Dynahead: entrevista de Caio Duarte ao blog Som Extremo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Christiano K.O.D.A., Fonte: Som Extremo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade


Se tem uma banda que pode ser chamada de original e desafiadora, certamente é a Dynahead, do Distrito Federal. Seu mais recente álbum, "Chordata I", é uma mistura quase absurda de ritmos e estilos, mostrando que o grupo definitivamente não tem medo de ousar. O blog Som Extremo entrevistou o simpático vocalista Caio Duarte, que inclusive acabou gravando a bateria do material. Ele dá mais detalhes sobre o disco, sobre sua visão a respeito de pessoas que se agarram a um estilo e a ele ficam "presos", sobre clipes, a segunda parte do CD e outras 'cositas mas'. Abrindo a mente em 3, 2, 1...

Power Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.comTotal Guitar: os melhores e piores covers da história

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Som Extremo: Primeiramente, falemos do material gráfico espetacular de "Chordata I". Assim como nos trabalhos anteriores, vocês fogem do convencional quando o assunto é capa de bandas pesadas. Por favor, fale um pouco sobre isso.

Caio Duarte: Antes de mais nada, muito obrigado pela entrevista! Gostamos de desafiar convenções. A música de hoje se concentra totalmente em cópia e repetição, que são conceitos totalmente mercadológicos... E isso também se aplica à capa. A arte de um disco é algo que pode adicionar ao som uma nova dimensão, e para esse disco, queríamos algo mais orgânico, único, que funcionasse tanto como 'cara' do disco quanto como bela arte. Descobrimos esse artista extraordinário, o Chris Panatier, que faz suas obras totalmente à mão, e o resultado ficou fantástico.

Som Extremo: Qual a maior qualidade do álbum, na sua opinião?

Caio Duarte: Creio que é a obra como um todo. Quisemos fazer algo que fosse rico em todos os aspectos, que fosse evocativo, experimental e agressivo ao mesmo tempo. Se conseguimos, não sei, mas as experiências que algumas pessoas relatam ao ouvir o disco nos deixam muito felizes e certos de que fizemos algo bem especial.

Som Extremo: Que faixa diria que seria o carro-chefe? Por que?

Caio Duarte: Não acho que o disco tenha um 'carro-chefe', até porque cada música representa uma faceta diferente, e poderia ser um single. Algumas pessoas preferem a faixa 1 (N.R.: "Abiogenesis"), outras, a faixa 4 ("Dawn Mirrored in Me"), e por aí vai... As vezes isso acontece de formas bem interessantes, como o fã de Metal extremo que gosta da faixa que é só voz e piano, ou a pessoa que nem gosta de Metal, mas que adora a mais brutal de todas. Não sei se o disco vai ter um 'hit', mas se dependesse de nós, queríamos que o disco tivesse nove (risos)!

Som Extremo: O som de vocês tem uma variação de estilos impressionante. Vão do brutal Death Metal, por exemplo, a algo acústico, de forma completamente inesperada. Como funciona essa ideia para vocês?

Caio Duarte: A variedade é uma dimensão importante na música. Curtimos usar climas diferentes em diversos momentos, como forma de contar uma história ou evocar imagens na cabeça do ouvinte. Muitos fãs de Heavy Metal se ligam ao tal "estilo" - que é uma expressão totalmente mercadológica, de prateleira -, mas para nós, música é música. Ela pode ser bonita, pode ser feia, pode ser luminosa ou sombria, e é bacana poder explorar toda essa gama.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Som Extremo: Ainda sobre isso, as composições saem naturalmente ou vocês fazem questão de manter essa "montanha russa"?

Caio Duarte: É bem natural, porque gostamos de música variada. Somos headbangers ecléticos e não temos medo de abraçar isso - na verdade, nossa música também é um ato de contestação a essa mentalidade comercialóide, de que a música tem que se encaixar em moldes pré-estabelecidos para vender melhor. A música precisa de ousadia para se manter viva... Se não fossem os experimentalistas, estaríamos tocando alaúdes.

Som Extremo: Em algum momento, tiveram receio de que fãs de diferentes estilos o achem eclético/alternativo demais e não aprovem o disco?

Caio Duarte: É uma expectativa natural... Não temos receio, pois sabemos que, embora grande parte do público tenha sido doutrinado pela mídia e pelas gravadoras a só consumir a mesma coisa, também existe muita gente que vai na contramão disso. É a essas pessoas, que gostam de desafios, de música provocativa, que dedicamos nossa música.

Som Extremo: Como estão os preparativos para "Chordata II"? Será na mesma linha do atual disco?

Caio Duarte: Ele já está totalmente gravado, só esperando para sair. É uma continuação natural do primeiro disco (eles foram compostos como um disco só), mas mostrará algumas facetas diferentes.

Som Extremo: E quais os planos para 2013? Mais clipes vindo por aí?

Caio Duarte: Como somos uma banda 'DIY' (N.R.: 'do it yourself' - faça você mesmo) e produzimos tudo por conta própria, inclusive os vídeos, é um bocado de trabalho. Mas estamos lançando lyric videos para todas as músicas, pouco a pouco, e eles por si só já ficaram bastante interessantes. Infelizmente ainda é difícil dizer se faremos algum clipe mais 'tradicional'...


Som Extremo: São quase dez anos de carreira. Quais os maiores desafios enfrentados nesse período?

Caio Duarte: Creio que seja o preconceito que pessoas do mundo todo, e especialmente dentro do Brasil, têm com o que vem daqui. E também entra a questão do "estilo" musical: ao longo desses dez anos, passaram várias e várias modinhas, sons que apareceram, venderam pra caramba e depois sumiram. Para capitalizar em cima dessas modinhas, alguns indivíduos foram sabotando a cena, e pouco a pouco acabaram com a coesão do público de Metal no mundo todo. Por causa desses indivíduos, o Brasil também perdeu totalmente a cultura de sustentar a própria cena. As bandas não podem contar com os gringos (que tendem a ter preconceito), e nem com o brasileiro (que tem mais preconceito ainda). Coisas assim fazem tudo ficar meio ingrato, mas também existem aqueles que se permitem ouvir e serem tocados pela nossa música. Aí, tudo vale a pena de novo...

Som Extremo: Agradeço a entrevista! Por favor, deixe uma última mensagem.

Caio Duarte: Eu que agradeço! Muito obrigado pelo interesse e pelo apoio. No nosso site oficial - www.dynahead.com.br - você encontra muitos vídeos, canais no Facebook, You Tube e Twitter, além da loja onde pode comprar ou baixar gratuitamente o nosso material. Não deixem de apoiar o patrimônio nacional, e nos vemos em breve!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Dynahead"


Metal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o SepulturaMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Thrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionávelThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável


Power Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.comPower Metal
10 álbuns essenciais segundo About.com

Total Guitar: os melhores e piores covers da históriaTotal Guitar
Os melhores e piores covers da história


Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline