RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemMoita: O fã de heavy metal no Brasil é muito melhor atendido que o fã de música pop

imagemOs 20 melhores álbuns lançados em 1993, segundo a Revolver Magazine

imagemZelador viraliza após incrível semelhança com voz de Steve Perry em "Don't Stop Believin'"

imagemTony Iommi conta quais são os riffs preferidos que ele escreveu

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemEloy Casagrande repete o feito sendo eleito melhor baterista de metal do mundo

imagemBrian May diz que adoraria trabalhar com ícone dos anos 2000; "Ela é a melhor"

imagemO último grande álbum clássico do rock, segundo André Barcinski

imagemEm disputa acirrada, fãs batem recorde e elegem melhores discos de metal de 2022

imagemO motivo nada musical que fez Bruce Dickinson querer se juntar aos hippies

imagemShane Hawkins, filho de Taylor Hawkins, ganha prêmio de melhor performance do ano

imagemAmbre Vourvahis, vocalista do Xandria, conta ao Whiplash os álbuns que marcaram sua vida

imagemLinkin Park inicia contagem regressiva misteriosa nas redes sociais e fãs especulam


Summer Breeze

A impensável ligação musical que existe entre Kelly Key e Almah

Por Gustavo Maiato
Postado em 25 de setembro de 2022

A cantora pop Kelly Key surgiu no ano de 2001 com hit como "Baba Baby" e "Cachorrinho", mas o que será que a artista tem a ver com a banda de metal Almah? Embora os dois universos sejam aparentemente distintos, existe sim um curioso ponto de conexão.

Foto: Facebook Oficial
Foto: Facebook Oficial

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A história foi contada pelo guitarrista Gustavo Di Pádua em entrevista ao jornalista musical Gustavo Maiato. O músico tocou tanto no Almah – no álbum "Unfold" – quanto com Kelly Key, e disse que utilizou a mesma guitarra "pau para toda obra" em ambas ocasiões.

"Tenho várias histórias com ela. Aliás, minha Fender branca é mega especial e comprei em 2001, em Volta Redonda, por causa dela. Cheguei até a ser o Ken no palco! [risos]. Eu fazia a voz do Ken da Barbie! Nessa época, tinha muitas guitarras, mas nenhuma delas, na minha opinião, teria a versatilidade que o pop precisava. Era outro timbre.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eu tinha muita guitarra associada aos virtuosos, como Ibanez. Tinha uma do Nuno Bettencourt também, linda! Daria para fazer a Kelly Key com essas, mas queria uma guitarra que tivesse uma presença mais comercial para esse universo que eu estava entrando, sabe? É a coisa da aparência mesmo, isso conta. Se você chegar com uma guitarra de sete cordas em um show de funk, vai ter um preconceito inicial. Com a Fender, não tem preconceito! Você pode chegar em qualquer lugar que está tudo certo.

Usei essa guitarra depois no Almah! Era uma guitarra ‘pau para toda obra’. Nunca fui fã de Strato, mas a Kelly Key me converteu. Toquei com ela no Glory Opera também. No Almah, usei mais a sete cordas, mas a última música do Rock in Rio, por exemplo, foi com essa. Tocamos Led Zeppelin com o Hibria", comentou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em outro ponto, Gustavo Di Pádua disse que as músicas "Cachorrinho" e "Anjo" ficaram marcadas para sempre.

"Tinha uma que eu adorava que era a ‘Anjo’! Lembro de muita coisa! Tinha uma hora, que eu botava uma pegada mais soul. Tocar isso era bem legal. A única vez que não curti tocar com a Kelly Key foi no Metropolitan, casa de show no Rio. Ela mudou de nome várias vezes. Eu estava com minha Fender lá e um uniforme de time de futebol! Era azul e branco, me engordava! [risos]. Era o figurino do show, cada um tinha um uniforme. Era uma camisa gigante!

Uma vez, no show do Almah, o Edu queria que eu usasse uma camisa com a logo da banda. Mas estava grande demais! [risos]. Camisa M não rola para mim, tem que ser P. Preciso me sentir bem, sabe?

Aquela música ‘Cachorrinho’ era puro wah-wah! Chegava a dar câimbra no pé! Para tocar com ela, precisava de um massagista! Fiquei com tanto trauma de wah-wah que nunca mais usei! Aliás, usei em uma faixa do meu álbum instrumental ‘The Stairs’. Não sou muito fã do efeito, de qualquer forma", concluiu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Helloween: Edu Falaschi em cover de "Eagle Fly Free"

Marcelo Barbosa: entre os guitarristas mais sensuais do mundo

Edu Falaschi: vídeo com a banda Mitrium em 1993


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Gustavo Maiato

Jornalista, fotógrafo de shows, youtuber e escritor. Ama todos os subgêneros do rock e do heavy metal na mesma medida que ama escrever sobre isso.
Mais matérias de Gustavo Maiato.