Slayer: Gary Holt ainda tenta deixar Jeff Hanneman orgulhoso

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: Bravewords, Tradução
Enviar Correções  

O guitarrista do SLAYER, Gary Holt, falou com o IndyWeek.com sobre substituir o falecido Jeff Hanneman, lidar com os haters na plateia, e a diferença entre trabalhar com o SLAYER e com o EXODUS. Um trecho está disponível abaixo:

Você estava no SLAYER antes do falecimento de Jeff. O quão estranho foi isso?

Holt: "Sim, eu estava substituindo, mas ainda era sua banda. E ainda é sua banda agora. Eu ainda subo no palco tentando deixar Jeff orgulhoso. Ele sempre será uma parte do SLAYER. Ele faleceu, mas não significa que não é mais sua banda. Ele estará na banda para sempre."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando você toca músicas antigas do SLAYER, você está simplesmente tentando tocar as partes de Jeff ou reimaginá-las como sendo suas?

Holt: "Eu tento ser eu mesmo e a banda nunca me pediu nada a não ser eu mesmo. Em algumas das músicas mais antigas, Jeff tinha várias partes melódicas em seu solo e eu tento mantê-las lá. Eu não acho que estaria fazendo justiça a ele ou a mim mesmo se tentasse sair e tocar os solos de Jeff. Nós somos pessoas totalmente diferentes. O que eu tento fazer é imitar a energia - se ele estava tocando algo totalmente caótico e rápido, eu serei caótico e rápido. Não vou ser um substituto completo, eu vou colocar algo nos lugares onde ele fazia algo completamente aleatório."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


New York Times: os 100 melhores covers de todos os temposNew York Times
Os 100 melhores covers de todos os tempos

Freedom of Expression: o tema do Globo RepórterFreedom of Expression
O tema do Globo Repórter


Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

Goo336 Cli336 WhiFin