Nervosa: "pretendendo inspirar garotas a tocarem"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Pimentel, Fonte: Hangover-Music
Enviar correções  |  Ver Acessos

Orgulhosamente apresentada como uma banda feminina de thrash metal, a Nervosa vira a luz do dia na cidade de São Paulo, em 2010, visando produzir um som agressivo, rápido e direto. Ou seja, as diretrizes comuns ao thrash metal.

Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeUltimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os tempos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar de, por ora, não possuir nenhum registro oficial, o atual trio - composto por Fernanda Lira (baixo, vocal), Prika Amaral (guitarra) e Fernanda Terra (bateria) - tem atraído a atenção do público, principalmente, após o lançamento do clipe realizado para a faixa "Masked Betrayer". Bastante acessado no YouTube, inclusive rendendo ótimas posições no site, a boa receptividade do vídeo foi um dos primeiros passos para futuras aberturas de shows, participação em festival - o "Roça N' Roll"-, entrevistas e um contrato com uma gravadora internacional (Napalm Records) atualmente.

Em meio a grande atividade e prestes a lançar a primeira demo - intitulada "2012"-, conversei com Fernanda Terra e Prika Amaral que me contaram futuras pretensões musicais do grupo e como elas tem encarado os resultados - positivos e negativos - dessa movimentada estreia da banda. Ah, claro que o tópico de mulheres tocando música pesada não foi deixado de lado na abordagem. Enfim, confiram parte da conversa abaixo.

Hangover-Music: O clipe da faixa 'Masked Betrayer' está obtendo uma excelente resposta por parte do público. Acho que pode ser apontado, inclusive, como responsável pela repercussão que a banda tem causado. Em meio as poucas composições que a Nervosa, por enquanto, possui; qual o motivo da escolha dessa faixa? O que ela representa pra banda?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Prika Amaral: Escolhemos a nossa música mais trabalhada e o que melhor simboliza a banda! Das três composições que gravamos, ela com certeza é a mais completa. Além disso, a "Masked Betrayer" representa o nosso melhor na fase atual.

Fernanda Terra: Também acho que, até então, era a nossa melhor música. A letra representa muito pra banda, apesar dela ter sido escrita apenas pela Fernanda Lira (vocal, baixo). Digamos que não tem como não se identificar.

HM: Aproveitando, como foi a gravação do vídeo?

FT: Bem, ele foi gravado durante o carnaval de 2012 nas vielas e numa casa da Lapa pela produtora Metal Works...

PA: ...foi super divertido, mas foi elaborado em cima da hora! Decidimos no momento da gravação como representaríamos um traidor. Por não termos nos programado, apenas fizemos o trivial! Além disso, acabou ocorrendo uma coincidência: o bandido representado no clipe usa a camiseta do Brasil, mas nem reparamos isso! Só fomos perceber depois que recebemos críticas após o lançamento do vídeo. Pedimos para os atores irem com roupas velhas e o Junior (ator) foi com uma camiseta de um açougue que, por acaso, era uma camiseta baseada na da seleção brasileira. Apenas na hora da gravação decidimos quem seria o bandido. No fim, nem notamos essa gafe!

HM: O primeiro registro da Nervosa (a demo) foi anunciada para março, contudo ela ainda não foi lançada. O que causou este atraso?

PA: Algumas propostas foram feitas e estávamos e ainda estamos negociando. Em breve soltaremos uma nota com explicações e novidades. Bem, assim esperamos.

FT: A demo terá três músicas gravadas - "Masked Betrayer", "Invisible Opression" e "Time of Death" -, canal por canal, no estúdio Mr. Som, em São Paulo. As faixas foram produzidas pelo Marcelo Pompeu e mixadas/masterizada pelo Heros Trench (ambos do integrantes do Korzus). Estávamos esperando uma resposta da Napalm Records - gravadora austríaca especializada em heavy metal -, pois não sabíamos se eles iam lançar a demo. Bem, não iria valer a pena porque a demo tem apenas três faixas e o custo seria 15 reais, ou seja, ninguém iria comprar! No Brasil, preferimos lançar a demo de forma independente e no fim do ano, pretendemos realizar um álbum de forma exclusiva pela Napalm.

PA: Ah, um detalhe que não foi falado: o nosso clipe estará na demo!

2012: primeira demo da banda
2012: primeira demo da banda

HM: No rock n' roll, de uma forma geral, uma banda formada apenas por mulheres é algo bem raro. Imagino que reunir, especificamente, garotas com o mesmo interesse musical - no caso, o thrash metal - torna essa 'missão' ainda mais complicada. Levando isso em consideração, quais foram as maiores dificuldades para a Nervosa chegar na formação atual?

FT: Bom, eu levei 20 anos pra encontrar a Fernanda Lira e a Prika. Acho que essa resposta já diz o quanto foi difícil realizar a Nervosa e o quanto estou feliz por ter conseguido. No começo tudo que eu queria era ter uma banda só de garotas. Até achar a primeira interessada foi complicado, e ainda passei todos esses anos procurei meninas que quisessem fazer um som mais pesado. Só em 2010 achei a Prika; um pouco depois, a Fe.

PA: Para mim, a dificuldade foi demorar mais de 12 anos até conseguir isso. Aliás, eu já tinha desistido - só animei quando conheci a Fernanda Terra. Prometemos a nós mesmas que seria a última vez que tentaríamos formar uma banda só de mulheres. Bem, até encontramos garotas que tocam bem, mas algumas não querem levar a sério ou não sabem compor músicas próprias... só querem tocar cover, aí não rola.

HM: Algumas pessoas tem estranhado a rápida ascensão da banda dizendo que a música fica em segundo plano, e vocês tem chamado mais atenção por serem... garotas. Como vocês lidam com críticas desse tipo? Vou além, como tem sido a receptividade e tratamento da galera nos shows?

FT: Ah, uma coisa que eu já aprendi é não encanar com essas coisas. Os shows têm sido o máximo por causa do público, principalmente. Por conta disso, procuro não me preocupar com os invejosos ou com quem não entendeu nossa música.

PA: Preconceito existe, mas eu vejo o lado positivo, pois chamamos a atenção e isso, talvez, desperte a vontade de ouvir nosso som pra saber como é. Qualquer crítica que fazem pra gente é positiva, pois tem uma galera que defende muito a banda. Todas essas pessoas que acham que pagamos para tocar - ou qualquer coisa do tipo -, estão enganadas. No fim, todas essas acusações mentirosas, de certa forma, nos ajudam, pois causam uma polêmica e quem gosta da nossa música se movimenta pra defender a gente. Isso mantém a nossa audiência. É algo não proposital que, de certa forma, acontece de forma natural e acho legal..

FT: Tem muita muita garota que curte nosso som e fala pra gente que estava faltando uma banda como a nossa - eu fico bem feliz com tudo isso; foi o que sempre busquei. Sendo vaidosa ou não, no fundo o que conta mesmo é a música.

HM: Voltando ao som da Nervosa... Do pouco que pode ser escutado ele mostra, basicamente, influências de thrash metal aliado ao hardcore e, em menor escala, o death metal. Vocês tem pretensão de, no futuro, ir além a esses gêneros - seja em uma faixa ou apenas em um álbum -, ou a proposta da banda já está selada?

FT: O som saiu natural assim, não forçamos em nada. Acredito que todas as músicas sigam sempre nessa pegada mesmo.

PA: Particularmente, gostaria de inserir algumas coisas, mas como um tempero apenas; a essência sempre será o thrash metal. Temos muito trabalho pela frente, novas músicas estão sendo feitas e temos muitas ideias, principalmente agora que entra a influência da Fernanda Lira, pois antes dela entrar as músicas já haviam sido compostas por mim e pela Fernanda Terra (baterista). A Fernanda Lira contribuiu compondo as letras para "Invisible Opression" e, como já dito antes, "Masked Betrayer".

HM: O português se encaixa bem nas composições da Nervosa ou fica restrito apenas ao nome do grupo?

FT: Queremos tentar tocar pelo mundo todo e a linguagem universal é o inglês. Levando em consideração que temos uma professora de inglês no vocal com pronúncia perfeita (Fernanda Lira)... não tem motivos de não ser em inglês. Prefiro que o mundo entenda nossa letra. Mas, temos uma música em português ("Urânio em Nós") e acho legal manter, pelo menos essa, pois acaba ficando exótico. Não vejo a hora de ouvir os gringos cantando "urânio em nós, urânio em nós" (risos).

PA: O português é ótimo para o punk e o hardcore, porém para o thrash ele soa um pouco estranho pra mim. Mas é legal experimentar e, por isso, ainda temos uma música em português. Nosso objetivo é que todos saibam do que estamos falando, então tem que ser em inglês. Ainda tem um outro fator: não seríamos tão reconhecidas agora se cantássemos em português, acho.

HM: Bandas formadas apenas por garotas no rock pesado já existem um bom tempo, vide o Gilrschool e o Vixen. Porém, mesmo com o passar do tempo, a presença feminina em bandas é, proporcionalmente a masculina, pequena. Como vocês veem a contribuição das mulheres para no metal e rock?

FT: Em cima do palco, contribuiu pouco, né? Até hoje, temos poucas bandas, mas muitas gostam de verdade do som e comparecem aos shows. Acho bem importante, pois isso faz a cena não morrer. Hoje em dias as pessoas são muito cômodas, não querem sair muito de casa e acabam acompanhando tudo pelo computador. Para mim, isso é ser um pseudoheadbanger, pseudorocker, pseudo o que for. Nos nossos shows, existem muitas garotas que se identificam com a gente. Acho isso muito legal, e espero que a gente inspire o surgimento de outras bandas!

PA: Esse cenário está mudando e está cada vez mais misto. Mas isso não rola só na música, a mulher está conquistando o seu espaço aos poucos em vários aspectos profissionais, como por exemplo, você não via muitas mulheres dirigindo ônibus, ou sendo presidente, mas aos poucos isso está aumentando. Essa é a tendência...

HM: Para encerrar... E a Nervosa? O que vocês podem oferecer para esse segmento?

FT: Músicas verdadeiras, feitas com muita vontade! Espero que a gente inspire muita mulher a começar a tocar ou pelo menos começar a gostar de música.

PA: Podemos oferecer apoio e incentivo. Enfim, mostrar que é possível conquistar reconhecimento, não importa se somos mulheres ou não, se somos bonitas ou não.

Para ler a entrevista na íntegra, acesse:

http://hangover-music.blogspot.com.br/2012/08/entrevista-ner...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Nervosa"


Nervosa: banda ainda lida com machismo, dos comentários aos nudes inconvenientesNervosa
Banda ainda lida com machismo, dos comentários aos nudes inconvenientes

Blog Sutil Como Uma Granada: Musas do rock/metal nacionalBlog Sutil Como Uma Granada
Musas do rock/metal nacional


Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeTop 10
Dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade

Ultimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os temposUltimate Guitar
As 28 canções mais sombrias de todos os tempos


Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline