Nailbomb: Max Cavalera explica a capa de Point Blank

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: Roadrunner Records, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos


Criação de Alex Newport do FUDGE TUNNEL e Max Cavalera do SEPULTURA, esse único álbum de 1994 de sua união no NAILBOMB apresenta um peso denso e industrializado efervescendo com total agressividade punk.

Humor: Os impressionantes diários secretos de Roger WatersSpin: as 30 melhores faixas instrumentais de todos os tempos

Em 13 faixas, o reverenciado dueto - com créditos adicionais aos membros do SEPULTURA Andreas Kisser e Iggor Cavalera, bem como Dino Cazares do FEAR FACTORY e Ritchie Bujnowski do WICKED DEATH - conseguiu fazer uma obra-prima irada que se encontra entre aquilo que o SEPULTURA e o FUDGE TUNNEL faziam na época. Mas para a representação visual do "Point Blank", a foto de tempos de guerra de uma mulher Vietcong com uma arma apontada para sua cabeça prova o quão impressionante é a música devastadoramente pesada em sua manga.

Max Cavalera se apresentou para discutir como se depararam com essa imagem: "Eu me lembro que Alex e eu estávamos procurando uma capa política, algo que não fosse uma gravura ou um desenho, mas uma foto forte. E então nos fomos a essa empresa que tinha toda essa coletânea de fotos de guerra, todas essas fotografias de guerra, e essa era uma dessas fotos".

Continua Cavalera, "Quando nós a vimos, na hora ficamos tipo 'é essa, essa é a capa do álbum'. No material que veio com as fotografias, dizia-se que a mulher foi libertada, na verdade, nada aconteceu com ela, apesar de parecer que um cara está pronto pra estourar os miolos dela. Eu gosto do efeito de que é realmente uma capa forte, é como o Nailbomb - ela se ajusta à música. É uma imagem realmente poderosa. Eu acho que ali se define o álbum, uma boa capa quando mexe com as pessoas".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Maiores e MelhoresTodas as matérias sobre "Capas"Todas as matérias sobre "Nailbomb"Todas as matérias sobre "Max Cavalera"


Run For Cover: The Art Of Derek RiggsRun For Cover
The Art Of Derek Riggs

Rush: a curiosa capa do clássico Moving PicturesRush
A curiosa capa do clássico Moving Pictures

Gosto duvidoso: As piores capas da história do Rock e Heavy MetalGosto duvidoso
As piores capas da história do Rock e Heavy Metal


Humor: Os impressionantes diários secretos de Roger WatersHumor
Os impressionantes diários secretos de Roger Waters

Spin: as 30 melhores faixas instrumentais de todos os temposSpin
As 30 melhores faixas instrumentais de todos os tempos

Halloween: dez clássicos do Heavy Metal para curtir a dataHalloween
Dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data

Metal Sucks: os melhores álbuns de metal do século 21Metal Sucks
Os melhores álbuns de metal do século 21

Bon Jovi: Larissa Riquelme dançando com os seios de foraBon Jovi
Larissa Riquelme dançando com os seios de fora

Slipknot: Os conselhos de Corey Taylor a jovens em depressãoSlipknot
Os conselhos de Corey Taylor a jovens em depressão

Spike: os sete piores solos de guitarraSpike
Os sete piores solos de guitarra


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336