Soulfly: David Ellefson fala de seu período na banda de Max

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em uma passagem de sua autobiografia, "My Life With Deth - Discovering Meaning In A Life of Rock & Roll" - escrito à quatro mãos com a colaboração do autor JOEL MCIVER e prefácio cunhado por ALICE COOPER - o baixista do MEGADETH, DAVID ELLEFSON, fala de seu envolvimento com o SOULFLY, banda do ex-SEPULTURA, MAX CAVALERA, cerca de uma década atrás.

Músicas imortais: "Countdown To Extinction", um grito pela preservação do meio ambienteElvis Presley: De que ele morreu?

O que segue abaixo é uma tradução para o português do trecho.

[...]

Quando o F5 começou, no início de 2003, meu nome fora sugerido para o SOULFLY como um possível baixista. Eu fui vê-los no Marquee Theatre em Tempe [Arizona], e eles eram muito bons. O guitarrista do PRIMER 55, BOBBY BURNS estava tocando baixo e o guitarrista MARC RIZZO era incrível. Eu conversei com a empresária deles, Gloria Cavalera, e disse a ela que eu ficaria feliz em gravar e sair em turnê com eles se eles um dia precisassem de mim, e ela então decidiu que Bobby e eu ambos tocaríamos no álbum seguinte, 'Prophecy'. Foi uma sessão muito divertida, e muito criativa.


O vocalista do Soulfly, MAX CAVALERA, era um grande sujeito pra se tocar junto. O álbum era simplesmente a sessão de gravação de um disco de metal mais relaxada que eu já tinha feito parte. Max não me mandava tocar nada no baixo: ele tinha me contratado para fazer o que eu fazia, e então ele me deixou assumir as rédeas de tudo. Eu tinha liberdade total com as partes de baixo e eu fui bastante criativo com elas, o que era muito diferente do Megadeth, onde muitas vezes as partes de baixos eram escritas para mim como parte da composição ou da produção como um todo. Eram duas escolas completamente diferentes de pensamento.

MAX CAVALERA [SOULFLY]:

"David é um grande sujeito, e ele botou pra fuder nas músicas que ele gravou. Fizemos o clipe de 'Prophecy' com ele, e tocamos juntos em turnê por umas duas semanas. A plateia gostava muito dele, e por um pequeno período de tempo, havia essa sensação de estarmos em um super grupo. Ele é um baixista e tanto. Eu realmente curto tocar com ele. Você consegue notar quando está tocando com um profissional, e ele sempre foi um profissional - um músico de verdade."

Não era a época certa para me juntar ao Soulfly em tempo integral, apesar de eu ter gostado de fato de minha experiência com eles. Eu ainda estava no começo de meu emprego na Peavey, e aquele era um emprego fixo que eu podia fazer em casa. Se eu tivesse saído em turnê com o Soulfly por longos períodos de tempo, eu duvido muito que conseguisse mantê-lo. O trabalho com a Peavey me dava uma segurança e uma estabilidade para minha família, e também permitia que eu trabalhasse com o [projeto paralelo] F5. Desde que eu cumprisse minhas obrigações, eu poderia sair em turnê, apesar de eu nunca querer sair por mais de duas semanas, por razões éticas. Eu queria estar em casa e ser um bom exemplo para meus filhos. Eu podia ir aos eventos esportivos deles na escola e por aí - o que não teria sido possível caso eu ainda fosse membro integral de uma banda em turnê.

Eu fiz duas semanas de shows com o Soulfly, apesar de Bobby Burns ter sofrido um AVC não muito grave e Gloria ter me ligado e dito, 'Tem como você estar em São Diego na segunda-feira?' Ela arrumou Dan Liker para preencher minha vaga. O Soulfly comigo soava muito bem. Era muito pesado, e havia uma ligação musical e uma camaradagem muito fortes entre nós. Tocávamos muito bem juntos. Eu tinha experimentado afinações mais baixas com o F5, então eu estava acostumado com essa abordagem do Soulfly. Na verdade, a maioria das coisas que eu fiz fora do Megadeth fora em afinações diferentes. Eu estava gravando o álbum 'Prophecy' com o Soulfly quando, de repente, Dave me telefonou e disse, 'Hey, estou pronto para tocar de novo'. Não era a primeira vez que conversávamos depois do rompimento: tínhamos conversado umas duas vezes, mas não fora nada amigável, porque quando eu recusei a oferta de Dave para administrar o catálogo do Megadeth, aquilo significou que Dave teria que controlar todos os danos colaterais por si próprio. Contudo, eu fiquei genuinamente animado em ter noticias dele.

[...]




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Soulfly"Todas as matérias sobre "Megadeth"Todas as matérias sobre "Sepultura"Todas as matérias sobre "David Ellefson"


Músicas imortais: Countdown To Extinction, um grito pela preservação do meio ambienteMúsicas imortais
"Countdown To Extinction", um grito pela preservação do meio ambiente

Megadeth: pequena cronologia da historia da banda disco por discoMegadeth
Pequena cronologia da historia da banda disco por disco

Grandes covers: cinco versões para Hangar 18, do MegadethGrandes covers
Cinco versões para "Hangar 18", do Megadeth

Grandes covers: cinco versões para "Holy Wars... The Punishment Due"

Megadeth: por que a banda vai abrir para o Five Finger Death PunchMegadeth
Por que a banda vai abrir para o Five Finger Death Punch

Grandes covers: cinco versões para a excelente "Tornado Of Souls"

Megadeth: David Ellefson fala sobre Risk, vinte anos depoisMegadeth
David Ellefson fala sobre Risk, vinte anos depois

Desencontro com Kiko Loureiro: as frustrações de um Guitar Hero (vídeo)Desencontro com Kiko Loureiro
As frustrações de um Guitar Hero (vídeo)

Megadeth: Mustaine está indo bem na batalha contra o câncer, afirma EllefsonMegadeth
Mustaine está indo bem na batalha contra o câncer, afirma Ellefson

Megadeth: cinco curiosidades sobre o clássico Rust In PeaceMegadeth
Cinco curiosidades sobre o clássico Rust In Peace

Megadeth: Mustaine talvez não esteja presente no Megacruise, afirma EllefsonMegadeth
Mustaine talvez não esteja presente no Megacruise, afirma Ellefson

Em 24/09/1990: Megadeth lançava Rust In Peace, o magnum opus da bandaEm 24/09/1990
Megadeth lançava Rust In Peace, o magnum opus da banda

Megadeth: Dave Mustaine está indo bem contra o câncer, diz EllefsonMegadeth
Dave Mustaine está "indo bem" contra o câncer, diz Ellefson

Em 23/09/1990: Megadeth lançava o single "Holy Wars... The Punishment Due"

Megadeth: um passeio de ida e volta pelo Hangar 18Megadeth
Um passeio de ida e volta pelo Hangar 18

Megadeth: Glen Drover conta como entrou e como saiu da bandaMegadeth
Glen Drover conta como entrou e como saiu da banda

Megadeth: 14 coisas que você não sabe sobre Rust in Peace....Megadeth
14 coisas que você não sabe sobre Rust in Peace....

Megadeth: o que Ellefson fez quando Mustaine encerrou a banda em 2002?Megadeth
O que Ellefson fez quando Mustaine encerrou a banda em 2002?


Elvis Presley: De que ele morreu?Elvis Presley
De que ele morreu?

Cults: 10 álbuns influentes que fracassaram nas vendasCults
10 álbuns influentes que fracassaram nas vendas

Voz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)Voz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)

Elvis Presley: De que ele morreu?Elvis Presley
De que ele morreu?

Cults: 10 álbuns influentes que fracassaram nas vendasCults
10 álbuns influentes que fracassaram nas vendas

Zakk Wylde: era complicado beber com o amigo Dimebag DarrellZakk Wylde
Era complicado beber com o amigo Dimebag Darrell

Machine Head: jamais comprarei um CD novamente, diz Robb FlynnMachine Head
"jamais comprarei um CD novamente", diz Robb Flynn


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336