change, o sentimento geral do concerto foi satisfatório, pois durante duas horas Meine, Jabs, Schenker, Maciwoda e Kottak recordaram o público porque fazem parte de uma das bandas mais duradouras da música."

O portal disponibilizou vídeos de parte dos shows do SCORPIONS e também do CINDERELLA.

publicidade

O SCORPIONS segue (sem a abertura do CINDERELLA) para Argentina, Brasil, Bolívia e Chile.

Leia a resenha completa (em espanhol) e vejas os vídeos no link abaixo:

http://www.elespectador.com/entretenimiento/agenda/musica/ar...

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: James Hetfield explica suas tatuagens preferidasMetallica
James Hetfield explica suas tatuagens preferidas

Fotos de Infância: Dave Mustaine, do MegadethFotos de Infância
Dave Mustaine, do Megadeth


Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin