Corey Taylor: "Rick Rubin é superestimado, supervalorizado"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em 18 de novembro de 2011 o frontman do STONE SOUR e do SLIPKNOT Corey Taylor fez o quarto show de sua turnê solo no clube Trees em Dallas, Texas (EUA). Intitulado "Uma noite com Corey Taylor", os shows trazem Corey Taylor fazendo apresentações faladas e acústicas, além de sessões de perguntas por parte da platéia.

Solos: Alguns dos mais bonitos do Heavy MetalSlipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando perguntado por um membro da platéia sobre sua experiência trabalhando com o lendário produtor RICK RUBIN (RED HOT CHILI PEPPERS, SLAYER, AUDIOSLAVE, SYSTEM OF A DOWN, METALLICA) no disco de 1004 do Slipknot, (Vol. 3 "The Subliminal Verses"), Corey disse, "Essa é uma pergunta muito, muito perigosa... agora, há pessoas que adorariam que eu simplesmente fosse politicamente correto e fazer média, o que seria, basicamente, dizer 'Ah, sabe como é, trabalhar com Rick Rubin foi uma experiência muito enriquecedora. Ele é de fato um gênio... ' deixa eu te bater a porra da real nessa. Rick Rubin aparecia 45 minutos por semana. Sim. Daí o Rick Rubin, durante esses 45 minutos, deitava num sofá, pedia pra colocarem um microfone perto da cara dele pra que ele não tivesse que se mexer. Eu juro por deus. E daí ele dizia, 'Toca aí pra mim.' O engenheiro tocava. E ele ficava de óculos escuros o tempo todo. Não tinha importância que não havia sol na sala - era tudo escuro. Você basicamente parece um otário a essa altura. E ele só ficava cofiando aquela barba enorme e comendo o quanto pudesse. E daí ele dizia, 'Toca de novo.' E daí ele mandava. 'Para! Toca isso de novo.'

Ele tinha um assistente que tinha mais de dois metros. Ele tinha aquela doença que você não tem pêlos no corpo, então ele era careca. Ele parecia o primo neurótico do Mr. Clean. Mas ele basicamente administrava a vida de Rick Rubin - ele ficava em cima, em cima. Lá pela metade de nossos preciosos 45 minutos, ele trazia esse prato de bosta. Eu presumo que fosse comida. Era um verde azulado. Cheirava como se alguém tivesse mergulhado numa privada em algum canto. E ele comia isso tão rápido quanto fosse possível - e se sujava todo. E isso, quando você está trabalhando, é maravilhoso de se assistir... eu vou dizer: eu respeito o que Rick Rubin já fez, eu respeito o trabalho que ele fez no passado para chegar até onde ele está agora. Mas... e isso é um 'mas' do tamanho da bunda da Jennifer Lopez, mas eu vou mandar: o Rick Rubin de hoje é uma pálida, pálida sombra do Rick Rubin que ele já foi. Ele é superestimado, ele é supervalorizado, e eu nunca vou trabalhar como ele de novo enquanto eu viver."

Assista ao vídeo com as declarações de Corey.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Slipknot"Todas as matérias sobre "Corey Taylor"


Slipknot: o filme de terror que inspirou a criação da máscara de Corey TaylorSlipknot
O filme de terror que inspirou a criação da máscara de Corey Taylor

Corey Taylor: Para eles o rock e o Metal são coisas de neandertaisCorey Taylor
"Para eles o rock e o Metal são coisas de neandertais"


Solos: Alguns dos mais bonitos do Heavy MetalSolos
Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal

Slipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunirSlipknot
Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor