Machine Head: Robb Flynn explica melhor sua posição anti-CDs

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 03/02/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?


721 acessosRobb Flynn: tocando Linkin Park, Temple Of The Dog e mais5000 acessosCapas de álbuns: algumas curiosidades e histórias

Alguns dias atrás, o frontman do MACHINE HEAD, ROBB FLYN – cuja banda atualmente encontra-se sem contrato – desencadeou um intenso debate quando proclamou que “Jamais compraria um CD físico novamente” em um post bem longo e de cunho totalmente pessoal, no qual ele também exaltou as virtudes de serviços de streaming, comoo Spotify. Ele agora postou outro manifesto, e nele responde às reações ao post original. Flynn também fala do GOJIRA [ele os ama], o show da NAMM [ele odeia], seus recentes shows acústicos [ele se divertiu muito]. O que segue abaixo é a tradução do trecho relacionado aos CDs:

[...] “Bem, vocês se pronunciaram, e na verdade continuam a falar enquanto eu ainda recebo emails derramando em minha caixa postal. Uma resposta bem passional sobre esse assunto, como ela merece ser. Aparentemente, meus comentários causaram bastante celeuma.

Apenas discorrendo sobre minhas ideias um pouco mais:

Vejam bem, eu estou em uma banda, eu vivi em um ônibus/ van/ avião por bem mais de 25 anos de minha vida agora. Minha vida está em uma mala, que reside em um ônibus de turnê com 10 pessoas [imagine uma kitchenette sobre rodas, com 9 colegas de quarto] por 10 meses por ano. A minha vida precisa ser eficiente, ela precisa ser compacta, ela precisa ser portátil. Claro, eu costumava carregar um enorme porta-CDs pra todo canto, com CDs encharcados de cerveja, riscados, e era um saco, então sim, o mundo do Spotify/iTunes é perfeito pra mim.

Mas, eu também reconheço que essa não é a vida da maioria das pessoas.

A maioria das pessoas não precisa da portabilidade que eu preciso. Muita gente disse que ama o iTunes e streaming. Muita gente disse que gostariam de um CD, e claro, por enquanto, vamos continuar a vender CDs. Isso nunca foi cogitado, enquanto houver lojas para estocar CDs, continuaremos a vender CDs. E com o Bandcamp.com e o HDFiles.com oferecendo qualidade de CD e arquivos melhores, isso é um lance legal que o futuro está trazendo para os arquivos. Mas também, como a maioria de vocês sabe, lojas para se comprar um CD estão ficando mais e mais difíceis de achar. A HMV [a última rede de lojas de CD sediada no Reino Unido] acaba de fechar, a FNAC e a Virgin Francesa acabaram de fechar. Aqui nos EUA a BEST BUY reduziu o espaço destinado a CDs de 24 prateleiras para 4!

Eu tenho um ritual que pratico a cada lançamento desde ‘Burn My Eyes’ em 1994, quando no primeiro dia,eu vou e compro nosso disco. Chame de sortilégio ou o que seja, eu amo meus rituais. Mas acreditem, eu fiquei chocado, CHOCADO quando entrei na Amoeba Records em Hollywood [eu estava em Los Angeles para o programa de Jason Ellis no dia do lançamento] e vi nosso álbum não em promoção, mas pelo preço normal e US$ 16.88. Eu gastei 40 dólares comprando as 2 edições. Isso estava errado, é pra ficar em promoção na primeira semana/primeiro mês. Você recompensa os fãs mais ferrenhos, recompensa os loucos por irem lá e te apoiarem no primeiro dia/primeira semana. É um obrigado. Ficamos putos e os fãs não acharam graça. Merda assim tem que mudar, tem que mudar, e nós, como banda [com sua ajuda] temos que bolar um modo de fugir disso.” [...]

É de se discutir que muita gente de fato precisa da mesma portabilidade de música que Robb necessita, ou pelo menos esperar tal demanda. Provavelmente, qualquer pessoa com menos de 20 anos que virou gente numa época onde o download é a norma não vê valor algum em ter um disco físico com música nele. Isso não é nem bom ou ruim. É apenas um fato. Portabilidade extrema contra ‘materabilidade’/encartes e toda a nova geração [assim como alguns ‘tiozões como Robb] irão escolher a portabilidade sempre. Essa tendência irá tornar-se ainda mais pronunciada a medida que qualquer pessoa que ainda compra CDs envelheça e compre menos música enquanto uma nova geração vem substituí-la.

Matéria na íntegra - em inglês:
http://playadelnacho.wordpress.com/2013/02/03/robb-flynn-exp...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 04 de fevereiro de 2013

721 acessosRobb Flynn: tocando Linkin Park, Temple Of The Dog e mais527 acessosMachine Head: trabalhando em novas músicas0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Machine Head"

Machine HeadMachine Head
Ouça covers de Sepultura, Pantera, Iron & Metallica

LoudwireLoudwire
Ouça as melhores músicas de metal de 2012

Machine HeadMachine Head
A tarefa inglória de abrir pro Slayer

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Machine Head"

Capas de álbunsCapas de álbuns
A história das artes de alguns dos maiores clássicos

Simplicidade é para os falsosSimplicidade é para os falsos
O nome de banda mais complicado do mundo

GhostGhost
Nergal revela a identidade de Papa Emeritus II?

5000 acessosPensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: Friedrich Nietzsche5000 acessosEm 19/02/1980: Bon Scott, vocalista do AC/DC, morre aos 33 anos de idade5000 acessosSpike: os sete piores solos de guitarra5000 acessosKiss: Peter Criss toca guitarra no Carnaval de São Paulo?5000 acessosBlack Sabbath: 12 bandas influenciadas pelos mestres nos detalhes1551 acessosCosméticos: o segredo da pele viçosa de Mick Jagger

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online