Maestra: ex-integrantes do Eterna impedidos de utilizar o nome

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Garcia, Fonte: Road to Metal
Enviar correções  |  Ver Acessos

A base que gravou, produziu e co-escreveu o álbum "Spiritus Dei", mais recente trabalho da banda ETERNA, o qual acabou com um hiato de quase 10 anos sem um disco de inéditas, reforçada pela efetivação de mais alguns novos integrantes, quando preparava-se para iniciar a tour de divulgação do referido álbum, foi impedida de continuar a utilizar o nome, mesmo depois de ter sido confiada a eles o prosseguimento, algo justo, pois trouxeram novamente o nome da banda para a luz do dia.

Cinema: o melhor e o pior dos rockstars em filmesJim Carrey: batendo cabeça ao som de Cannibal Corpse

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O vocalista Neno Fernando e o tecladista José Cardillo, que participaram ativamente da produção e composição de "Spiritus Dei", e demais integrantes que seriam a nova line-up, foram pegos de surpresa com o fato de não poder mais utilizar o nome, mas, após a surpresa e indignação, e sem receberem maiores explicações, decidiram seguir em frente e virar a página, formando o MAESTRA.

Na página do Facebook do ETERNA, alguns dias atrás foi publicada nota, falando a respeito do fato, mas ainda não se sabe o futuro da banda, enquanto isso, o MAESTRA prepara seu álbum de estreia e divulgará o primeiro single dia 25/12.

Confira trechos da entrevista do MAESTRA para o site Road to Metal:

RtM: Como surgiu a ideia de formar a "Maestra" e como vocês chegaram aos nomes que consideravam ideais para o grupo? Diga-se de passagem, um time de músicos de alta qualidade

Neno Fernando: Tudo ocorreu naturalmente, algo que parece já estava preparado para nós, apenas aguardando o momento certo e o momento chegou.
Tudo ocorreu em uma noite fria do mês de Outubro na casa do Cardillo, quando minha esposa deu o nome, eu já havia pensando em algo parecido tipo "MAESTRIA" mas do nada ela disse: MAESTRA, na hora refletimos e sentimos um nome com força e poder, como estávamos procurando, um nome curto, forte e com maestria, que tivesse a ver com nossa profissão de professores também.
Sobre o Line up, a banda já estava praticamente formada antes mesmo de se tornar Maestra, pois seria a banda que iniciaria a Turnê oficial do álbum "Spiritus Dei", do Eterna, mas infelizmente, ou felizmente, fomos impedidos de continuar o trabalho, sem nenhuma explicação, simplesmente nos impediram de trabalhar. Agora o foco é 100% no MAESTRA.

RtM: A questão com o Eterna, pelo que entendi, tem alguém que detêm os direitos do nome e resolveu não abrir mão agora, impedindo da nova formação continuar? Problemas contratuais?

Neno Fernando: Quase isso. Na verdade a pessoa que criou o nome, passou-nos o direito de usar o nome, mas passando um mês, simplesmente do nada e sem explicação alguma, resolveu que não deveríamos seguir com nome.

RtM: E vocês chegaram a alguma conclusão?

Neno Fernando: Pelo que percebi ele irá voltar a formação antiga, a primeira formação da banda, isso já era de se esperar vindo de alguns ex-integrantes antigos, pois até fomos alertados que ao sair o disco "Spiritus Dei" os membros antigos poderiam começar a dar a cartada deles, pois enquanto a banda não lançava nada novo, estavam em silêncio, eles estavam quietos, foi só lançarmos o novo disco, pronto, aconteceram essas coisas.
Realmente não consigo entender, me senti usado mesmo, produzi o álbum no meu estúdio, fiz o disco inteiro praticamente sozinho. Mas, infelizmente acontece uma dessas, uma decepção sem tamanho, realmente foi algo que nos deixou muito decepcionados, éramos amigos, durante 5 anos fomos como irmãos, mas infelizmente eu e o Zé (José Cardillo) ficamos na mão de repente. Mas Deus nos deu o Maestra, na verdade, como falei antes, esse era o time do Eterna que sairia em tour, iríamos detonar, tocar muito e já estávamos com 8 músicas novas para o próximo álbum, deixa eles... Seguimos em frente.
Agradeço demais o carinho e apoio de todo público do Eterna nesses cinco anos, mas Eterna pra mim é página virada.

Seguindo em frente, conte pra gente também a respeito do conceito musical do Maestra, além do conceito lírico e das principais diferenças desta para outras bandas que vocês já participaram, como Eterna, por exemplo, que lançou recentemente o "Spiritus Dei".

Cardillo: O Spiritus Dei foi uma álbum voltado e focado exclusivamente para o público cristão (católico), por isso, houve certas restrições na parte de composição instrumental, assim como no idioma, que foi direcionado ao português.
Já no Maestra, o objetivo é colocar em prática ideias que não pudemos utilizar em outros trabalhos, e abordar um estilo que particularmente gostamos muito, que é o Heavy Metal mais voltado para o virtuosismo e músicas elaboradas, utilizando todos os recursos e técnicas que o estilo exige.

Neno Fernando: No Maestra tudo ocorre como eu sempre sonhei em uma banda, temos a liberdade de experimentar, testar, isso ou aquilo, sem medo algum, sem dever nada a ninguém que por algumas vezes bate de frente com suas opiniões e fundamentos.
No Maestra, nós compomos a banda inteira, todos dão idéias e sugestões, temos isso, maturidade, aprendemos muito com o tempo, a vida nos ensina sempre, por isso é importante cairmos para levantarmos mais fortes.

Para conferir a entrevista completa, acesse o link abaixo:
http://roadtometal.blogspot.com.br/2014/11/entrevista-maestr...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Eterna"Todas as matérias sobre "Maestra"


Edu Falaschi: os dez vocalistas brasileiros preferidos deleEdu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

Café com Ócio: 15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010Café com Ócio
15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010


Cinema: o melhor e o pior dos rockstars em filmesCinema
O melhor e o pior dos rockstars em filmes

Jim Carrey: batendo cabeça ao som de Cannibal CorpseJim Carrey
Batendo cabeça ao som de Cannibal Corpse


Sobre Carlos Garcia

Antes de tudo sou um colecionador, que começou a cair de cabeça no Metal e Classic Rock quando o Kiss esteve no Brasil em 1983, a partir daí não parei mais. Criei fanzines, como o Zine Barulho, além de colaborar com outros zines e depois web zines e sites, como os saudosos Metal Attack e All the Bangers. Atualmente sou um dos editores e redator do Road to Metal. O melhor de tudo são as amizades que fazemos, além do contato e até amizade com alguns de nossos heróis.

Mais matérias de Carlos Garcia no Whiplash.Net.

adGoo336