Vargsheim: sonoridade que chama atenção pela tendência vintage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini, Fonte: Blog Arte Metal
ENVIAR CORREÇÕES  

publicidade

Misturar o Black Metal com outros gêneros não é novidade nenhuma, já que o estilo é o que mais (ou talvez seja) possui variação dentro do Metal extremo. Formado por Kaelt (vocal/guitarra), Harvst (vocal/baixo) e Naavl (bateria), os alemães do Vargsheim investem em uma sonoridade que chama atenção pela tendência vintage calcada no Classic Rock setentista, mas que não perde o status e a linha Black Metal característicos de sua música. Isso é ainda mais latente em seu novo álbum "Erleuchtung". Conversamos com Kaelt sobre estes aspectos, além de outros assuntos que apresentam a banda ao público brasileiro. Confira nas linhas abaixo.

Guns N' Roses: Perguntas e respostas e curiosidades diversasMegadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como foi o processo de composição de "Erleuchtung"? Vocês ficaram satisfeitos com o resultado final?

Kaelt: O processo de composição foi longo e durou vários anos, as mais antigas músicas do álbum têm cerca de 3 ou 4 anos. Então, já as tocamos há um bom tempo nos ensaios antes mesmo de gravá-las, o que fez com que realizássemos vários ajustes. Essa é a razão pela qual estamos satisfeitos com as canções e acho que criamos um álbum muito interessante.

Qual a principal diferença que você apontaria entre o novo álbum e "Weltfremd" (2010)? Houve mais pressão na hora de gravar "Erleuchtung"?

K: Nem um pouco. "Weltfremd" foi lançado pelo nosso último selo Düsterwald Productions que não existe mais. Quando gravamos "Erleuchtung" nós não tínhamos um selo por trás da banda, portanto não tínhamos pressão e nem um tempo certo para terminar o processo. Acho que a principal diferença é que as músicas são mais estruturadas e mantemos uma atmosfera. Em "Weltfremd" tivemos muitas influências, velocidades e estilos nas músicas, em "Erleuchtung" são mais arrumadas e as músicas são mais cativantes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A sonoridade da banda, apesar de focada no Black Metal, também transita pelo Classic Rock e até possui elementos progressivos. Mesmo assim não perde a característica Black Metal. A que você acha que deve este fato?

K: É porque nós escrevemos nossas músicas direto do coração e são ingurgitadas com o Rock 'n' Roll da nossa infância e o Black Metal da nossa juventude. A característica ainda é Black Metal, mas deixamos tudo do nosso fluxo de inspirações no Vargsheim.

Aliás, desde seu surgimento o Black Metal é um estilo que tem evoluído muito estruturalmente, e algumas bandas, como Enslaved e o próprio Vargsheim sempre estão inovando no estilo. O que diria sobre isso?

K: Eu concordo, Black Metal deve ser um estilo inovador e bandas como Enslaved sempre encurtou ainda mais as fronteiras. Eles são uma das minhas bandas favoritas e a inspiração desde os primórdios. Você pode encontrar alguns riffs na linda do Enslaved em nossas músicas. Mas nunca quisemos imitar uma banda. Influências e até ídolos são válidos se você não soar apenas como uma pobre cópia. É importante desenvolver um estilo próprio que pode crescer e não correr riscos.

Voltando a "Erleuchtung", temos guitarras características do Classic Rock dos anos 70, mas que se encaixaram perfeitamente ao som da banda. Isso soou naturalmente ou foi algo proposital?

K: Isso foi totalmente intencional e eu estou feliz que você tenha percebido isso. Minha intenção era que as guitarras tivessem um som carregado e não muito característico, no entanto, que deveria se encaixar com uma produção de Black Metal. Estou bastante satisfeito com o resultado, pelo menos, pertencentes às guitarras. Toda a mixagem poderia ser mais forte, mas ela se encaixa com as músicas e criamos um álbum coerente em minha opinião.

Além disso, velocidade não é a prioridade da banda nas composições. Vocês concordam que um som não precisa ser exatamente veloz para soar extremo?

K: Absolutamente! Hoje em dia muitas bandas de Black ou Death Metal só se usam de uma velocidade: rápida, porra! Mas é difícil manter o seu som interessante e como você pode conseguir uma intensificação se você tocar lá cima o tempo todo!? Eu acho que há muitos espaços para expressar a menor velocidade de nível que se é necessário, ainda temos a possibilidade de variar o 'midtempo' com a alta velocidade.

A faixa que dá nome ao trabalho é instrumental, mas é um dos grandes destaques do trabalho. Fale-nos um pouco sobre ela.

K: A música se chama "Erleuchtung", que significa "iluminação". O conceito do álbum é a busca humana pela iluminação e descontentamento com a fé. Todas as outras músicas cercam o tema principal, mas "Erleuchtung" é uma viagem para o eu mesmo, como o caminho para a própria sabedoria. Desde o início suave para o final épico a música tem um som atmosférico que leva para esta viagem.

Como tem sido a repercussão do trabalho até então? Como os fãs e a imprensa especializada o têm recebido?

K: As reações estão sendo muito positivas. Temos recebido boas opiniões da Metal.de, Legacy e Rockhard (N.E.: veículos especializados da Alemanha). Alguns gostaram mais do estilo de nossos registros passados, mas eu acho que nós desenvolvemos um som mais independente e especial. Demos um grande passo com este álbum e a maioria das pessoas aprecioaram isso.

E vocês têm divulgado o novo álbum em shows? Como está a agenda da banda?

K: Sim, nós fizemos um show em nossa cidade natal Würzburg para o lançamento do novo trabalho. Espero que venham muitos mais, e podermos apresentar a nossa música em mais palcos. Nós já tocamos nos festivais Wolfszeit, Metal Barther Open Air e fizemos shows com Shining, Forgotten Tomb e Verdunkeln.

Podem deixar uma mensagem.

K: Obrigado por seu interesse no Vargsheim. Vá procurar a iluminação!

Formação:
Kaelt (vocal/guitarra)
Harvst (vocal/baixo)
Naavl (bateria)

http://www.facebook.com/vargsheimofficial
http://www.myspace.com/vargsheim




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Vargsheim"


Guns N' Roses: Perguntas e respostas e curiosidades diversasGuns N' Roses
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesMegadeth
Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline