Jack White: "Desejo para o Black Keys todo o sucesso do mundo"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jonathan Silva, Fonte: Jack White Site Oficial, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Depois de tantas acusações mútuas, enfim a calmaria. Poucos dias depois de sua entrevista na Rolling Stone, revisitando assuntos que foram desde Meg White aos já esperados "e-mails vazados" e "suposto plágio" do Black Keys, Jack White já não quer estabelecer nenhuma opinião polêmica ou fomentar discussões. Quer apenas apaziguar as coisas. Utilizando de seu website, Jack postulou nesse último sábado (31) um "pedido de desculpas e explicações" a respeito de declarações feitas por ele sobre alguns artistas como Black Keys e Adele na sua última entrevista dada a Rolling Stone. Segundo White, há muita negatividade em cima de suas afirmações na imprensa e isso traz uma atenção indesejável para o seu trabalho.

Black Sabbath: "The Wizard" está na trilha sonora da série "Peaky Blinders"Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Seguem aqui trechos da declaração escrita por Jack White:

"Devo fazer uma declaração para esclarecer um monte de negatividade em torno das coisas que digo e escrevo, apesar de que detesto trazer mais atenção para essas coisas. Há um monte de coisas que só as pessoas ao meu redor conhecem ou entendem, mas apesar de tudo isso eu quero dizer o seguinte: eu desejo para a banda Black Keys todo o sucesso que eles possam obter. Espero o melhor para sua gravadora Nonesuch, que tem uma história tão orgulhosa na música, e nos seus esforços para levar as músicas do Black Keys ao mundo. O Senhor sabe o que quero dizer quando falo o quanto é difícil chamar a atenção das pessoas com uma banda de dois integrantes, um deles com uma guitarra de plástico, de modo que eu desejo toda a atenção que os Black Keys possa obter nesse mundo, e espero que seu álbum permaneça no top 10 por muitos meses e que eles tenham muitos álbuns mais bem-sucedidos na sua carreira. Não desejo fracasso para o talento de Winehouse, Duffy, Lana del Rey, e Adele. Todos elas são artistas maravilhosas com vozes incríveis. Tenho seus discos e espero por mais sucesso para todas elas com o passar dos anos. Elas merecem tudo o que já conquistaram"

Na última entrevista de Jack à Rolling Stone, o guitarrista deu algumas declarações controversas sobre o caminho traçado pelo White Stripes na indústria musical e o caminho feito pelo Black Keys, além de comparações com Amy Winehouse e as demais cantoras de white soul, como Adele. Todos os assuntos esclarecidos por Jack White parecem ter sido expostos anteriormente de forma forçada, mas por ele mesmo. Segundo o músico, poderia haver uma tentativa da revista em expor uma atitude "mesquinha" dele caso não quisesse falar de assuntos importantes a serem discutidos. "Na tentativa de não dar a Rolling Stone um 'sem comentários', porque eu pensei que eles iriam usar isso para transmitir uma certa mesquinharia da minha parte, eu decidi tentar explicar uma pequena parte do que eles estavam me pedindo. Mas isso é o tipo de comentário que fazemos aos produtores, engenheiros e agentes que entendem completamente o que há por trás das cenas do que fazemos durante todo o dia. Eu deveria ter sido mais esperto para saber que seria inútil usar comparações, como as que fiz para os leitores que provavelmente não entenderam o cenário e as minhas palavras pareceram muito negativas".

Encerrando o seu pedido público de desculpas, Jack não poderia deixar de falar sobre Meg White, sua ex mulher e ex parceira no Stripes. Segundo o que foi dito anteriormente por White, Meg era uma pessoa de difícil convívio social, mesmo sendo uma boa baterista. Jack também afirmou que a falta de termos apropriados para explicar sua atual relação com a ex baterista fez com que ele dissesse coisas que fugissem da real importância dela para a música e do que eles construíram juntos. "Meg White, na qual falei na Rolling Stone sobre nossas conversas de trabalho, ou a falta delas, é, naturalmente, uma musicista. Eu pessoalmente a defendo por 15 anos. Ela é uma forte presença feminina no rock and roll, e não tive a intenção de desrespeitá-la também. Isso ficou fora de proporção e transformado em manchetes, e de alguma forma parecia que eu estava mexendo com ela. Eu nunca faria algo público contra alguém que eu amo tão ternamente".

Na tentativa de mostrar que não é nenhum esquisitão do rock chamando alguém pra briga (até por que já temos Patrick Carney fazendo esse honroso serviço), Jack White finaliza seu texto deixando uma mensagem conciliadora a todos os mencionados em suas declarações: "Então, Deus abençoe o Black Keys, Danger Mouse (NE: produtor do álbum "Turn Blue", do Black Keys), Adele, Meg White e qualquer outra pessoa que eu falei a respeito, e obrigado pela compreensão. Boa sorte a todos, e sinto muito se minhas declarações terem ferido alguém". Resta saber se tem alguma possibilidade de Jack se juntar ao Black Keys no Festival de Glastonbury em julho. Acreditamos nessa possibilidade.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Jack White"Todas as matérias sobre "White Stripes"Todas as matérias sobre "Black Keys"


Black Sabbath: "The Wizard" está na trilha sonora da série "Peaky Blinders"

Blend Guitar: os dez solos de guitarra mais fáceis da históriaBlend Guitar
Os dez solos de guitarra mais fáceis da história

Jack White: Sem laços de amizade com a eremita Meg WhiteJack White
Sem laços de amizade com a "eremita" Meg White


Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate

Monsters Of Rock 2015: conheça a loira que deu um show com o Steel PantherMonsters Of Rock 2015
Conheça a loira que "deu um show" com o Steel Panther


Sobre Jonathan Silva

Jonathan Silva, freak de nascença, é um aspirante medíocre a jornalista e interessado em literatura marginal e vídeo games violentos. Começou a ouvir na infância bandas do mainstream do rock nacional até o momento em que descobriu o Iron Maiden. Daí, começou uma miscelânea de estilos, que vai desde o jazz erudito até o mais barulhento das bandas de grindcore, passando por várias esquisitices sonoras. EM pleno séc. XXI, ainda é um comprador de CDs e DVDs, só que gasta com isso um valor bem menor do que gostaria.

Mais matérias de Jonathan Silva no Whiplash.Net.

adGoo336