David Ellefson: para ser bom, é preciso ser extraordionário

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Victor Lira, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A IndependentRockstar.com recentemente conduziu uma entrevista com o ex-baixista do MEGADETH e atual baixista das bandas F5/HAIL!.

46 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa5000 acessosUSA Today: as 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUA

David, qual é o hábito que você mantém, que é importante para o seu sucesso?

Ellefson: "Em primeiro lugar, eu amo tocar, compor, gravar e principalmente tocar ao vivo. Por causa disso, eu sou tão focado em fazer músicas a qualquer preço. Isso me ensinou a nunca desistir, mesmo com todos os obstáculos que eu possa encontrar no caminho".

Por que você acha que é tão importante levar o lado 'empresarial' da música a sério?

Ellefson: "Se você quiser tocar simplesmente por diversão então você não precisa tratar a coisa como um negócio. Mas, se você quiser viver de música e ter uma carreira, você precisa prestar atenção nessa parte [negócios], dinheiro, marketing e etc. Porque é isso que irá te sustentar e prover".

O que você acha que é o mais importante princípio para os músicos entenderem como crescer o seu número de fãs?

Ellefson: "No final do dia, as pessoas não compram o 'comum' e sim o extraordinário. Para ser bom, você tem que ser diferente e tem que ser algo que as pessoas realmente queiram também. Em outras palavras, você pode ser 'bom' e sobreviver, mas para realmente crescer, você precisa ser fora do comum. Isso não é algo que a maioria de nós chega a experimentar algum dia de nossas vidas, mas aqueles que realmente querem seguir adiante no mundo do entretenimento tem de fazer algo realmente único para seu público".

Qual seria seu melhor conselho para músicos jovens em termos de lidar com pessoas, e por que isso é tão importante para o sucesso?

Ellefson: "Uma coisa que eu aprendi, é estar conectado em TUDO que diz respeito à vida. São pessoas que fazem as coisas acontecerem, e não as coisas, instrumentos ou computadores. Muitos músicos pensam que suas habilidades musicais e suas músicas é tudo o que importa, então ficam o tempo todo praticando e se esquecem do mais importante, que é estar pronto para construir relações com a sua banda e com o seu público. O mesmo serve para os negócios. Ter um monte de contatos que os coloque 'dentro do jogo' é algo que toda pessoa bem sucedida tem em suas respectivas indústrias. Todos nós precisamos de outras pessoas para nos ajudar a seguir em frente. É um processo de 'dar para receber' e abrir as portas".

O que foi a coisa que mais o surpreendeu na sua carreira comparado ao que você imaginou que as coisas seriam quando jovem?

Ellefson: "Como jovem você pensa, 'Wow, ser uma estrela do rock pode ser divertido e parece ser fácil'. Mas, depois você percebe que se fosse tão fácil todo mundo estaria fazendo isso! Eu percebi que tocar em shows para 20,000 pessoas não era muito diferente de tocar em pequenos shows para 200 pessoas. A diferença são apenas alguns zeros depois dos números. Em ambos você tem que ensaiar, trabalhar duro e estar pronto para conviver com pessoas para se manterem juntos e sobreviverem às situações mais difíceis. Eu acho que o stress interno de construir algo para ter sucesso é um desafio tão grande quanto o de fato ter o sucesso. Sucesso é um verbo, uma jornada. Então mesmo quando você parece estar errando tudo, você percebe que ainda há muita coisa que você pode fazer. A jornada nunca acaba, só se mantém em mudança. Para mim, essa é a grande graça da coisa".

Quem ou o que te inspira?

Ellefson: "Meu pai sempre foi uma grande inspiração para mim, mesmo ele não sendo um músico! Ele sempre me lembrou que era preciso trabalhar duro. Ele sempre me lembrava 'Você não é tão bom até alguém realmente achar que você é'. Em outras palavras, não se ache tão foda só porque você toca um instrumento, as outras pessoas que serão os juízes disso, porque eles serão quem decidirão se eles querem vir e te ver tocar".

A matéria completa (em inglês) está neste link.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Dave Mustaine classifica os guitarristas da banda

46 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa446 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3351 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

DocumentárioDocumentário
Megadeth x Metallica - Conheça as duas versões da história

MegadethMegadeth
Dave Mustaine contra o casamento gay

19971997
15 discos de rock/metal que completam 20 anos de lançamento

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "F5"0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

USA TodayUSA Today
As 20 maiores de todos os tempos nos Estados Unidos

Heavy MetalHeavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

Em canaEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

5000 acessosIron Maiden: Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo Horizonte5000 acessosMetal sueco: site elege as dez melhores bandas da Suécia5000 acessosDebandados: saíram de uma banda e formaram outras de igual pra melhor5000 acessosSteve Grimmett: divulgada primeira foto após a amputação da perna4957 acessosMade in Brazil: O Secos e Molhados copiou a banda? E o Kiss?5000 acessosFascínio pelo terror: Cinco bandas que dão medo

Sobre Victor Lira

Aprendi a gostar de rock and roll aos 11 anos, sob influência do meu pai, rockeiro nato. Comecei ouvindo Led Zeppelin e Rush, mas me tornei um fissurado por Metal quando ouvi Dio. Hoje sou fã incondicional do Heaven & Hell e de Megadeth.

Mais matérias de Victor Lira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online