Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagem"Metal Tour Of The Year" chega ao fim e Megadeth agradece bandas participantes

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


Opinião: Parem de politizar o Iron Maiden

Por Rodrigo Clark
Em 17/01/22

Em 2015, foi publicado aqui no Whiplash um texto de opinião que defendia a tese de que o Iron Maiden seria uma banda de direita. O texto, na verdade, é uma reprodução de um artigo publicado originalmente no site conservador "Voltemos à direita", trazido ao Whiplash por um colunista colaborador. No artigo, o autor tenta sustentar sua tese usando como exemplos as músicas "Afraid to shoot strangers", "Aces high" e "Revelations".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Antes de adentrar no conteúdo em si, preciso ressaltar que não defenderei aqui qualquer posicionamento político, pois o único objetivo desta análise é verificar se a tese do suposto conservadorismo político do Iron Maiden se sustenta ou não.

Sobre "Afraid to shoot strangers", que trata de um tema corriqueiro em letras do Iron Maiden (guerra), o texto usa o tema como gancho para dizer que as duas grandes guerras mundiais do século XX ocorreram por motivação política. Até aí, nenhuma surpresa, pois as guerras quase sempre têm um motivo ou interesse político por trás. Só que o autor força uma lógica sem sentido ao afirmar que as duas grandes guerras se deram por uma "visão política que relativizou a moral e quis a todo custo romper com os valores e a tradição". Tudo errado. É notório que a Segunda Guerra Mundial ocorreu devido à expansão do nazismo sobre a Europa, quando Hitler decidiu invadir a França. A simpatia do povo alemão para com as ideias nazistas era justamente no sentido de manter os valores e a cultura alemã, quando o país passava por uma humilhação imposta com a derrota na Primeira Guerra Mundial (não pela derrota em si, mas pelo tratado e a não militarização impostos).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Aces high", o argumento se apoia no fato de a música, na versão ao vivo, conter um trecho de um discurso de Winston Churchill. Apenas isso. Desse discurso, dois argumentos surgem: a evocação de Deus e a contraposição à Alemanha. Segundo a lógica torpe, ser religioso, então, é ser de direita? Isso não tem o menor fundamento. Tantos religiosos de esquerda poderiam ser citados aqui, como o Leonardo Boff ou o Frei Betto, por exemplo. Da mesma forma que há inúmeros ateus com posicionamento político conservador. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Mas o mais absurdo mesmo é colocar o nazismo como um regime de esquerda. Nazismo é a mais legítima representação da ultradireita. Vale lembrar que a extinta URSS, maior representante do comunismo na História, lutou contra a Alemanha na Segunda Guerra Mundial.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por fim, em "Revelations", mais uma vez o autor aponta para a religiosidade como argumento. Bruce Dickinson se valeu de um poema de G. K. Cherterton na letra dessa música. Falar sobre História faz parte da temática do Iron Maiden, por isso a banda aborda com recorrência temas religiosos e bélicos. Achar que a escolha de tais temas se dá por inclinação política é um sofisma da ignorância ou de má fé, para dizer o mínimo. E dizer que o Iron Maiden é uma banda religiosa chega a ser risível! No início dos anos 80, era justamente o oposto que lhes era atribuído: a banda foi taxada de satanista quando do lançamento do álbum "The Number of the Beast" (1982).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em suma, o Iron Maiden é ou não é de direita? Não sabemos. Não há nada em sua obra que leve a essa conclusão. Nem o contrário. E não importa. O Iron Maiden é uma grande banda, que passa ao largo de discussões políticas. Seja de direita ou de esquerda. Então, parem de inventar teorias estapafúrdias e as ventilar para gerar infrutíferas discussões. Não precisamos disso. Parem de politizar o Iron Maiden!

Referência:

Iron Maiden no Brasil: Heavy Metal Antiesquerdista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Rodrigo Clark

Rodrigo Clark é músico inscrito na OMB-SP, formado em Letras e criador do canal “Só me resta o Rock’n’Roll” no YouTube.

Mais matérias de Rodrigo Clark.