Matérias Mais Lidas

Snowy Shaw: ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no NightwishSnowy Shaw
Ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no Nightwish

Rodolfo Abrantes: O sonho da minha mãe era eu voltar aos RaimundosRodolfo Abrantes
"O sonho da minha mãe era eu voltar aos Raimundos"

Metallica: TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully GuitarsMetallica
TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully Guitars

Soul Station: projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança músicaSoul Station
Projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança música

Carlinhos Brown: ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razãoCarlinhos Brown
Ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razão

Kurt Cobain: ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistasKurt Cobain
Ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistas

Nirvana: Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.Nirvana
Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.

Saxon: banda divulga cover para a clássica Speed King, do Deep PurpleSaxon
Banda divulga cover para a clássica "Speed King", do Deep Purple

Yngwie Malmsteen: aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigosYngwie Malmsteen
Aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigos

Van Halen: Hagar garante que mais cedo ou mais tarde, show tributo a Eddie vai rolarVan Halen
Hagar garante que mais cedo ou mais tarde, show tributo a Eddie vai rolar

Jon Schaffer: Todd La Torre se diz chocado, mas não surpreso com atos do guitarristaJon Schaffer
Todd La Torre se diz chocado, mas não surpreso com atos do guitarrista

AC/DC: Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)AC/DC
Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)

New York Dolls: morre o guitarrista Sylvain Sylvain, aos 69 anosNew York Dolls
Morre o guitarrista Sylvain Sylvain, aos 69 anos

Sebastian Bach: ele volta a criticar Chris Jericho e diz que wrestling é uma m*rdaSebastian Bach
Ele volta a criticar Chris Jericho e diz que wrestling é uma m*rda

Temple Of The Dog: Toni homenageia o pai Chris Cornell com trecho de Hunger StrikeTemple Of The Dog
Toni homenageia o pai Chris Cornell com trecho de "Hunger Strike"


Matérias Recomendadas

Motorhead: Segundo Lemmy Kilmister, Rap não é músicaMotorhead
Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"

VH1: 100 melhores músicas de hard rock de todos os temposVH1
100 melhores músicas de hard rock de todos os tempos

Gosto Musical: artistas falam do que devia ser banido para sempreGosto Musical
Artistas falam do que devia ser banido para sempre

AC/DC: Brian revela segredo obscuro de Angus YoungAC/DC
Brian revela segredo obscuro de Angus Young

Slipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscarasSlipknot
Corey explica as nojentas desvantagens das máscaras

Stamp
Tunecore

Marcelo Bonfá: "nossa música ainda tem vida e sempre terá"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar Correções  

Não há como negar a importância da Legião Urbana no Rock nacional, e mesmo agora, quase vinte anos após o fim da banda, ainda tem gente descobrindo suas músicas, pessoas que nem sequer eram nascidas quando a banda desfrutava de seu auge. São poucos os artistas que conseguem esse feito, passar incólume pelo teste do tempo, e essa é uma das provas da importância e da qualidade musical inerente aos seus integrantes. E foi com o responsável pelo ritmo do grupo que tive a oportunidade de realizar esta entrevista. Marcelo Bonfá demonstra aqui muita simpatia para falar sobre toda sua carreira, o que anda fazendo, até mesmo fora do meio musical, e sobre a época da Legião Urbana.

Vicente - Inicialmente, qual o balanço que você faz de toda sua carreira? Afinal são mais de três décadas dedicadas à música...

Marcelo Bonfá - Pra dizer a verdade eu não me dediquei apenas à música neste tempo, que para mim é uma forma de expressão transcendental, tanto para quem faz como para quem ouve a música. Acho que as pessoas nascem com suas devidas tendências e alguma coisa como "sorte" faz com que ela possa desenvolver ou mesmo viver cercada das coisas que gosta ou mesmo viver delas e para elas. Acho que este seria o meu caso. Dentro deste universo eu poderia ter escolhido vários caminhos, e durante uma fase da vida quando tudo parece mágica, o punk rock me bateu forte, e tudo que eu ligava a este estilo musical. Basicamente a simplicidade como expressão, a honestidade, a energia, a dedicação a uma causa maior que a própria música, as relações humanas. Bem...(risos), eu acho um saldo bem positivo considerando "tudo".

Vicente - Você marcou definitivamente seu nome dentro do rock nacional. Mas existe ainda algum objetivo que não chegaste a alcançar. Quais seriam seus planos para 2013?

Marcelo Bonfá - Acho que rock envolve atitude, não apenas na música. Não acho que música deva ser apenas entretenimento. E no nosso caso ela ia muito além disso. Ou pelo menos tentávamos, acho que conseguimos. No entanto, acho que hoje em dia o mundo está meio esvaziado deste raciocínio. Como eu disse, sempre estive envolvido em áreas não tão ligadas a música diretamente. Li recentemente uma matéria num jornal europeu que dizia que a gastronomia é o novo rock n' roll...Estou prestes a lançar uma cachaça orgânica que venho trabalhando já há uns 7 anos na minha Fazenda Vista linda em Minas Gerais, eu sempre tive um pé na terra, e a cabeça nas nuvens (risos). E se a gastronomia é o novo rock, eu só poderia estar fazendo "cachaça", pois venho do punk rock.

Vicente - Seu último disco de inéditas lançado foi "Móbile" em 2007. Conte-nos um pouco como foi a gravação e as composições deste álbum?

Marcelo Bonfá - Ele faz parte de um momento conturbado da minha vida, apesar disto não estar muito claro para mim naquela época. Agora eu vejo e entendo melhor o que eu fiz ali. E até mesmo um pouco antes dele. No Videotrack pós "Barco alem do sol", ali pra mim já se esboçava este caminho que durou até agora. Sou outra pessoa agora e venho me transformando desde então. Não sei ainda exatamente qual caminho irei seguir na música, mas estou na estrada fazendo shows com o meu repertorio e da Legião.

Vicente - E o retorno dos fãs, foi o imaginado por você?

Marcelo Bonfá - Tenho tido uma grata troca com os fãs da minha música e da minha atitude, principalmente com estas novas ferramentas da internet. Pois sou bastante visual e uso muito o instagram, facebook, twitter.

Vicente - O disco foi lançado "virtualmente". Por que preferiu lançá-lo desta maneira?

Marcelo Bonfá - Para mim não dava mais pra fazer cds e distribuir. Tenho uma boa noção do que acontece no mercado e da forma que coloquei consigo atingir um público muito maior. O Mobile saiu inicialmente pela Vivo celulares e rendeu mais de 50.000 downloads.

Vicente - E você tem trabalhado em seu novo disco, certo? Poderia adiantar alguma coisa deste novo trabalho?

Marcelo Bonfá - Eu estava trabalhando em algumas músicas que a princípio seriam singles e, posteriormente, seriam um EP. Mas as músicas que fiz não me dizem mais muita coisa...Elas estão mais para um final de ciclo. Duas delas estão no site www.marcelobonfa.com.br para livre download. Em breve vou colocar mais duas que já estavam prontas. Quero fazer algo totalmente novo agora.

Vicente - Agora para falar um pouco do seu trabalho com a Legião Urbana, como você vê hoje em dia tudo que aconteceu com vocês, pois a banda acabou tornando-se icônica, sendo constantemente descoberta por novas gerações que nunca chegaram a assistir vocês tocando.

Marcelo Bonfá - É fruto de um trabalho intenso e pontual. Unindo corpo, mente e o espírito da Legião Urbana. Passei minha mensagem usando as mensagens da nossa música. Dediquei toda minha energia e minha intuição durante muito tempo da minha vida naquilo. Focando nas palavras do Renato, nas nossas melodias e no meu jeito de compreender aquilo. Meu trabalho está ali misturado a tudo e dá consistência e credibilidade a música com o soar dos tambores. Tem força e ainda tem vida e sempre terá.

Vicente - Qual seriam as suas composições favoritas da banda, e você teria vontade de mudar algo, talvez ter trabalhado diferente alguma música ou disco?

Marcelo Bonfá - Não mudaria nada e gosto de "quase" todas.

Vicente - Como foi o momento no qual Renato Russo contou ser soro positivo? Foi um baque para vocês? Você chegou a temer que a banda poderia encerrar suas atividades já naquele momento

Marcelo Bonfá - Foi há muito tempo atrás, e num momento que só nos restava trabalhar, e ajudar o Renato a trabalhar da melhor forma possível. Foi o que fizemos.

Vicente - Não há como negar que o grande auge do rock nacional foi a década de 80. Você sente saudades daquela época?

Marcelo Bonfá - Nao sinto saudade de nada daquela época, mas sem dúvida foi muito legal e realmente muito intenso.

Vicente - Qual a sua maior influência, aquele que o levou a querer ser um músico profissional?

Marcelo Bonfá - O punk Rock e tudo que rolava nos anos 80, dentro e fora do Brasil.

Vicente - Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem o seu trabalho e apostam na música nacional.

Marcelo Bonfá - Façam música!


Baladas de Sangue
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Chris Cornell: jornalista foi a último show e percebeu algo erradoChris Cornell
Jornalista foi a último show e percebeu algo errado

Mayhem: banda levou restos humanos para o palco em 2011Mayhem
Banda levou restos humanos para o palco em 2011


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.