Guns n' Roses: McKagan e Clarke descartam plágio em "Sweet Child"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Haggen Kennedy
Enviar correções  |  Ver Acessos

Mais notícias sobre a tese de que Sweet Child O' Mine (1987) um dos maiores hits dos GUNS N' ROSES, teria sido plagiada de uma música (1981) da banda AUSTRALIAN CRAWL.

Tradução: O clássico The Wall, do Pink FloydAerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Duff McKagan e Gilby Clarke, ex-baixista e ex-guitarrista dos Guns, respectivamente, pronunciaram-se sobre os boatos de que a banda estadunidense teria plagiado Unpublished Critics, segunda faixa de "Sirocco", o segundo disco da banda AUSTRALIAN CRAWL. Por mais incrível que possa parecer, a semelhança - inicialmente apontada por Jimmy Gray, internauta que acompanhava o blog de música MAX, primeiro website a noticiar a possibilidade de plágio -, passou desapercebida pelo próprio vocalista do grupo australiano.

James Rayne, voz, piano e (juntamente com o baixista Paul Williams) compositor da música, já chegou a dizer que Sweet Child, não obstante seu monstruoso sucesso para o resto do planeta, não havia recebido muita atenção por parte do vocalista (veja abaixo).

Guns N' Roses: vocalista da banda plagiada nem tinha notadoGuns N' Roses
Vocalista da banda "plagiada" nem tinha notado

O supracitado blog MAX mostrou que o comentário do leitor Jimmy era válido ao fazer uma matéria completa sobre o caso, discorrendo sobre as semelhanças entre Unpublished Critics e Sweet Child O' Mine, lembrando que aquela viera há 6 (seis) longos anos antes desta: "[Unpublished Critics] contém a mesma progressão explosiva de acordes, semelhanças na levada contagiante de voz, na melodia dos versos e no vocal monossilábico alongado do refrão".

Durante uma participação no talk show "Opie Radio" no dia 14/05/15, o baixista Duff McKagan falou sobre a comparação entre as duas músicas: "Você tem que fazer o 'teste dos indícios' em todas as bandas por que já passei. Você sempre dá de cara com [a música de Tom Petty] Free Fallin'. 'Puta, velho, isso é Free Fallin''. Sempre é alguma música de Tom Petty, fala a verdade! Ele é o mestre [...]. Qualquer coisa [com apenas] três acordes [resultará em]: "ah, merda!". Ou é uma música dos [The Rolling] Stones ou de Tom Petty [...]. Mas no GUNS, naquela época, cara... A gente lutava para ser super original e diferente, para fazer algo que fosse só nosso. Não tem a mínima possibilidade, nós teríamos feito referência a outra coisa se tivesse rolado [...]. Assim, se existe alguma semelhança, é fruto do mais puro acaso".

Apenas um dia antes, em 13/05/15, Gilby Clarke, sem saber, compartilhou dos sentimentos de Duff, ao falar com o locutor Andy Preston da rádio 98.7, The Gater, em West Palm Beach, na Flórida (EUA). Disse o guitarrista: "Quer saber?! A verdade é que sei lá. Digo, obviamente, quando ouvi [as músicas] inteiras, isso é um caso em que você definitivamente vai dizer 'nossa!', mas eu não acho que exista alguma ligação. Sendo honesto mesmo, não há uma ligação. Todos os esforços [do GUNS] estavam voltados à originalidade, a serem os primeiros, a não levar desaforo pra casa, daí que não é do espírito [do GUNS] fazer algo desse tipo, na minha opinião [...]. Olha, só tem 12 notas aí - a gente não conseguiu criar notas novas nesses mais de 50 anos de rock n' roll. E algumas dessas notas vão terminar sendo tocadas da mesma maneira por bandas diferentes".

Recentemente, em entrevista concedida ao britânico Daily Mail, dia 11/05/15, James Rayne, vocalista do AUSTRALIAN CRAWL, chegou a dizer que não é de todo improvável que o pessoal do GUNS tenha ouvido a banda australiana antes de compor seu hit - mas pára por aí, evitando dizer que houve algum tipo de má fé.

"Não é inconcebível que existam semelhanças entre as duas músicas. Também não é inconcebível que alguém possa ter bebido vagamente de certas águas. Também não é inconcebível que, quando [o GUNS] foi lançado, eles falaram abertamente em entrevistas que gostavam de várias bandas australianas. E também não é inconcebível que eles possam não ter vindo a conhecer certas músicas australianas. Deus o livre que eu possa ter tido uma editora em funcionamento e que eles tenham investigado a possibilidade".

E logo adicionou: "Não sou eu quem vai encarar o poder de fogo dos advogados do GUNS N' ROSES".

Sweet Child O' Mine chegou a número um nas paradas de sucesso dos EUA, ajudando o disco "Appetite For Destruction" a alcançar vendas na casa dos milhões. Além de ser o maior sucesso do disco, a música já foi tocada por inúmeros famosos, de Sheryl Crow a Luna. Já o "Appetite..." atingiu a insana marca de 18 vezes platina, vendendo mais de 30 milhões de cópias no mundo e se estabelecendo como o disco de maior venda de toda a história da gravadora Geffen.

Veja mais:

Unpublished Critics:

Sweet Child O' Mine:

Blog Max:

http://www.maxtv.com.au/news/how-similar-is-sweet-child-o-mi...

Opie Radio:

http://www.siriusxm.com/opieradio

Daily Mail:

http://www.dailymail.co.uk/news/article-3076247/Did-Guns-N-R...


Guns N' Roses - O plágio de Sweet Child O' Mine

Guns N' Roses: Sweet Child O' Mine seria um plágio?Guns N' Roses
"Sweet Child O' Mine" seria um plágio?

Duff McKagan: Sweet Child O'Mine não é um plágioDuff McKagan
"Sweet Child O'Mine" não é um plágio

Todas as matérias sobre "Guns N' Roses - O plágio de Sweet Child O' Mine"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Guns N' Roses - O plágio de Sweet Child O' Mine"Todas as matérias sobre "Guns N' Roses"Todas as matérias sobre "Australian Crawl"


Tradução: O clássico The Wall, do Pink FloydTradução
O clássico The Wall, do Pink Floyd

Aerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhosAerosmith
Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhos


Sobre Haggen Kennedy

Nascido ao fim dos anos 70 e adolescido em meio ao universo metálico, Haggen Heydrich Kennedy já trabalhou e atuou numa vultosa gama de atividades, como o jornalismo, o desenho, a informática, o design e o ensino, além de outros quefazeres. Atualmente vive em Atenas, Grécia, onde estuda História, Arqueologia e Grego Antigo na Universidade de Atenas. A constante nesse turbilhão de ofícios, todavia, sempre constituiu-se de dois fatores: as línguas (ainda hoje trabalha com tradução e interpretação) e a música - esse último elemento, definitivo alimento espiritual.

Mais matérias de Haggen Kennedy no Whiplash.Net.

adGoo336