Matérias Mais Lidas

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemO dia que Cazuza pagou justo esporro para Sandra de Sá ao ver atitude da cantora em festa

imagemFãs não perdoam e reclamam da bateria de Lars Ulrich em novo single do Metallica

imagemMotörhead lança a música inédita "Bullet In Your Brain"; ouça aqui

imagemMorre, aos 79 anos, Christine McVie, integrante do Fleetwood Mac

imagemCinco músicos que nunca voltarão para as bandas que os consagraram

imagemO clássico do Rock Brasileiro com erro gramatical que foi parar em curso pré-vestibular

imagemCharlie Benante não sabia de tour do Metallica com o Pantera

imagemA importância da ex-esposa de James Hetfield em sua luta contra o alcoolismo

imagemTim Ripper Owens diz que nunca voltaria ao Iced Earth

imagemTitãs e o integrante que era visto como um líder mas saiu por estar em outra

imagemA incrível canção do "Black Album" que James Hetfield tocou anos antes em São Paulo

imagemO álbum clássico do Rush que Rafael Bittencourt não gostava nada

imagemMetallica: e se "Lux Aeterna" estivesse no "... And Justice For All"?

imagemKirk Hammett sobre o Metallica: "Masculinidade tóxica alimentou essa banda"


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Helmet: resenha do show em SP no Roque Reverso

Por Flavio Leonel
Fonte: Roque Reverso
Postado em 07 de agosto de 2011

Se voltássemos no tempo, mais ou menos para a década de 90, quando era apontado como o futuro do rock pesado e bombava na MTV, seria inimaginável ver uma banda como o Helmet tocando numa casa pequena de shows da Rua Augusta em São Paulo. Em 2011, isso foi possível no dia 28 de julho, quando a banda dos EUA comandada pelo vocalista e guitarrista Page Hamilton, fez uma ótima apresentação para uma casa lotada de fãs das antigas, muitos deles com mais de 30 anos de idade.

Com apenas Hamilton da formação original, mas com bons músicos capazes de manter o peso e a qualidade da banda, os norte-americanos fizeram a alegria dos paulistanos sortudos que estiveram presentes no Beco 203, casa noturna acostumada a receber baladas do cenário indie-electro-rocker.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Depois de assistir ao Helmet no saudoso Olympia, em 1994, este blogueiro confessa que achou estranho a banda aceitar tocar num local que era até bem montado, mas muito pequeno para o sucesso que a banda já fez. Se no Olympia, a lotação costumava ser de mais ou menos 4.500 pessoas e o show de 1994 contou com cerca de 3 mil fãs, no Beco 203, a lotação, segundo os seguranças, era de cerca de 900 pessoas e o assunto era que pouco mais de 500 ingressos haviam sido vendidos.

"O palco é pequeno"; "Vão ficar espremidos lá em cima"; "Não cabe nem a bateria direito", diziam alguns fãs que já conheciam a casa, ainda na fila para entrar. "Não venderam nem o primeiro lote direito", afirmaram outros fãs, com tom de desilusão, mas torcendo para que a banda ao menos lotasse o local, como prova de que ainda poderia possuir um público de respeito ante grupos do rock que costumam encher casas maiores que o Beco 203.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A abertura do local estava marcada para às 21 horas e o show agendado para às 22 horas, mas a casa abriu ao público por volta das 22 horas e a apresentação só foi acontecer a partir das 23h30, para prejuízo daqueles que foram ao local de ônibus e tiveram que se virar de alguma outra maneira para voltar para casa após o show.

O fato é que, da abertura da casa até o início do show, o local foi enchendo e a coisa começou a ficar interessante. Neste intervalo, uma cena raramente vista para grupos que passaram pelo estrelato: a banda entrando no local e passando no meio do público como se fosse um grupo de principiantes que iriam abrir o show de alguém mais badalado. Se aquela atitude de Halmilton & Cia. já havia surpreendido, o que viria na sequência surpreenderia ainda mais, sempre pelo lado positivo e exemplar, quando o assunto é humildade e ausência de estrelismo…

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O show

Aproveitando-se do local pequeno e do fato de o Helmet não possuir aquele tipo de fã que disputa milímetros para ficar grudado na banda, este blogueiro conseguiu ficar na boca do palco, exatamente do lado direito, por onde o grupo subiu para se apresentar. Como Hamilton ficou também do lado direito, foi possível assistir ao show inteiro com o grande músico a menos de 1 metro de distância, sem seguranças trogloditas para atrapalhar.

Apesar de a banda ter lançado recentemente o novo álbum "Seeing Eye Dog", de 2010, o desejo de todos era ver vários clássicos da banda, especialmente dos discos "Meantime" (1992) e "Betty" (1994), que representaram o auge da carreira do grupo. Como manda o figurino, foi exatamente uma mistura do novo e do clássico que marcou a apresentação do Helmet.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A banda iniciou o show com a música "Role Model", do "Meantime", já mostrando que aquela apresentação traria, no mínimo, muita energia. Um pequeno ponto negativo, pelo menos para quem estava do lado direito do palco, foi que a guitarra e a voz de Hamilton estavam com um volume um pouco mais baixo do que o recomendado.

Na sequência, foram executadas as músicas "So Long", do mais novo álbum, "Exactly What You Wanted", do "Afterstate", de 1997, e "Welcome to Algiers", também do "Seeing Eye Dog". Para não deixar esfriar o show, o Helmet trouxe com grande técnica dois grandes sucessos do "Meantime": "Give It" e "Ironhead", que levaram o público a uma enorme empolgação.

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |

Page Hamilton foi sempre muito simpático com todos durante o show e parecia curtir bastante aquele momento. Para demonstrar sua admiração ao País, lembrou que a munhequeira que usava era "da cor do time dele", verde e amarela, para mais respostas positivas da plateia.

Naquele momento, também já merecia destaque a apresentação do baterista Kyle Stevenson. Com uma energia impressionante, ele arrancava olhares de admiração do público e fazia a ausência do ótimo batera original John Stanier ser um pouco menos sentida que de costume.

Depois de trazer mais uma música ("White City") do mais novo álbum, o Helmet tocou a mais antiga da noite. Para alegria dos fãs mais velhos, as batidas contagiantes de "Blacktop", do primeiro disco "Strap It On", de 1990, foram executadas com categoria pelos músicos norte-americanos. Na sequência, o grupo trouxe "Enemies", do álbum "Size Matters", de 2004, e "In Person", também do disco novo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Hamilton tem a fama de elaborar o set list de cada show praticamente em cima da hora. Mas, em São Paulo, além de ter dado sequência à velha prática, surpreendeu quem já estava com a lista de músicas em mãos. Se você comparar abaixo, vai ver que o público saiu ganhando, já que, em vez de emendar mais uma do disco mais recente, a banda optou por uma trinca do ótimo álbum "Betty", para alegria geral. Numa tacada só, foi possível matar a saudade das músicas "Tic", "Wilma’s Rainbow" e "Milquetoast".

Com a euforia estampada na cara do público e a clara demonstração de alegria de Hamilton em cima do palco, o grupo deu uma rápida pausa para o descanso. Para surpresa deste blogueiro, os músicos não saíram para algum camarim, mas ficaram exatamente do lado do palco, em frente a um grupo de fãs, conversando, tomando água ou cerveja e recarregando as energias para o bis. Era só mais uma das coisas pouco imagináveis para um conjunto que chegou ao topo das paradas nos anos 90 e que até tinha o direito de ser mais exigente.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Se o show até "Milquetoast" já valia a noite, o bis foi o ponto máximo da apresentação. Tudo porque o grupo mais uma vez alterou o set list e trouxe uma combinação de músicas que agradou a todos. Para começar, nada menos que "Unsung", o maior hit da banda e que levou o "Meantime" ao topo das paradas. Na sequência, para delírio total, o clássico "Just Another Victim", que o grupo gravou com o House of Pain para a poderosa trilha sonora do filme "Judgment Night".

Após a grande música, o Helmet tocou ainda "Birth Defect", do "Aftertaste" e "I Know", do "Beth". Para fechar, todos sabiam que viria a pesadíssima "In the Meantime", que mostrou que o grupo ainda tem muita lenha a queimar e pode, sem a menor dúvida, voltar para o lugar de sucesso que já conquistou no passado.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Terminado o show, todos os músicos se despediram do público, agradeceram o apoio e ficaram atendendo todos, conversando ou tirando fotos. O mais procurado, é claro, foi Page Hamilton, que, numa gentileza impressionante e comovente, atendia um a um, ainda em cima do palco. Era foto atrás de foto, com o líder da banda claramente curtindo aquele momento, sem estrelismos, com simpatia e muita humildade. Um verdadeiro exemplo a algumas bandinhas brasileiras que se acham só porque têm clipe na MTV ou tocam no Studio SP, na mesma Rua Augusta…

É claro que não dá para comparar o show de 2011 em São Paulo com o de 1994 no Olympia. Eram outros tempos, a banda estava no auge e estava detonando tudo. Mas não faltou qualidade, energia e tampouco aquilo que marcou o Helmet durante toda a carreira: o peso, a voz marcante de Hamilton e as batidas secas de bateria.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Veja no Roque Reverso o texto original, com direito à comparação entre o set list divulgado e o set list executado, além de vídeos selecionados no YouTube.

ROQUE REVERSO
O blog do bom e velho rock and roll
http://www.roquereverso.wordpress.com

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Helmet se apresentará no Brasil em novembro

Loudwire: Os 10 melhores álbuns de 1992

Legião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Megadeth: Mustaine fala sobre satanistas, gays e gatos