Philip Anselmo: "Eu me considero um agente livre até hoje"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: blabbermouth.net, Tradução
Enviar Correções  

O ex vocalista do PANTERA e atualmente do DOWN, Philip Anselmo, conversou com Pat Douglas do GreatFallsTribune.com sobre o "Down IV Part I - The Purple EP", o primeiro de uma série de quatro EPs DOWN a serem lançados ao longo dos próximos anos (com um ano de intervalo entre os EPs), cada um focando em um diferente aspecto da sonoridade da banda.

publicidade

Perguntado por que o DOWN levou tanto tempo para lançar a sequencia do "Down III: Over the Under", de 2007, Anselmo disse, "Nós somos os maiores mentirosos caras de pau do planeta quando se trata de manter promessas sobre quando o próximo disco vai sair. Todo mundo está ocupado, ocupado e ocupado com um milhão de coisas diferentes. Quando você está fazendo esse tanto de coisa, o tempo voa e quando você percebe você é um mentiroso e está lá dizendo 'Não lançamos nenhum disco em três anos'."

publicidade

"Podemos fazer planos de encontrar após três anos, e quando você vê, quando todos os planos são feitos, até que todos e todas as estrelas se alinhem, já se passou um ano", ele acrescentou. "Está tudo um caos. O álbum novo saiu, e eu estou muito bem preparado para o público consumí-lo".

No tópico sobre seus vários projetos, inclusive seu próximo álbum solo, autobiografia e seu selo, Housecore Records, pela qual também trabalha como produtor interno, Anselmo disse, "O DOWN é uma coisa que eu faço porque ainda curto fazer. E mais importante, é para os fãs da banda".

publicidade

Ele acrescentou, "Eu me considero um agente livre até hoje. Eu tenho que dar ao DOWN essa atenção especial que ele merece, mas isso não vai me impedir de fazer outras coisas".

A respeito da decisão de lançar vários EPs ao invés de álbuns completos que teriam 12 ou 13 faixas completas, Anselmo disse, "Eu não gosto de fazer álbuns grandes na íntegra que me consomem. Eu penso demais nas coisas. Eu conheço o DOWN muito bem e imaginando o trabalho de um modo geral com esse grupo de caras tentando arrancar 10, 11, 12 canções, para mim, na minha opinião, fazer EPs com DOWN é menos estressante".

publicidade

"Não há músicas que vão te deixar indeciso, realmente", ele continuou. "Não tem coisa do tipo 'Essa música se encaixa nesse grupo de 10, 12 músicas?' Você não fica se questionando. Seis músicas? Ótimo".

De acordo com Anselmo, o DOWN usou a mesma abordagem para o novo EP daquela para seus primeiros demos do início dos anos 90. "Todos vieram de onde estavam morando na época", ele falou sobre a primeira fita demo da banda. "Nós nos reunimos, fizemos demo de três músicas. Eu não tinha letras comigo. Eu as escrevi na hora. Na certa essas três músicas acabaram entrando no álbum de estréia, 'NOLA'. 'Bury Me In Smoke', 'Losing All', 'Temptations Wings', estas são umas das músicas favoritas do público".

publicidade

"A abordagem que fiz foi essa, cara. Eu tentei honestamente me afastar do projeto de várias maneiras. Eu fiz todos os meus vocais sozinho. Acho que, como banda, todos nós não ficamos pensando demais nesse disco. Você me pega, pega o Pepper [Keenan], o Kirk [Windstein] o Jimmy [Bower] e agora o Pat [Bruders], você nos coloca no mesmo recinto, você sabe que vai ter o som do DOWN".

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da famaFotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Metal: Mapa revela os países com mais bandas do estiloMetal
Mapa revela os países com mais bandas do estilo


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin