Paulo Schroeber: entrevista ao blog Imprensa do Rock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Victor Francisco dos Santos, Fonte: Imprensa do Rock
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 21/07/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Em entrevista ao blog Imprensa do Rock pela coluna "PAPO DE GUITARRISTA COM CAUÊ LEITÃO (Guitarrista do Andragonia)". Paulo Schroeber que foi guitarrista do ALMAH, falou um pouco sobre sua história de vida, o incentivo da família ao escolher a música, técnicas de guitarras e o seu atual estado de saúde.

5000 acessosFalaschi: veja setlist do primeiro show da tour Rebirth Of Shadows5000 acessosNirvana: "Teoria é um desperdício de tempo", dizia Kurt

Confira um trecho e link logo ao final.

Cauê Leitão - Qual é a sua formação como guitarrista? Você teve professores? Fez conservatório de música? Sua rotina de estudos pelo jeito era de 10 a 15 horas por dia, estou certo?

Paulo Schroeber - Minha formação é clássica, e fui direto contra toda minha família, que queria que eu fosse alguma outra coisa, mas a vocação foi minha maior força e no fim eles entenderam. Hoje em dia entendo o ponto de vista deles, pois como estou doente e sem INSS tive que dar aula passando mal pra caralho para pagar as contas, ainda por cima depois que fui descobrir que tomei um medicamento no hospital direto na veia que eu era alérgico, e cheguei psicologicamente e fisicamente totalmente alterado em casa.

Até hoje eles não entendem muito bem o tipo de música que eu faço, minha mãe até gosta um pouco de Almah, pelo fato de ser um pouco mais melódico. Tive três professores. O primeiro me ensinou o básico, ler partitura, os acordes, etc. Com o segundo eu comecei a estudar violão clássico junto com a guitarra, e aprendi muita coisa, inclusive a disciplina que envolve todo o processo de aprendizado. Lembro que tocava peças de Villa lobos, Sagreras, Bach, Sor, até hoje dou uma pegada no violão para matar a saudade pois gosto demais do som do instrumento. Infelizmente fui fraco e não consegui levar os dois instrumentos ao mesmo tempo, pois o clássico exige disciplina extrema, tem que tocar todo o dia, além de o velho problema das unhas, pois não consigo fazer os tappings na guitarra com as unhas compridas, então sempre fico nesse dilema de cortar as unhas ou não. E o terceiro foi o mestre Julio Herrlein, para mim é um gênio da guitarra, foi aonde comecei a aprender a pensar de outras formas e mudar meu fraseado.

Lembro que saia da aula sempre arrasado, pois esse cara realmente é impressionante, foi uma honra ter tido aulas com uma pessoa tão simples e ao mesmo tempo tão sábia, parecia que o conhecimento dele nunca tinha fim. Acabei de comprar o livro dele, para quem gosta de uma encrenca é compra certa.

Quando comecei a estudar violão, estudava umas 12 a 15 horas por dia, pois eram dois instrumentos, lembro que quando ia almoçar deixava já a guitarra do meu lado para que quando acabasse de comer já saísse tocando.

Teve um feriado que eu passei três dias inteiros tocando sem dormir, e foi muito engraçado pois minha irmã pensou que eu estava ficando louco... Talvez estivesse mesmo... pois tinha que provar para meus pais que eu era capaz de vencer na música.

Cauê Leitão - Na visão de Paulo Schroeber, qual seria a solução para o Metal no Brasil?

Paulo Schroeber - Olha, sendo bem sincero, existem guitarristas no Brasil que tocam muito melhor que guitarristas internacionais. Meu próprio professor, que é no mínimo um gênio, tem poucos views em seus vídeos no YouTube, e é um exemplo.

É questão de valorização ao que temos aqui, mas não um lance forçado... Tipo, tenho que apoiar o Metal Nacional, vai se curte, compra a camiseta se gosta, na Europa é a mesma coisa, quando uma banda nacional diz que vai fazer uma turnê na Europa toca para 10, 50 pessoas no máximo, pois ninguém conhece a banda.

Porém se o dono do bar põe mais duas ou três bandas da região tocando junto, já leva mais gente e 100 pessoas tomando cerveja em uma terça feira já é lucro para o proprietário.

Digo isso pois conheço pessoas que foram para a Europa ano passado e disseram que estava muito fraco, sendo a terceira ou quarta vez que foram e me disseram que o cenário lá funciona assim para bandas menores.

Se investe muito dinheiro em gravação de CD's, gravação de vídeo clipes, mas infelizmente o retorno desse investimento é quase zero se for pensar em uma banda de pequeno médio porte, então o negócio é fazer porque gosta mesmo, ou para um guitarrista existe o retorno de algumas pessoas que se interessam em fazer aulas com o indivíduo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Edu FalaschiEdu Falaschi
Veja setlist do primeiro show da tour Rebirth Of Shadows

1098 acessosNerd Metal: Edu Falaschi, The Treta Tour...402 acessosAlmah: novo vídeo disponibilizado em streaming0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Almah"

Abrindo o jogoAbrindo o jogo
Entrevista com Edu Falaschi

MotivaçãoMotivação
10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estima

Edu FalaschiEdu Falaschi
Resposta a Jack Endino na íntegra

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Almah"0 acessosTodas as matérias sobre "Astafix"

NirvanaNirvana
"Teoria é um desperdício de tempo", dizia Kurt

Black Label SocietyBlack Label Society
O assassinato atribuido à "seita" de Zakk Wylde

Rede GloboRede Globo
Em 1985, explicando o que são os metaleiros

5000 acessosBruce Dickinson: vocalista elege seus 5 álbuns preferidos5000 acessosOzzy Osbourne: "o morcego era quente e crocante"5000 acessosO que os fãs de rock e suas vertentes pedem para beber em um bar?5000 acessosMegadeth: Mustaine diz que a habilidade de Kiko é "Astronômica"4642 acessosIron Maiden, História e Caos: o álbum Piece Of Mind5000 acessosLegiao Urbana: a história até Uma Outra Estação

Sobre Victor Francisco dos Santos

Sou de São Paulo, escuto Rock N´ Roll desde criança, posso dizer que sou bastante ou muito eclético dentro do Rock, ouço estilo desde Rock N´ Roll (Elvis Presley, Led Zeppelin, Ac/Dc. Eagles...), Heavy Metal (Iron Maiden, Ozzy Osbourne, Dio, Black Sabbath...), Power Metal (Helloween, Blind Guardian, Gamma Ray...) a Thrash Metal (Megadeth, Slayer...) e Progressivo (Rush, Pink Floyd...) Blogueiro a cerca de 4 anos colaborando pra diversos sites e blogs é uma paixão que cresceu a um tempo atrás ´ser blogueiro´ me interessou e não larguei nunca mais... Hoje ajudo o Whiplash e também estou como editor na Imprensa do Rock.

Mais matérias de Victor Francisco dos Santos no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online