Andreas Kisser: como foi escolher um novo vocalista para o Sepultura?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

David E. Gehlke do DeadRhetoric.com conduziu uma entrevista com o guitarrista do SEPULTURA, Andreas Kisser. Alguns trechos desta conversa estão disponíveis abaixo.

Rock: A história dos primórdios aos anos 90Separados no nascimento: Robert Plant e Patrícia Pillar

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

DeadRhetoric.com: O seu primeiro encontro com Derrick, o que você mais se lembra disso?

Kisser: "Foi ótimo. Ele foi dos Estados Unidos ao Brasil porque estávamos fazendo audições com diferentes pessoas no Brasil. Derrick chegou após mandar sua demo e cantou 'Choke'. Eu tenho 'Choke' com diferentes vocalistas, incluindo Marc Grewe, do MORGOTH, Phil Demmel do MACHINE HEAD e VIO-LENCE, Jason 'Gong Jones' do DROWNING POOL e Jorge Rosado do MERAUDER. Algum dia vou lançar todas estas diferentes versões Até Chuck Billy do TESTAMENT fez um teste. Foi interessante a forma que cantou 'Choke' e coisas assim. Seria legal divulgar isso um dia. Derrick estava lá para o futuro, porém. Não estávamos procurando por alguém similar a Max ou tentando substituí-lo com um clone. Visual diferente, atitude diferente, nós gostamos de Derrick e sentimos que poderíamos crescer com ele e seria algo fácil de ser feito, o que ele fez. Seus vocais são ótimos, ele é bem diverso, ele pode fazer coisas melódicas e agressivas, e muito raramente perde sua voz. Ele é muito profissional e ele toma conta de sua voz na turnê e coisas desse tipo. Ele é ótimo, é um cara que é muito inteligente, nós falamos sobre filmes, documentários, livros e nós fazemos as letras juntos. Ele inventa o título das músicas, conceitos e todo o resto. É um grande parceiro."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

DeadRhetoric.com: Quanto a personalidade de Derrick, vocês se conectaram bem rápido?

Kisser: "Eu acho que foi diferente para ele. Ele chegou ao Brasil, substituindo Max Cavalera, o que foi muito difícil no começo - ser negro em uma sociedade tão racista no mundo inteiro, não somente na América. É ótimo que ele possa enfrentar isso com coragem e profissionalismo. O SEPULTURA também, ter alguém como ele na banda, como dissemos e sempre vamos dizer, que nós estamos aqui para justiça e igualdade e respeito. Nós vivemos isso, não somente dizemos em nossas letras. Nós realmente somos quem somos. Ele era a melhor escolha para nós, é um cara que pode entender o estilo de vida do SEPULTURA, de fazer turnês em todos os lugares e poder sobreviver em um ônibus juntos sem tentar matar uns aos outros [risos]. Nós temos o mesmo tipo de conversa. Eu acho que Derrick é o cara perfeito para nós."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

DeadRhetoric.com: A grande caçada de vocalistas em 1997 e 1998, sua cabeça estava girando com tantos envios?

Kisser: "Sim, claro. Logo após a saída de Max da banda, em 1996, em janeiro e fevereiro de 1997, eu, Igor [Cavalera, bateria] e Paulo [Xisto Pinto Jr., baixo], nos juntamos e começamos a escrever novo material. Nós não queríamos tocar mais as coisas velhas. Nós não queríamos testar as pessoas com algo como 'Refuse/Resist'. Isso seria fácil demais, então queríamos ver o novo cara cantar algo que nunca ouviu antes; nós queríamos ver sua iniciativa e ideias e suas possibilidades com os vocais. Nós ficamos uns oito ou nove meses como um trio. Nós tivemos a ideia de permanecer como um trio, comigo como vocalista e eu até tive umas aulas de canto e tentei fazer umas demos, mas o meu vocal é uma merda [risos], eu fui o primeiro vocalista do SEPULTURA que recebeu um 'não.' [risos]"

DeadRhetoric: eu já ouvi você fazer backup vocals - você não tem uma voz ruim.

Kisser: "Eu posso usar bem a minha voz, eu posso gritar, mas ser um vocalista e abraçar isso é muito mais do que ter uma boa voz. Você tem que aceitar algo totalmente diferente. Eu sou um guitarrista. Eu não quero perder meu tempo de guitarra para abraçar algo que não sou. Eu não quero forçar essa situação. A época do trio foi ótima - nós não fizemos shows ou algo assim, mas ensaiamos e tentamos novas coisas, colocar nossa cabeça no lugar, sem tomar grandes decisões com a turbulência do momento. Nós resolvemos tudo com Max, assinamos todos os papeis, ele estava fora, ele não queria nada a ver com o SEPULTURA. Ele foi embora e nós começamos a procurar por um novo vocalista. Então Derrick chegou no começo de 1998, ele se mudou para o Brasil e começamos nossa jornada."

Versão Demo de "Common Bonds" com Andreas Kisser no vocal:




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Sepultura"Todas as matérias sobre "Andreas Kisser"


Master Of Puppets: membros de bandas comentam álbumMaster Of Puppets
Membros de bandas comentam álbum

Sepultura: Andreas explica as dificuldades para uma reuniãoSepultura
Andreas explica as dificuldades para uma reunião


Rock: A história dos primórdios aos anos 90Rock
A história dos primórdios aos anos 90

Separados no nascimento: Robert Plant e Patrícia PillarSeparados no nascimento
Robert Plant e Patrícia Pillar


Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

adGoo336