Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemLady Gaga: "o Iron Maiden mudou a minha vida!"

imagemSummer Breeze Open Air Brasil acontece em abril de 2023 em São Paulo

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemPink Floyd: Suas 10 músicas mais subvalorizadas, segundo a What Culture

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemDavid Bowie recusou (mais de um) convite para produzir o Red Hot Chili Peppers

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil


Stamp

Foo Fighters: Dave Grohl e companhia tomam de assalto a Classic Rock 284

Por Vagner Mastropaulo
Em 25/02/21

Estampar capas não é novidade para o Foo Fighters, mas seria a edição de fevereiro/21 um especial? Sim e não, pois não se trata de uma retrospectiva da carreira inteira (como a Mojo, aliás, costuma fazer em revistas isoladas), mas é inegável que rolou um tributo à banda. Em que sentido? Expliquemos: a reportagem principal é deles, com doze páginas, da 10 à 21, centrada em depoimentos de seu líder e incluindo pequenas entrevistas com seus cinco colegas: Chris Shiflett e Pat Smear (guitarras), Nate Mendel (baixo), Rami Jaffee (teclados) e o carismático Taylor Hawkins (bateria). Mas não é só isso:

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- o ex-Nirvana assina o editorial, que começa assim: "Jamais me esquecerei da primeira vez que ouvi Foo Fighters na minha estação de rádio ‘classic rock’ favorita. Foi ‘Learn To Fly’ e enquanto as notas de abertura surgiam pelos alto-falantes distorcidos do meu carro, eu olhava para o dial, em choque, e pensava: ‘Classic rock? Foo Fighters?’. Ensanduichada por Foghat e Doobie Brothers, pensei que devia ser alguma pegadinha maldita de um DJ trapaceiro em seu último dia de trabalho, fazendo seu melhor para impor vingança contra seu confiante superior abusivo. ‘Obviamente algo único’, pensei".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não foi! Abaixo, as demais seções com trechos do que disseram os músicos:

- por Dave Ling e voltada a conjuntos aspirantes, High Hopes (páginas 22/23) é avalizada por Dave Grohl: "Kills Birds é uma banda jovem de Los Angeles que toca um punk rock/pós-punk em ritmos muito duros, mas melódicos. Adoro a energia. A vocalista, Nina, tem uma presença no palco realmente de comando e está escrevendo a partir de um local pessoal e vulnerável".

- em The Stories Behind The Songs (páginas 30/31), através das palavras de Bill DeMain, o foco é em "Changes", de David Bowie, deste modo comentada por Rami Jaffee: "Há muitos David Bowies, mas o meu é o de Spiders From Mars e Hunky Dory [nota: o play com "Changes"]. Fui apresentado [a Bowie] no fim dos anos setenta, princípio dos anos oitenta, ao escutar ‘Changes’ e Ziggy Stardust. Era comercial, mas havia algo sinistro, funkeado, glam e até progressivo".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esta parte está disponível online, porém sem a leitura do tecladista, reservada à versão impressa, e curiosamente com um vídeo de um cover do Seu Jorge para "Changes"!

- nas declarações dadas a Polly Glass por Jaren Johnston, frontman do The Cadillac Three (páginas 32-34), a escolha é de Chris Shiflett: "The Cadillac Three é uma grande banda de Nashville que toca southern rock ao estilo country. Eles são uma banda sem igual e você não vê muito disso por aí. Curto bandas que expandem gêneros diferentes. Jaren, o vocalista, é um amigo e escrevi algumas músicas com ele recentemente".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- em 6 Things You Need To Know About…, desenvolvida por Jo Kendall, Pat Smear discorre a respeito de X-Ray Spex: "A voz dela [nota: da vocalista Poly Styrene] vai direto em seus ouvidos. X-Ray Spex era uma coisa própria – eles não eram como coisa alguma que os cercava. Eram interessantes, diferentes e ainda tinham aquela energia punk rock".

Segmento encontrado na página da revista, mas, infelizmente, sem a visão de Pat Smear.

- na matéria de oito páginas (38 à 45) de Mick Wall, Chris Shiflett volta a colaborar: "O Rainbow da era Ronnie James Dio talvez seja minha banda favorita de hard rock em todos os tempos. Adorava o quanto eles cresciam. (...) O álbum do Rainbow a que recorro é Long Live Rock ‘N’ Roll! Fala sério, tem ‘Kill The King’ nele e eu não poderia viver sem ela".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- o perfil seguinte, redigido por Max Bell nas páginas 46/47, fica por conta de Nate Mendel: "O Parquet Courts faz meio que esse lance new wave sujo e atualizado – essas músicas simples e pegajosas que são, acima de tudo, influenciadas por The Velvet Underground. Gosto de bandas que soam como às que eu curtia quando eu era jovem".

- nas seis páginas de King Crimson (48 à 53) elaboradas por Sid Smith, Taylor Hawkins finalmente dá o ar da graça: "Acho que eles foram a primeira banda de rock progressivo de fato. Yes, Genesis, até o David Bowie – todos eles estavam escutando King Crimson. O grande e falecido Neil Peart me disse que o baterista original deles, Michael Giles, foi muito influente em criar o que é a bateria prog".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E para quem curte as postagens deste escriba no Whiplash.net, não sabíamos que uma segunda fonte de "Classic Rock: Os 12 maiores bateristas de prog em todos os tempos", de 17/02 e disponibilizado digitalmente no site da Classic Rock, havia sido extraída deste texto com o King Crimson.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- para o artigo de oito páginas (54 à 61) de Kris Needs dedicado a Siouxsie And The Banshees, o baterista regressa: "Eles foram uma influência para tantas pessoas. Descobri Juju quando tinha vinte e poucos anos e ficava: ‘Meu Deus!’. É obviamente o que todos no The Cure e no Joy Division estavam ouvindo lá atrás". Pat Smear complementa: "Para mim é o primeiro álbum deles [nota: The Scream]. Ele é tão estranho e ótimo. E ela é tão cativante. E a guitarra é boa pra caralho nele!".

- próxima parada, páginas 62 a 65 com The Gospel According To... Bob Mould, conduzida por Emma Johnston com retorno de Dave Grohl na análise do ex-Hüsker Du: "Bob Mould deveria ser alçado aos postos mais altos como um dos maiores letristas e compositores dos Estados Unidos. Dá para argumentar que ele é tão influente quanto Tom Petty – ele é um compositor norte-americano clássico, apenas escrevendo de um lugar diferente do que a maioria".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- Nate Mendel dá seu parecer ‘sincerão’ acerca de Walker Brothers entre as páginas 66 e 69, sob autoria de Rob Hughes: "Sou o oposto do Taylor Hawkins – não tenho um conhecimento profundo de rock ‘n’ roll. Não me deparei com isso ainda criança, não sei nada a respeito. Então, por anos, Scott Walker era somente um nome que eu conhecia. Mas, um dia, estava procurando por algo para escutar e pensei em dar uma conferida. (...) Foi de explodir a cabeça!".

Relaxe, Nate, este que vos escreve e uma significativa parcela dos leitores também não sabe nada dos artistas mencionados e sempre estamos em tempo de aprender!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- entre as páginas 70 e 72 e sob incumbência de Henry Yates, o frontman do Foo Fighters é quem fala sobre Happy Chichester (outro anônimo para o grande público) e um de seus ex-grupos: "Lá por 1990, eu trabalhava na Tower Records em Washington D.C., pode ser que tenha sido antes disso. Em 1987, eu estava namorando uma garota que tinha um álbum do Royal Crescent Mob, que era de Ohio, e o disco era meio engraçado com um funk rock up-tempo. Bem leve e divertido. Ela realmente estava na vibe da banda e escutávamos ‘Omerta’ o tempo todo".

- caminhando para o final, Michael Molenda é responsável pelas seis páginas de The Police (74 à 79), com mais do baterista: "Eles foram como o Led Zeppelin dos anos oitenta. Eles viraram tudo de cabeça para baixo deixando as batidas de ponta-cabeça, pondo reggae e rock juntos. Li um livro escrito pelo irmão do John Bonham e ele dizia que Stewart Copeland foi o primeiro baterista a surgir e assustar John. Não fisicamente, mas ele foi o primeiro cara a fazê-lo dizer: ‘Oh, porra, há um novo garoto no pedaço".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

- como saideira e por Dom Lawson, The Hard Stuff – Buyer’s Guide nas páginas 96/97 ranqueia os full lengths do Cardiacs, com Dave Grohl a pontuar: "Não acho que você possa explicar o Cardiacs. Ouça, sou novo neste fenômeno. Acabei de descobri-los um mês atrás. Percorrendo os vídeos no YouTube, simplesmente cliquei neles sem um motivo e me tornei completamente obcecado. Se você cresceu adorando uma banda como Oingo Boingo... o Cardiacs é insano pra caralho!"

Ok, chega de Foo Fighters! Mas foi desta forma, em iniciativa inédita (até que se prove o contrário), que a Classic Rock 284 (fevereiro/21), deu um jeito de homenagear o sexteto, na esteira de Medicine At Midnight, lançado em 05/02, e dos vinte e cinco anos na estrada. Clique aqui caso queira dar uma checada num teaser da publicação inglesa. Encerrando, cá entre nós: até rimos daqueles memes em que alguns não sacam se tratar da mesma pessoa ao olharem a semelhança física entre o ex-baterista do Nirvana e o vocalista/guitarrista do Foo Fighters e, na boa, sabemos que também já é meme, mas Dave Grohl não está ficando a cara do Benito di Paula dia após dia?

Fonte: Revista Classic Rock 284 (fevereiro/21)
https://www.loudersound.com/news/dave-grohl-edits-the-new-issue-of-classic-rock-and-its-out-now

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Regis Tadeu fala sobre os últimos dias do baterista Taylor Hawkins (vídeo)


Dave Grohl: 10 razões pelas quais ele é um ícone maior que Kurt Cobain


Câncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson


Sobre Vagner Mastropaulo

Bacharel em Letras Inglês/Português formado pela USP em 2003; pós-graduado em Jornalismo pela Cásper Líbero em 2013; professor de inglês desde 1997; eventualmente atua como tradutor, embora não seja seu forte. Fã de música desde 1989 e contando... começou a colaborar com o site como as melhores coisas que acontecem na vida: sem planejamento algum! :)

Mais matérias de Vagner Mastropaulo.