Sepultura: "Os EUA vitimizam a Max e nos vilificam", diz Andreas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O jornalista JIMMY CABS conduziu recentemente uma entrevista com o guitarrista ANDREAS KISSER do SEPULTURA. A conversa pode ser assistida mais abaixo.

Grandes covers: cinco versões para "Refuse/Resist", do SepulturaPink Floyd: as 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic Rock

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Perguntado sobre como explicaria o fato de que o Sepultura ainda não recebe o reconhecimento que merece do público dos EUA como o tem em outras partes do mundo, Kisser disse: "Desde que Max saiu da banda [em 1996], o Sepultura tem sido atacado, no sentido que foi apresentado à imprensa, e a Roadrunner, nossa gravadora à época, de fato ajudou a criar essa imagem - que Max era a vítima, e que o Sepultura de algum modo o botou para fora por que razões e tal. Mas nós apenas demitimos nossa empresária. E ele era casado com nossa empresária, então ele saiu da banda. Nós não o demitimos. E eles começaram a criar essa imagem de que éramos os caras maus, e os EUA meio que compraram essa - a maioria dos EUA, eu devo dizer. Eu não posso mesmo generalizar, porque temos grandes fãs aqui também que conseguem de fato sentir e ver a evolução dos temas dosa quais temos tratado e nossa experiência musical, não somente no Brasil, mas em rumos diferentes, não tentando copiar a nós mesmos, e realmente mantêm o espírito do Sepultura vivo, que está nos mantendo juntos.

"Mesmo com os Cavaleras na banda, nós nunca fizemos o mesmo disco; nós sempre tentamos fazer algo diferente. Mesmo 'Chaos A.D.', que é um dos discos mais especiais de nossa carreira, nós seguimos com 'Roots', que é totalmente diferente dele. Geralmente uma banda acha uma fórmula e tenta repeti-la, mas nós nunca fizemos isso. E Max tentava repeti-la, 'Roots' e tal, e falando com a imprensa, e isso e aquilo. E não somente na mídia, mas nos bastidores, no lance dos negócios, e fazendo campanhas contra nós. E, no fim das contas, não perdemos somente o vocalista - perdemos nosso empresariamento, perdemos a confiança da gravadora, perdemos a confiança de produtores de shows e agentes e tal. Mas eu acho que os EUA são um lugar difícil de se fazer turnês também, sabe, tocando metal, então éramos muito maiores na Europa e na América do Sul e lugares diferentes, sabe, e isso ajudou a criar uma distância do público e dos fãs dos EUA. "

Ele acrescentou: "Mas, sabe, é um desafio... os EUA eram um desafio, e sempre foram um desafio para o Sepultura. Nós nunca fizemos uma turnê como banda principal aqui do mesmo modo que fizemos na Europa, por exemplo - tocando em lugares abertos grandes. Abrimos pro Ozzy aqui, abrimos pro Pantera, abrimos pro Ministro, tocamos no Ozzfest, e grandes shows assim, mas nunca uma turnê do Sepultura. Então quando estávamos prontos para aquela turnê de 'Roots' - em 1997, estávamos prontos para vir para os EUA e de fato estabelecer o Sepultura como uma banda grande - mas Max saiu no pior momento. Então as consequências foram realmente duras para nós. Mas hoje em dia analisando, eu tenho que agradecer por tudo que aconteceu conosco. Porque somos uma banda muito melhor agora. Nós controlamos nossas vidas muito mais, nossos negócios. Estamos mais velhos, temos família, filhos... somos mais experientes para lidar com coisas diferentes, e nos divertimos. Eu acho que isso é o mais importante. E que pena para as pessoas que não seguem mais ao Sepultura. É problema delas, na verdade.

"Não estou aqui para convencer ou pregar para ninguém. Eu apenas me expresso através de guitarras e letras, etc. E temos conexões com diferentes culturas, públicos diferentes, países diferentes... 73 países que o Sepultura visitou nesses trinta anos. É uma marca incrível - uma marca incrível. É insano ver que, a despeito de política e religião, vamos a todo lugar e a música realmente abre as portas.

"É um privilégio ser parte do Sepultura, e apenas precisamos trabalhar mais nos EUA. "




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Sepultura"Todas as matérias sobre "Andreas Kisser"


Grandes covers: cinco versões para Refuse/Resist, do SepulturaGrandes covers
Cinco versões para "Refuse/Resist", do Sepultura

Sepultura: vídeo profissional de show completo em Paris

Derrick Green: João Gordo pergunta se ele conhece Max CavaleraDerrick Green
João Gordo pergunta se ele conhece Max Cavalera

Sepultura: por que a nova música Isolation não está disponível no BrasilSepultura
Por que a nova música "Isolation" não está disponível no Brasil

João Gordo: com saudades de Max, ele resgata outra foto com SepulturaJoão Gordo
Com saudades de Max, ele resgata outra foto com Sepultura

Max Cavalera: em vídeo, uma cabulosa história que você não conheceMax Cavalera
Em vídeo, uma cabulosa história que você não conhece

Thrash Metal: em vídeo, o top 5 das bandas mais rápidas do Brasil

João Gordo: com saudades do velho amigo Max CavaleraJoão Gordo
Com saudades do velho amigo Max Cavalera

Sepultura: nova música Isolation critica sistema carcerário americanoSepultura
Nova música "Isolation" critica sistema carcerário americano

Sepultura: álbum Quadra é dividido em 4 partes, como um vinil duploSepultura
álbum "Quadra" é dividido em 4 partes, como um vinil duplo

Andreas Kisser: Max e Igor hoje são pessoas totalmente diferentesAndreas Kisser
Max e Igor hoje são "pessoas totalmente diferentes"

Sepultura e Nirvana: Max conta sobre os encontros com Kurt CobainSepultura e Nirvana
Max conta sobre os encontros com Kurt Cobain


Pink Floyd: as 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic RockPink Floyd
As 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic Rock

Além do Maiden: A História da New Wave Of British Heavy MetalAlém do Maiden
A História da New Wave Of British Heavy Metal


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336