Abrindo o jogo: entrevista com Edu Falaschi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia, Fonte: Metal Samsara
Enviar correções  |  Ver Acessos

Falar em Edu Falaschi é lembrar de nomes como ALMAH (sua banda atual), SYMBOLS, e obviamente, ANGRA, bem como seus trabalhos como produtor musical bem respeitado no meio Metal nacional.

Iron Maiden: Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993Di'Anno: "Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Aproveitando que a banda tocará no RJ em 03 de agosto, e com a ajuda providencial da Blog'n'Roll Produções, tivemos a oportunidade de entrevistar Edu e saber um pouco mais de aspectos de sua carreira, bem como alguns temas mais polêmicos.

BD: Primeiramente, muito obrigado por nos atender, Edu. A primeira pergunta é bem simples: como surgiu seu interesse por música, e como foi seu começo em termos de Metal?

Edu Falaschi: Ola amigos! Valeu pela oportunidade, enfim, eu comecei muito jovem, tocando violão, bateria e guitarra, por causa do meu pai que amava música, mas minha primeira banda profissional, do qual cheguei a gravar um LP, foi o MITRIUM em 1990, mas em 1984 foi que eu comecei a ouvir metal.

BD: Uma curiosidade que chega a saltar os olhos é: você tem um irmão que também é músico e trabalha com produção musical, o Tito, que chegou a estar com você na época do SYMBOLS, e apesar de bem ativo, parece que pouco chegaram a trabalhar juntos depois de sua entrada no ANGRA, só umas participações aqui e ali, não é? E não chega a rolar uma ideia, uma nostalgia de vez em quando de um show "reunion" especial do SYMBOLS? E digamos de passagem, eu o invejo por ter um irmão no meio (risos).

EF: Claro, o SYMBOLS marcou muito minha história! E fizemos em 2012 um show de 15 anos da banda. Foi muito bacana e emocionante! A saudade sempre fica, mas seguimos caminhos distintos, quem sabe mais pra frente fazemos algo de novo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

BD: Falando do ALMAH, a banda foi fundada quando você ainda estava no ANGRA, então, como foi que surgiu a idéia de formar uma segunda banda, e qual seria a motivação para tanto?

EF: Fiz um disco solo em 2006, que se chamou ALMAH by Edu Falaschi, mas ai a coisa cresceu e eu transformei o projeto em banda em 2008 com o CD "Fragile Equality".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eu estava no ANGRA havia 6 anos e eu já estava muito cansado de algumas coisas então eu só quis relaxar fazendo música sem pressão.

BD: Centrando mais no ALMAH, "Almah" e "Fragile Equality" deram um "warm up" interessante ao trabalho do grupo, mas é com "Motion" que a banda realmente explode no Brasil, sendo reconhecida por público e crítica. Quais seriam os motivos para este reconhecimento somente após o terceiro CD? Só falta me dizer que acredita na tese que "o terceiro CD é sempre o que define uma banda", como muitos apregoam por aí... (risos)

EF: Olha, acho que as pessoas que "apregoam" estão certas, (risos). Mas na verdade foi no "Motion" que a banda teve seu destaque como identidade. O que fizemos no "Motion" é diferente da maioria das bandas e nos destacou num mar de mesmices, no Brasil e no Exterior, então acho que isso foi importante pra esse salto que você comentou.

BD: Em "Motion", é mais perceptível grande influência do Metal tradicional com aquela pegada mais pesada e moderna, fugindo um pouco do que você já havia feito antes. O que aconteceu após "Fragile Equality" que os levou a essa pegada mais agressiva? Aliás, em "Motion" é onde, particularmente, achei sua voz no melhor momento da carreira...

EF: Opa, valeu, então, acho que a inserção da guitarra de 7 cordas foi fundamental e a definição mais clara do nosso estilo de compor, que deu a identidade da banda, isso nos motivou a seguir nesse caminho, que já pintava no "Fragile Equality" com musicas tipo, "Torn" e "Fragile Equality".

BD: Ano passado, um pouco depois do Rock in Rio, "Unfold" chegou na lojas, mostrando um trabalho um pouco menos intenso e agressivo, mas ao mesmo tempo, parece quase uma fusão de tudo que a banda fez entre "Almah" e "Motion", mas com um enfoque bem mais empolgante e grandes refrões. Realmente, é esta a intenção por trás do CD, ou há uma explicação diferente na sua visão?

EF: O "Unfold" é mesmo um apanhado de tudo que fizemos no ALMAH, mas com o mesmo direcionamento moderno que já caracterizou nossa identidade. Mas mantivemos as 7 cordas, peso e melodias marcantes.

BD: Bem, "Unfold" já está quase com um ano de lançado, logo, como foi a recepção dos fãs ao disco?

EF: Esse foi nosso melhor momento! A banda cresceu muito desde então! Já, já, finalizaremos a "Unfold World Tour", onde passamos por Rock in Rio, Europa e Brasil, vamos fechar essa tour com cerca de 50 shows, o que é uma grande vitória da banda. Mas é só o inicio de uma banda nova e moderna, 2015 será ainda melhor e assim por diante.

BD: Edu, me perdoe por meter o dedo em algo já passado e meio chato, mas houve aquela época muito chata para ti que foi quando tudo e todos pegaram em seu pé por conta das suas declarações no programa Rock Express. Acredito no direito de resposta, logo, o espaço é seu para se expressar, e sem censura alguma.

EF: Já expressei tudo o que eu penso ou pensava (risos), expliquei e RE-expliquei, não vou desenhar! (risos). Recomendo pesquisarem sobre o Mito da Caverna. Talvez isso ajude (risos)!

Tá tudo certo! Segue o jogo que o ALMAH tá na área! E é só nisso que eu penso profissionalmente hoje em dia! No ALMAH, na minha carreira como um todo e em mais ninguém. O ALMAH é foda e "Vamos pra cima"!

BD: Esse ano, infelizmente, perdemos o Paulo Schroeber, que tocou guitarra no ALMAH no "Fragile Equality" e no "Motion". Qual foi a sensação que teve ao saber da notícia, já que teve proximidade com ele por anos? E podemos esperar alguma homenagem a ele nos próximos shows ou CD do ALMAH?

EF: Cara, foi destruidor, ficamos arrasados! Ele estava pra voltar pra banda! Mas o fim foi trágico! Mas a vida é assim, temos que lutar e ser fortes. Sempre lembraremos do Paulo com muito carinho e saudades. As homenagens serão eternas.

BD: Voltando a falar de música, vocês fizeram um ótimo show no Rock in Rio, e agora, a Blog'n'Roll está trazendo o ALMAH de volta ao Rio de Janeiro. Qual a sua expectativa para este show? Esperamos surpresas!

EF: Vamos botar pra "Piiiiiii"! (risos)! Amo o Rio e será muito especial voltar pra "casa" mais uma vez!

BD: A última: você tem trabalhado muito como produtor musical. Como consegue associar a carreira de música e produtor? Isso não chega a causar problemas de agenda para o ALMAH? E quais são seus trabalhos atuais? Alguma banda a nos indicar que está ou esteve sob sua tutela?

EF: Verdade, não é fácil! Mas ultimamente estou só com o ALMAH, que está me tomando muito tempo! logo apresentarei novas bandas que produzirei!

BD: Agradecemos demais por sua atenção, Edu, e o espaço é seu para sua mensagem final aos nossos leitores.

EF: Valeu galera!!! Vejo vocês no Rio e em Volta Redonda!!!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Edu Falaschi"Todas as matérias sobre "Almah"Todas as matérias sobre "Angra"


Angra: um assunto que sempre vem à tona entre os haters...Angra
Um assunto que sempre vem à tona entre os haters...

Kiko Loureiro: música brasileira é maior que a bandidagem no paísKiko Loureiro
Música brasileira é "maior que a bandidagem" no país


Iron Maiden: Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993Iron Maiden
Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993

Di'Anno: Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!Di'Anno
"Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280