Celtic Frost: "o 'Cold Lake' é uma porcaria", diz Tom

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Henrique Schmidt, Fonte: The Metal Temple, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O vocalista Tom Gabriel Fischer (TRIPTYKON) é destaque em uma nova entrevista com a Metal-Temple.com. Um trecho está disponível abaixo.

Tico Santa Cruz: um comovente texto sobre suicídio de ChampignonDeath On Two Legs: a declaração de ódio de Freddie Mercury

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Agora, eu tenho uma pergunta que você talvez não queira responder ...

Fischer: (Interrompendo): "Eu vou responder qualquer coisa".

Ok, então aqui vai, o que aconteceu com "Crystal Lake"?

Fischer: "Você quer dizer 'Cold Lake'"?

Ah sim, claro. Desculpe por isso ...

Fischer: "Isso é bom você não pode torná-lo pior do que já é..."

Então, por que você mudou radicalmente o som do CELTIC FROST?

Fischer: "Primeiro de tudo isso é uma pergunta fácil de responder. Eu sempre faço o que eu acho que é melhor para um álbum e esse período de tempo eu senti que era o caminho a percorrer. Para mim a arte não é jogar pelo seguro, é arriscar a sua carreira. Se você está constantemente a repetir ou copiar a si mesmo ou outros, então isso não tem nada a ver com arte. A arte é apostar toda a sua carreira, apoiando uma idéia sua, não importando se ela funciona ou não. Isso realmente não importa. A arte também é provocativa e certeira, eu nunca tive medo de tentar algo. Por outro lado, o álbum em si foi um fracasso absoluto. Só porque eu tenho essa coragem não significa que eu sempre vou ter sucesso. Eu cometi muitos erros em minha vida e com os músicos, por vezes, erros acontecem em público. Então, esse álbum é o meu erro de destaque. Foi talvez uma idéia que poderia ter funcionado em algumas circunstâncias, mas a forma como foi executado foi desanimadora. E é claro que eu assumo toda a responsabilidade para isso, pois eu era o único membro antigo do CELTIC FROST. A produção, as fotografias, as letras, as músicas, a capa são uma porcaria, tudo o que o CELTIC FROST significava não foi alcançado nesse álbum".

Isso foi francamente honesto!

Fischer: "Sabe de uma coisa, eu tenho que viver com isso. Eu não posso falar gloriosamente sobre bons álbuns. Eu tenho que aceitar que 'Cold Lake' é também o meu álbum e assumir a responsabilidade. Agora, eu estou em meu 13º álbum e olhando para trás vejo apenas uma falha, muito mais fácil. Se 'Cold Lake' for meu passado, então será muito difícil de se conviver. Sempre soube no CELTIC FROST que iríamos cair de cara e, felizmente, isso aconteceu muito cedo. Eu não vou cometer o mesmo erro novamente!"

Você disse que a arte é correr riscos, por isso, qual era o risco do TRIPTYKON?

Fischer: "Bem, o risco era de decidir deixar o nome estabelecido do Celtic Frost para trás. Todos na indústria da música disseram-me para levar o nome do Celtic Frost e lançar um novo álbum. Se eu tivesse feito isso, certamente teria sido muito mais fácil. Estaria em um nível confortável, enchendo grandes clubes, e tendo equipes maiores. Mas eu decidi ser honesto, já que iria atuar no palco fingindo que era o Celtic Frost".

Então, não era um problema legal com o nome?

Fischer: "Não, não era e estou muito certo se eu pedisse a Martin (Eric Ain) para usar o nome que ele diria que sim, afinal ele não ia usá-lo. De fato, a luta foi não entre Martin e eu, foi com outro cara. De qualquer forma, o risco era abandonar tudo o que eu tinha lutado por 25 anos e começar basicamente do zero, formando uma nova banda, apenas esperando que os fãs iriam nos dar outra chance. E este é apenas o primeiro passo para o Triptykon, que levará muitos anos para chegar sequer perto do que o Celtic Frost alcançou. Não há nenhuma garantia de que as pessoas aceitariam desenvolver a música do Celtic Frost com uma banda nova. Ninguém fica mais surpreso com as críticas positivas em nosso álbum do que eu. Tenho feito isso há muito tempo e eu sabia que havia uma chance de perder toda a minha carreira. Mas eu queria ser honesto ao invés de montar um circo no palco e chamá-lo de Celtic Frost".

Eu tenho que admitir que, ao ler o seu livro é como se eu já o conhecesse. Parece que você não mudou desde aquele tempo.

Fischer. "Felizmente estou um pouco mais maduro como pessoa e como músico. Quando eu olho para essas fotos, eu penso que eu tive muita coragem para fazê-las, mas também eu era muito ingênuo como pessoa e como músico. Então, agora eu estou muito feliz de estar aqui fazendo o que amo com meus 47".

A entrevista completa (em inglês) está no link abaixo:
http://www.metal-temple.com/site/catalogues/entry/musicians/...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Triptykon"Todas as matérias sobre "Celtic Frost"Todas as matérias sobre "Hellhammer"


Rock/Metal: 7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2Rock/Metal
7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2

Vinil: os 10 LPs mais raros e valiosos dos anos 1980Vinil
Os 10 LPs mais raros e valiosos dos anos 1980


Tico Santa Cruz: um comovente texto sobre suicídio de ChampignonTico Santa Cruz
Um comovente texto sobre suicídio de Champignon

Death On Two Legs: a declaração de ódio de Freddie MercuryDeath On Two Legs
A declaração de ódio de Freddie Mercury


Sobre Carlos Henrique Schmidt

Graduado em Computação e Administração, a paixão pela música pesada surgiu nos primeiros anos da adolescência e permanece até os dias de hoje. Apesar da preferência pelos estilos mais x-tremos da música pesada (Black, Death, Grind), o seu universo musical não limitado por estes rótulos, mas pelo que a música em si transmite.

Mais informações sobre Carlos Henrique Schmidt

Mais matérias de Carlos Henrique Schmidt no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor