Ne Obliviscaris: "cada música é uma viagem para nós"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fabio Melo, Fonte: Groundcast
Enviar correções  |  Ver Acessos

O Ne Obliviscaris é um grupo de metal único e original, que mistura muitas influências de muitos estilos, criando uma sonoridade muito diversificada, que flerta entre o metal extremo e o progressivo. Entrevistamos o vocalista Xenoyr, que respondeu com muita seriedade as nossas perguntas. Confira abaixo a entrevista.

Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesPink Floyd: Perguntas e respostas e curiosidades

GROUNDCAST: Primeiro de tudo gostaria de agradecer pela entrevista. Conheço a banda há algum tempo (com a demo "Veil Aurora") e a única coisa que posso dizer é que é fantástica! A banda, as músicas, tudo em perfeita harmonia.

Xenoyr: Não tem problema, é um prazer! E obrigado, ainda recebo um monte de comentários positivos sobre a demo e isto me espanta. Estou feliz que você ainda pode encontrar algo nela que você pode se relacionar.

GROUNDCAST: Para aquecer, pode nos dizer algo sobre o início da banda e sua carreira musical?

Xenoyr: Éramos quatro integrantes em abril de 2003, como uma banda de dark melodic metal ou algo próximo disso e alguns meses depois, recrutados outro guitarrista e uma soprano, seguido por Tim, o nosso violinista em setembro de 2003. Entre essa data e o nosso primeiro show em fevereiro de 2006 tivemos uma série de mudanças de line-up, canções descartadas e algumas questões pessoais que nos colocaram para baixo. Em 2007 lançamos a demo "The Aurora Veil", que você já conhece, seguida por outra mudança na formação. Tiro meu chapéu para qualquer banda que possa manter todos os seus membros orignais!

GROUNDCAST: O que significa "Ne Obliviscaris"? Vi que na letra "Forget Not" esse nome é mencionado, procurei na internet e não encontrei seu significado.

Xenoyr: Simplesmente, significa "não esquecer" ou "nunca esquecer". As pessoas podem tirar algo desse significado da forma que quiserem, gostaríamos que as pessoas tivessem seu próprio significado pessoal ou conexão com a frase.

GROUNDCAST: Vocês misturaram a agressividade de Black Metal com a harmonia do "prog metal" e ainda acrescentam o som do violino. Como surgiu a ideia de combinar todos estes elementos?

Xenoyr: Comecei a banda querendo um som melódico muito forte, agressivo, sombrio e, lentamente, com as frequentes mudanças de formação, a música evoluiu para uma amálgama de estilos diferentes. Queria tanto uma violoncelista ou um violinista para acrescentar uma dinâmica extra às músicas, porque ambos têm sons tão expressivos, eu não teria sido feliz de outra forma. Eu não sabia como ele iria funcionar, mas estou contente que nós tentamos.

GROUNDCAST: Vocês possuem outros projetos musicais? Se sim, eles são projetos de metal ou direção musical diferente?

Xenoyr: Alguns de nós temos outros projetos em que estamos trabalhando, a maioria de metal, todos se encontram no início atualmente. Houve alguns projetos que não estão dentro do metal, mas acredito que estão em hiato. Mais informações sobre projetos paralelos estarão provavelmente disponíveis em nossos Facebooks.

GROUNDCAST: Posso considerá-los uma banda magnífica como Opeth, Enslaved e Obscura, por exemplo. Para mim, vocês estão na mesma posição, ou ainda mais a frente do que eles, porque acho que a música que vocês fazem é simples e ao mesmo tempo complexa, feita para ser sentida e realmente amo isso. Vocês podem falar sobre seus métodos para compor?

Xenoyr: Somos fãs do Opeth e Enslaved e sermos comparados com eles é uma honra. Obviamente, como deve ter percebido, não somos os mais rápidos em compor músicas na história, mas não gosto de apressar o processo e forçar-nos a concluir por causa de apenas outra canção em andamento. Nós não iremos divulgar algo que não estamos totalmente satisfeitos. Compor nossas músicas é diferente, particular, para cada uma delas, por vezes, resulta nas pessoas simplesmente tocando alguns riffs e vendo onde isso vai dar, para onde todas as pessoas sentem que as músicas precisam ir, e às vezes alguém vai entrar em um ensaio com uma estrutura básica e vamos trabalhar em cima. Se o sentimento não está bom, vamos tentar outra coisa. Além disso, sempre tentamos nos afastar da estrutura verso / refrão típico, e não é algo que estamos interessados em fazer, nós temos muitas ideias para isso. Cada música é uma viagem para nós, tão raramente vamos olhar para trás.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Ne Obliviscaris"


Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesLars Ulrich
Jucando no camarim do Guns N' Roses

Pink Floyd: Perguntas e respostas e curiosidadesPink Floyd
Perguntas e respostas e curiosidades

Led Zeppelin: a inspiração por trás de KashmirLed Zeppelin
A inspiração por trás de "Kashmir"

A década perdida?: Rock Brasileiro da Década de 70A década perdida?
Rock Brasileiro da Década de 70

Bruce Dickinson: punks não sabem tocar e tem inveja do metalBruce Dickinson
Punks não sabem tocar e tem inveja do metal

Mötley Crüe: a reação de Roger Taylor, do Queen, ao filme The DirtMötley Crüe
A reação de Roger Taylor, do Queen, ao filme "The Dirt"

Iron Maiden: assista jam histórica com o Deep Purple em 2002Iron Maiden
Assista jam histórica com o Deep Purple em 2002


Sobre Fabio Melo

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336