Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemEvanescence anuncia a saída da guitarrista Jen Majura

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemDo Ozzy ao Slayer: veja os momentos mais metal do desenho South Park

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemVinte excelentes músicas do Iron Maiden escritas pelo "chefe" Steve Harris

imagemSe vira nos 30: Andre Matos tomou cano de produtor e fez milagre pra agradar fãs

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen


Massacration: quando Kiko Loureiro criticou a banda - e supostamente arregou para eles

Por Igor Miranda
Fonte: Inteligência Ltda
Em 09/03/21

Embora tenha surgido como uma paródia no programa "Hermes e Renato", o Massacration se tornou um projeto sério, transformando-se, de fato, em uma banda. Eles já lançaram dois álbuns de estúdio e um ao vivo, além de singles recentes, e fizeram diversos shows pelo Brasil afora.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nem sempre, porém, o Massacration foi visto como uma banda de verdade. Em entrevista ao podcast "Inteligência Ltda", os comediantes Marco Alves (que assume o personagem do guitarrista Metal Avenger) e Felipe Torres se relembraram das críticas que o grupo sofreu e citaram um episódio envolvendo o guitarrista Kiko Loureiro (Megadeth, ex-Angra).

Inicialmente, Marco Alves destacou: "Tem coisas que a gente odeia e quer zoar, mas tem coisas que a gente satiriza porque ama. O Massacration é um exemplo: a gente satiriza porque a gente gosta".

Felipe Torres, então, citou uma ocasião em que Kiko Loureiro debochou do Massacration. Em 2006, o guitarrista anunciou a vitória da banda no Prêmio Dynamite de Música Independente, na categoria "Melhor álbum de heavy metal", da seguinte forma: "É isso aí, tanta banda boa aí, mas quem ganhou foi o Massacration".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na época, houve quem pensasse que tudo aquilo seria só uma brincadeira combinada com o próprio Kiko, que parece fingir surpresa quando os músicos do Massacration chegam ao palco e os cumprimenta, supostamente "arregando" para os humoristas. Porém, as declarações de Torres dão a entender que a situação não foi armada.

"Acho que o Kiko nem pensa mais assim hoje em dia, quando ele teve aquela atitude da entrega do prêmio Dynamite. Logo quando lançou o Massacration, havia um discurso de uma galera do metal de que estávamos tirando espaço de bandas que se levavam a sério", comentou Felipe, inicialmente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ele completa: "Nem considero isso como um argumento. Ele mesmo não deve levar isso como argumento hoje em dia, porque ele é um cara inteligente. Não vai colocar para frente uma opinião dessas, pois o Marco é músico, o Fausto (Fanti) era músico, o Bruno (Sutter) é cantor, o Fernando (Lima) é um baita baterista".

Marco, o Metal Avenger, destacou que esse tipo de rejeição por parte de certas pessoas ocorria, justamente, devido ao sucesso do Massacration. "Isso acontecia porque éramos chamados para fechar os festivais de rock e metal", declarou.

Felipe, então, comentou: "O Kiko é uma referência, respeitamos muito. Ele não deve pensar do mesmo jeito porque, de certa forma, isso desmerece o Massacration e o humor como método de se fazer música. É uma forma de se interpretar um gênero que todos adoramos desde moleque. Não podemos homenagear o heavy metal com uma brincadeira?".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O famoso intérprete do personagem Boça pontuou que o Massacration "ficou sério e foi para o mundo real", o que, segundo ele, "não é proibido". "Foi o que aconteceu e até ganhamos prêmio. Nessa premiação, ele fez um comentário, saímos de trás do palco e o Massacration com todos vestidos dava uma intimidada. Ele tomou um susto na hora", afirmou.

Zoações

Como era de se esperar, rolaram algumas brincadeiras com Kiko Loureiro enquanto a situação era comentada. Em dado momento, Marco Alves disse que chegou a fazer algumas aulas gratuitas do curso online do guitarrista - e confessou ter feito uma pequena "trollagem" durante um chat destinado a pessoas que tinham interesse em se matricular.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Ele tem aulas online e tem uma espécie de teaser, onde você se inscreve e assiste a algumas aulas de graça, dando sequência depois caso você se matricule. São aulas ótimas, mas eu não resisti. Tinha um chat ao vivo onde ele mostrava os modos gregos, alguns licks de guitarra. Eu não aguentei e, com mais de mil pessoas no chat, mandei: 'tem uma música do Zeca Pagodinho com esse mesmo lick de guitarra'. Ele leu exatamente o meu comentário, todo sério: 'olha que interessante, fico feliz'. Depois ele ficou pensando, não sei se ele pensou que era zoeira", relembrou o Metal Avenger.

Após ter comentado a situação no Prêmio Dynamite de forma séria, Felipe Torres brincou: "Se você (Kiko) quiser, a gente até te deixa tocar em uma música do Massacration. Falamos com os caras do Massacration para você tocar em uma música do próximo álbum".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E Marco aproveitou a ocasião para fazer um pedido: "Quando o Megadeth vier, arruma um ingresso pra gente, cara".

O trecho da entrevista em que Felipe Torres e Marco Alves falam sobre Kiko Loureiro pode ser assistido, na íntegra, a seguir.

O bate-papo completo está disponível abaixo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Massacration: por que a morte de Fausto Fanti impressionou tanto Bruno Sutter

Detonator: veganismo, CrossFit, Limp Bizkit e satanismo



Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.