Lemmy: Jon Lord, ser uma lenda e a descrença na humanidade

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Michael Christopher, do The Boston Phoenix, entrevistou em agosto de 2012 o mainman do MOTÖRHEAD, Lemmy Kilmister. Seguem alguns trechos da conversa.

Noisecreep: os 10 clipes mais assustadores do heavy metalRed Hot Chili Peppers: Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saída

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre seu status de "lenda":

Lemmy: "Eu sou bem pé no chão - não acredito em nada dessas porcarias. Você tem de se lembrar de onde você veio, que é exatamente de onde eles [o público] vêm; é a mesma coisa, e eu tive sorte. Eu sou aquele a quem eles ficam apontando, no momento; posteriormente, um deles será aquele a quem estarão apontando. O mundo dá voltas".

Sobre o recente falecimento do ex-tecladista do DEEP PURPLE, Jon Lord, aos 71 anos:

Lemmy: "É uma pena, porque o Jon Lord foi, em grande parte, responsável por eu estar no rock and roll. Ele estava em uma banda chamada ARTWOODS anos atrás, com o irmão do Ronnie Wood, Arthur. Eles eram uma banda meio de jazz-blues, acho. Eles tocaram no lugar em que eu estava morando, no País de Gales, um boteco, e eu estava conversando com o Jon e, que nem um idiota, ele me deu o endereço dele em Londres. Então, claro, eu fui até lá e ele não estava, mas ele estava morando na casa da mãe do Art, onde o Ronnie Wood, que estava numa banda chamada THE BIRDS, estava morando e eles me deixaram dormir no sofá. Eu acordei e estavam todos os THE BIRDS a meu redor dizendo, 'O que você está fazendo no sofá da mamãe?', aquele terrível bando de londrinos vindo pra cima de mim. Eu nunca vou esquecer que o Jon - um completo estranho, e eu apenas um moleque - me deu o endereço dele para ir a Londres vê-lo. Eu frequentemente o agradecia por isso. Eu o vi ano passado em um hotel na Alemanha em Colônia. Ele estava lá fazendo um negócio de orquestra, e conversamos no bar por um tempo. . . . Fico feliz por tê-lo visto, sendo que ele se foi".

Falando sobre o uso da internet para promover novas bandas:

Lemmy: "A coisa ruim disso é que você dá às pessoas a internet, que é o maior sistema de comunicação da humanidade, e nós a usamos para pornografia infantil, que é bem encorajador, não é? Você sempre pode confiar na humanidade; eles sempre levam a coisa ao mínimo denominador comum e cagam em tudo".

Sobre a mídia social como Facebook e Twitter:

Lemmy: "Eu não uso essas coisas, porque eu já tenho aborrecimento demais sem isso, de ficar mexendo com isso de 10 a 20 horas todo dia, tuitando com meus amigos. Twitter? Não está no meu dicionário, lamento. Eu não tuito, cara",

Leia a entrevista na íntegra no The Boston Phoenix

http://thephoenix.com/Boston/music/142193-lemmy-and-mot%C3%B...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Motorhead"Todas as matérias sobre "Deep Purple"Todas as matérias sobre "Lemmy Kilmister"Todas as matérias sobre "Jon Lord"


MuchMoreMusic: programa canadense elege os 20 Pais do Heavy MetalMuchMoreMusic
Programa canadense elege os 20 Pais do Heavy Metal

James Hetfield: como ele soa sem o Metallica?James Hetfield
Como ele soa sem o Metallica?


Noisecreep: os 10 clipes mais assustadores do heavy metalNoisecreep
Os 10 clipes mais assustadores do heavy metal

Red Hot Chili Peppers: Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saídaRed Hot Chili Peppers
Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saída


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Goo336x280